A história da luta em defesa da educação pública no Brasil: questões para pesquisa

Autores

  • Lucelma Silva Braga Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642715

Palavras-chave:

Movimento Docente. Educação Pública. Capitalismo

Resumo

Este trabalho objetiva apontar alguns elementos, ainda em caráter preliminar, da história da luta em defesa da educação pública no Brasil no período compreendido entre a década de 1980 e anos 2000. As condições geradas com o alto endividamento externo e a fragilização das bases da economia nacional tornou a década de 1980 fecunda para a organização política da classe trabalhadora de modo geral e para o campo educacional, em particular, resultando numa organização de força coletiva sem precedentes na história da educação brasileira. A partir da década de 1990, com as reformas educacionais implementadas no bojo do Estado neoliberal e o avanço da ofensiva das classes dominantes pela hegemonia do capital, temos visto que o movimento de educadores passou por um processo de refreamento de sua capacidade de luta coletiva em âmbito nacional. A retomada de formas de resistência e enfrentamento coletivos, capazes de alterarem as condições históricas da educação brasileira, exige, entre outras coisas, compreender em profundidade as especificidades dessa história de luta dos educadores para apreender-se lições que sinalizem quais são os elementos fundamentais na conjuntura atual de desenvolvimento das crises do capitalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucelma Silva Braga, Universidade Federal do Maranhão

Docente na Universidade Federal do Maranhão, CCAA- UFMA, e pesquisador do HISTEDBR, Gt- MA.

Referências

ARELARO. Lisete Regina Gomes. Resistência e submissão: a Reforma Educacional na década de 1990. Artigo do livro: O cenário Educacional Latino-americano no limiar do século XXI. Reformas em debate. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

BOLLMANN, Maria da Graça Nóbrega. Revendo o Plano Nacional de Educação: Proposta da Sociedade Brasileira. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 657-676, jul.-set. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Censo da Educação Superior. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse. Acesso em: 30. Mar. 2015.

BUFFA, Ester. Ideologias em conflito: escola pública e escola privada. São Paulo, Cortez & Moraes, 1979.

COSTA, Gleiciane Mende; BRAGA, Lucelma Silva. Mundo do trabalho em tempos de mundialização do capital: repercussões no trabalho de docentes de instituições públicas de ensino superior. In: XXI Seminário Nacional UNIVERSITAS/ Br, São Carlos. Anais do XXI Seminário Nacional Universitas/Br, 2013

COUTINHO, C. N. O Estado brasileiro: gênese, crise, alternativas. In: Debates e síntese do seminário Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/ Fiocruz, 2007.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Ideologia e educação brasileira. São Paulo: Cortez e Moraes, 1978.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. Rio de Janeiro, F. Alves, 1975.

CUNHA, Luiz Antônio & GÓES, Moacyr .O golpe na educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Ed. 1985 (Brasil os anos de autoritarismo, análise, balanço, perspectivas).

CUNHA, Luiz Antônio. Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Editora Cortez; Niterói, RJ: Editora da Universidade Federal Fluminense; Brasília, DF: FLACSO do Brasil 1991.

EVANGELISTA, O.& LEHER, R. Todos Pela Educação e o episódio Costin no MEC: A Pedagogia Do Capital em ação na política educacional brasileira.Trabalho Necessário – www.uff.br/trabalhonecessario; Ano 10, No 15/2012.

FÉLIX, Maria de Fátima Costa. Administração escolar: um problema educativo ou empresarial?. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1984.

FERNANDES, Florestan. Nova República?. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1986.

FERNANDES, Florestan. A transição prolongada: o período pós-constitucional. São Paulo: Cortez, 1990.- (Biblioteca da Educação. Série economia e política:v.2).

FREITAG, Bárbara. Escola, Estado e sociedade. São Paulo, Edart, 1977.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo, Cortez, 1984.

GERMANO, José Willington. Lendo e aprendendo: a Campanha de Pé no Chão Também de Aprende a Ler. São Paulo, Cortez, 1985.

LÉDA, Denise Bessa. Trabalho docente no ensino superior: análise das condições de saúde e de trabalho em instituições privadas do estado do Maranhão. 2009. Tese (Doutorado em Psicologia Social)–Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

LEDA, D. B., MANCEBO, M. REUNI: heteronomia e precarização da universidade e do trabalho docente. Educação e Realidade, v. 34, n. 1, p. 49 – 64, jan/abril 2009. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/8457/4922. Acesso em: 1 dez. 2011.

LEHER, Roberto. Organização, estratégia política e o Plano Nacional de Educação. Blog Marxismo 21, 11 de agosto de 2014. Disponível em: http://marxismo21.org/wp-content/uploads/2014/08/R-Leher-Estrat%C3%A9gia-Pol%C3%ADtica-e-Plano-Nacional-Educa%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acessado em 06 de abril de 2015.

LOMBARDI, J.C. Reflexões sobre educação e ensino na obra de Marx e Engels. Campinas, SP: Tese (livre docência) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, [s.n.], 2010.

MARTINS, L. M. As aparências enganam: divergências entre o materialismo histórico dialético e as abordagens qualitativas de pesquisa. In: Anais da 30a Reunião Anual daAssociação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação. Cd-rom. Caxambu: ANPED, 2007.

MINTO, L. W. Educação e Lutas Sociais no Brasil pós-ditadura: da democratização à ausência de alternativas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, no 54, p. 242-262, dez2013.

MORAES, Maria Célia Marcondes de. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. In: Intelectuais, conhecimentoe espaço público – Anais da 24a Reunião Anual da ANPED (recurso eletrônico). Caxambú: ANPED, 2001.

NAVARRO, Ignez Pinto. ANDES-SN: Um sindicato de intelectuais. Mato Grosso: ADUFMT, 2001.

NETO, L. Depressão tira 1.210 professores de sala da rede estadual do Rio. O Globo, Rio de Janeiro, 01 de março de 2015. Disponível em http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/depressao-tira-1210-professores-de-sala-da-rede-estadual-do-rio-15469366. Acesso em 03 de março de 2015.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, Set./Dez. 2004. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.

PINASSI, M. O. O lulismo, os movimentos sociais no Brasil e o lugar social da política. Herramienta, ano XV, n. 46, mar. 2011. Disponível em: http://www.herramienta.com.ar. Acesso em: 13 jun. 2012.

ROSAR, Maria de Fátima Félix. Para “navegação venturosa” dos anos 80, contávamos com boas lentes de aumento e conseguíamos ver muito além do horizonte. Palestra proferida no ciclo de debate HISTEDBR, 2005.

RIBEIRO, Maria Luiza Santos. História da Educação Brasileira. São Paulo, Cortez e Moraes, 1979.

SAVIANI. Dermeval. Educação Brasileira: estrutura e sistema. Campinas: Autores Associados, 1979.

SAVIANI, D. História das Ideias Pedagógicas: reconstruindo o conceito. In: FARIA

FILHO, L. M. (ORG). Pesquisas em História da Educação: Perspectivas de análise, objeto e fonte- Belo Horizonte: HG edições, 1999, p. 9-24.

SAVIANI, Dermeval. O Debate Teórico e Metodológico no Campo da História e sua Importância para a Pesquisa Educacional. In: SAVIANI, D; LOMBARD, J. C.; SANFELICE, J. L. História e historia da educação. Campinas: Autores Associados/HISTEDBR, 1998.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.- (Coleção Memória da educação)

SELIGMAN-SILVA, E. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. O trabalho intensificado nas Federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

SILVA, Eduardo; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. Estranhamento e desumanização nas relações de trabalho na instituição universitária pública. Campinas: Histedbr Online, n. especial, p.223-238, ago 2010.

TRICHES, Jocemara. Organizações multilaterais e curso de pedagogia: a construção de um consenso em torno da formação de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) Florianópolis: PPGE/UFSC. 218 p, 2010.

WARDE, Mirian Jorge. O Manifesto de 32: reconstrução educacional no Brasil. Revista da Associação Nacional de Educação, Ano 1, no 5, 1982.

WARDE, Mirian Jorge. Liberalismo e Educação. Tese de Doutorado. São Paulo, 1984. 7 gráficos que explicam a farra do financiamento estudantil, Blog do Estadão, 4 de março de 2015. Disponível em http://blog.estadaodados.com/fies/. Acesso em 5 de março de 2015.

Downloads

Publicado

2015-12-14

Como Citar

BRAGA, L. S. A história da luta em defesa da educação pública no Brasil: questões para pesquisa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 344–358, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642715. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642715. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos