A Escola Nacional Florestan Fernandes: origens históricas e concepções teórico-práticas

Autores

  • Lalo Watanabe Minto Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642713

Palavras-chave:

Escola Nacional Florestan Fernandes. MST. Ensino superior

Resumo

A existência de uma escola nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) é anterior à fundação da sede física da Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), em janeiro de 2005, e está vinculada ao desenvolvimento do MST como um movimento de dimensões nacionais. Nesse artigo apresentamos alguns aspectos históricos da fundação dessa escola, dos seus primórdios nos anos 1980/1990 até o período de consolidação e desenvolvimento em Guararema/SP, resultantes do projeto de pesquisa coletivo intitulado “Concepções teórico-práticas de educação e trabalho no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)”, financiado pelo CNPq e coordenado pelo Grupo de Pesquisa “Organizações e Democracia”, da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp, campus de Marília. Com relação ao objeto em foco, buscou-se apreender em que medida o MST pôs em prática a “pedagogia do movimento” para “ocupar” o nível superior de ensino. As principais conclusões do estudo indicam que a estratégia prioritária do movimento tem sido a de obter espaços e influência no sistema de ensino regular, secundarizando a perspectiva de construir uma escola superior própria, autônoma e voltada exclusivamente aos interesses do MST.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lalo Watanabe Minto, Unicamp

Professor do Departamento de Filosofia e História da Educação, da Faculdade de Educação da Unicamp. Contato: lalo@unicamp.br.

Referências

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ENFF.Instalações. Disponível em: http://amigosenff.org.br/pt-BR/a-escola/instalacoes. [s.d.]. Acesso em: 07 jul. 2014.

BEZERRA, C.; RODRIGUES, M.; PIZETTA, A.A parceria UFJF/Escola Nacional Florestan Fernandes – MST: a experiência e a produção de conhecimentos do curso de especialização em estudos latino americanos. Libertas, Juiz de Fora, MG, ed. especial, fev. 2007, p. 01-23.

BIONDI, A.Escola Florestan Fernandes, marco na história do MST. Revista Adusp, São Paulo, jan. 2006. p. 15-22.

CALDART, R. S.Pedagogia do Movimento Sem Terra. 3a ed. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

DAL RI, N.; VIEITEZ, C.Educação democrática e trabalho associado no movimento dos trabalhadores rurais sem terra e nas fábricas de autogestão. São Paulo: Ícone: Fapesp, 2008.

FERNANDES, B. M.Formação e territorialização do MST no Brasil. In: CARTER, M. (org.). Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2010.p. 161-197.

FILGUEIRAS, O. Entrevista com Luis Carlos Guedes Pinto. Revista Sem Terra. São Paulo: MST, n.08, jul./ago./set. 1999, p. 20-25.

GASPARIN, G.Contra a ideia da força, a força das ideias. Jornal Sem Terra, n. 295, ago. 2009. Disponível em: http://www.mst.org.br/jornal/295/entrevista. Acesso em: 20 fev. 2013.

KOLLING, E.; VARGAS, M.; CALDART, R.MST e educação. In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012. p.502-509.

LEHER, R.Escola Nacional Florestan Fernandes: um grande acontecimento para a educação e para as lutas sociais no Brasil. Outro Brasil – Laboratório de Políticas Públicas (LPP), UERJ, 15 fev. 2005. Disponível em: www.outrobrasil.net. Acesso em: 19 fev. 2013.

LUCENA, C.; BORGES NETTO, M.Escola Nacional Florestan Fernandes e a formação dos trabalhadores rurais sem terra: as atribuições do movimento frente à sua base. Revista HISTEBR On-line. Campinas, n. 39, p. 211-224, set. 2010.

MEDEIROS, E. C. de. A dimensão educativa da mística sem terra: a experiência da Escola Nacional “Florestan Fernandes”. Dissertação (Mestrado). Florianópolis, SC: UFSC, Centro de Ciências da Educação. 2002.

MST. Campanha de construção da Escola Nacional do MST. Caderno de Formação n. 29, São Paulo: MST, 1998.

