A tarefa dos intelectuais diante da realidade social: denúncia ou combate?

  • Mario Borges Netto Universidade Federal do Tocantins
  • Maria Cristina Gomes Machado Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: História da educação. Intelectuais. Florestan Fernandes

Resumo

O presente texto tem como proposta responder ao seguinte questionamento: qual a função do intelectual, denúncia ou combate? O que nos diz Florestan Fernandes sobre o papel do intelectual? Para correspondermos ao objetivo do texto, debatemos sobre as tarefas dos intelectuais no processo de transformação e democratização da sociedade brasileira, a partir dos escritos de Florestan Fernandes. Foi possível perceber que Florestan Fernandes segue uma tradição teórico-política de esquerda que defende a unidade entre ciência (teoria) e política (prática). Disso compreende-se que Florestan Fernandes considera que tanto a denúncia quanto o combate são tarefas complementares inerentes à conduta do intelectual, porém, fica evidente o peso atribuído por ele à iniciativa prática da luta política, ao combate. Para melhor apresentarmos a nossa análise e os resultados construídos pelo nosso estudo, organizamos o texto da seguinte forma: 1) apresentamos o debate sobre os intelectuais nos escritos de Karl Marx e Antonio Gramsci; 2) analisamos o papel do intelectual no processo de transformação social nos escritos de Florestan Fernandes; por fim, tecemos nossas conclusões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mario Borges Netto, Universidade Federal do Tocantins

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor do curso de graduação em Pedagogia da Universidade Federal do Tocantins, campus universitário de Tocantinópolis. Email: borgesnetto@uft.edu.br

Maria Cristina Gomes Machado, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá. Email: mcgmachado@uem.br

Referências

BUFFA, Ester. Ideologias em conflito: escola pública e escola privada. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979.

CUNHA, Marcus Vinícius da. Florestan Fernandes, arquiteto da razão. In. FARIA FILHO, Luciano Mendes de (Org.). Pensadores sociais e história da educação. 2 ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2008.

FERNANDES, Florestan. A sociologia numa era de revolução social. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, 1963.

FERNANDES, Florestan. A universidade brasileira: reforma ou revolução? 2a ed. São Paulo, SP: Alfa-Omega, 1979.

FERNANDES, Florestan. Brasil: em compasso de espera: pequenos escritos políticos. Rio de Janeiro, RJ: Editora UFRJ, 2011.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1968.

GRAMSCI, Antonio. Quaderni del carcere – Edizione critica dell‟Istituto Gramsci. A cura di Valentino Gerratana. Turim: Einaudi, 2007, 4 vol.

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Tradução de Rubens Enderle e Leonardo de Deus. 2. ed. São Paulo, SP: Boitempo, 2010.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia Alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). Tradução de Rubens Enderle, Nélio Schneider e Luciano Cavini Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Aberturas para a história da educação: do debate teórico-metodológico no campo da história ao debate sobre a construção do sistema nacional de educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, Dermeval. Florestan Fernandes e a educação. Estudos Avançados, São Paulo, v.10, n.26, p.71-87, jan.-abr. 1996.

Publicado
2015-12-14
Como Citar
Netto, M. B., & Machado, M. C. G. (2015). A tarefa dos intelectuais diante da realidade social: denúncia ou combate?. Revista HISTEDBR On-Line, 15(65), 298-309. https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642712
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)