Banner Portal
A tarefa dos intelectuais diante da realidade social: denúncia ou combate?
PDF

Palavras-chave

História da educação. Intelectuais. Florestan Fernandes

Como Citar

NETTO, Mario Borges; MACHADO, Maria Cristina Gomes. A tarefa dos intelectuais diante da realidade social: denúncia ou combate?. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 298–309, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642712. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642712. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

O presente texto tem como proposta responder ao seguinte questionamento: qual a função do intelectual, denúncia ou combate? O que nos diz Florestan Fernandes sobre o papel do intelectual? Para correspondermos ao objetivo do texto, debatemos sobre as tarefas dos intelectuais no processo de transformação e democratização da sociedade brasileira, a partir dos escritos de Florestan Fernandes. Foi possível perceber que Florestan Fernandes segue uma tradição teórico-política de esquerda que defende a unidade entre ciência (teoria) e política (prática). Disso compreende-se que Florestan Fernandes considera que tanto a denúncia quanto o combate são tarefas complementares inerentes à conduta do intelectual, porém, fica evidente o peso atribuído por ele à iniciativa prática da luta política, ao combate. Para melhor apresentarmos a nossa análise e os resultados construídos pelo nosso estudo, organizamos o texto da seguinte forma: 1) apresentamos o debate sobre os intelectuais nos escritos de Karl Marx e Antonio Gramsci; 2) analisamos o papel do intelectual no processo de transformação social nos escritos de Florestan Fernandes; por fim, tecemos nossas conclusões.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642712
PDF

Referências

BUFFA, Ester. Ideologias em conflito: escola pública e escola privada. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979.

CUNHA, Marcus Vinícius da. Florestan Fernandes, arquiteto da razão. In. FARIA FILHO, Luciano Mendes de (Org.). Pensadores sociais e história da educação. 2 ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2008.

FERNANDES, Florestan. A sociologia numa era de revolução social. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, 1963.

FERNANDES, Florestan. A universidade brasileira: reforma ou revolução? 2a ed. São Paulo, SP: Alfa-Omega, 1979.

FERNANDES, Florestan. Brasil: em compasso de espera: pequenos escritos políticos. Rio de Janeiro, RJ: Editora UFRJ, 2011.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1968.

GRAMSCI, Antonio. Quaderni del carcere – Edizione critica dell‟Istituto Gramsci. A cura di Valentino Gerratana. Turim: Einaudi, 2007, 4 vol.

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Tradução de Rubens Enderle e Leonardo de Deus. 2. ed. São Paulo, SP: Boitempo, 2010.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia Alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). Tradução de Rubens Enderle, Nélio Schneider e Luciano Cavini Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Aberturas para a história da educação: do debate teórico-metodológico no campo da história ao debate sobre a construção do sistema nacional de educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, Dermeval. Florestan Fernandes e a educação. Estudos Avançados, São Paulo, v.10, n.26, p.71-87, jan.-abr. 1996.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.