MST. Lutas e conquistas. Reforma agrária: por justiça social e soberania popular.2a ed. São Paulo: Secretaria Nacional do MST, jan. 2010.

MST. Manifesto das educadoras e dos educadores da reforma agrária ao povo brasileiro. In: CALDART, R.Pedagogia do Movimento Sem Terra. 3a ed. São Paulo: Expressão Popular, 2004. [anexo]. p. 427-429.

MST. Movimentos sociais realizam cursos de especialização e mestrado no RJ.22/05/2014. Disponível em: http://www.mst.org.br/node/16142. Acesso em: 07 jul. 2014.

MST. Terra Nossa – Boletim informativo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – São Paulo. Ano II, n. 08, jan./fev. 1994. Disponível em: http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=G:Trbs_NShad_CEDEM_BiblLTCDEM_BiblLT.DocPro. Acesso em: 30 maio 2014.

NETTO, J. P.Em busca da contemporaneidade perdida: a esquerda brasileira pós-64. In: MOTA, C. (org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira (1500-2000): a grande transação. 2a ed. São Paulo, Editora Senac São Paulo, 2000. p. 219-45.

PIZETTA, A. J. A formação política no MST: um processo em construção. OSALAno VIII, n. 22, set. 2007. Buenos Aires: CLACSO. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal22/EMS22Pizetta.pdf. Acesso em: 20 fev. 2013.

PIZETTA, A. J. Apresentação dos cadernos da ENFF. In: ENFF. Cadernos de estudos ENFF – 2. Literatura e formação da consciência. Guararema, SP: ENFF, 2011. p. 07-13.

PIZETTA, A. J. Na ENFF o conhecimento constrói consciências.Revista Sem Terra, São Paulo, 30 dez. 2010. [Entrevista]. Disponível em: http://www.mst.org.br/Na-ENFF-o-conhecimento-constroi-consciencias. Acesso em: 03 jul. 2014.

PIZETTA, A. M. J. A construção da Escola Nacional Florestan Fernandes: um processo de formação efetivo e emancipatório. Libertas, Juiz de Fora, MG, ed. especial, p. 24-47, fev. 2007a.

PRINCESWAL, M.MST e a proposta de formação humana da Escola Nacional Florestan Fernandes: uma síntese histórica. Dissertação (Mestrado). Rio de Janeiro: UERJ, Faculdade de Educação. 2007.

RODRIGUES, F. de C.MST: formação política e reforma agrária nos anos de 1980. Campinas, SP: [s.n.]. Tese (Doutorado). Unicamp, Faculdade de Educação, 2013.

SANTOS, C. A. dos. Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA). In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde J. Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012. p.631-639.

SANTOS, S. A. dos. MST inaugura Escola Nacional Florestan Fernandes. Revista Sem Terra, n. 28, jan./fev. 2005.p. 30-35.

SILVA, R. M. L. da.A Dialética do Trabalho no MST: a construção da Escola Nacional Florestan Fernandes.Tese (Doutorado). Niterói: UFF, 2005.

STÉDILE, J. P.Saudação em nome da direção nacional do MST. In: ENFF. Cadernos de estudos ENFF – 2. Literatura e formação da consciência. Guararema, SP: ENFF, 2011.p. 69-72.

STÉDILE, J.; HILARIO, E.; FUSER, I. Escola Nacional Florestan Fernandes: seja um associado. Brasil de Fato. 19/07/2013. Disponível em: http://www.brasildefato.com.br/node/13666. Acesso em: 07 jul. 2014.

TAFFAREL, C.; MOLINA, M.Política educacional e educação do campo. In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde J. Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.p. 571-578.

UM ANO de muita luta. Jornal Sem Terra. São Paulo, n. 121, nov. 1992, p. 03.

Downloads

Publicado

2015-12-14

Como Citar

MINTO, L. W. A Escola Nacional Florestan Fernandes: origens históricas e concepções teórico-práticas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 310–327, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642713. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642713. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos