Banner Portal
A história da luta em defesa da educação pública no Brasil: questões para pesquisa
PDF

Palavras-chave

Movimento Docente. Educação Pública. Capitalismo

Como Citar

BRAGA, Lucelma Silva. A história da luta em defesa da educação pública no Brasil: questões para pesquisa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 344–358, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642715. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642715. Acesso em: 19 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho objetiva apontar alguns elementos, ainda em caráter preliminar, da história da luta em defesa da educação pública no Brasil no período compreendido entre a década de 1980 e anos 2000. As condições geradas com o alto endividamento externo e a fragilização das bases da economia nacional tornou a década de 1980 fecunda para a organização política da classe trabalhadora de modo geral e para o campo educacional, em particular, resultando numa organização de força coletiva sem precedentes na história da educação brasileira. A partir da década de 1990, com as reformas educacionais implementadas no bojo do Estado neoliberal e o avanço da ofensiva das classes dominantes pela hegemonia do capital, temos visto que o movimento de educadores passou por um processo de refreamento de sua capacidade de luta coletiva em âmbito nacional. A retomada de formas de resistência e enfrentamento coletivos, capazes de alterarem as condições históricas da educação brasileira, exige, entre outras coisas, compreender em profundidade as especificidades dessa história de luta dos educadores para apreender-se lições que sinalizem quais são os elementos fundamentais na conjuntura atual de desenvolvimento das crises do capitalismo.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642715
PDF

Referências

ARELARO. Lisete Regina Gomes. Resistência e submissão: a Reforma Educacional na década de 1990. Artigo do livro: O cenário Educacional Latino-americano no limiar do século XXI. Reformas em debate. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

BOLLMANN, Maria da Graça Nóbrega. Revendo o Plano Nacional de Educação: Proposta da Sociedade Brasileira. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 657-676, jul.-set. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Censo da Educação Superior. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse. Acesso em: 30. Mar. 2015.

BUFFA, Ester. Ideologias em conflito: escola pública e escola privada. São Paulo, Cortez & Moraes, 1979.

COSTA, Gleiciane Mende; BRAGA, Lucelma Silva. Mundo do trabalho em tempos de mundialização do capital: repercussões no trabalho de docentes de instituições públicas de ensino superior. In: XXI Seminário Nacional UNIVERSITAS/ Br, São Carlos. Anais do XXI Seminário Nacional Universitas/Br, 2013

COUTINHO, C. N. O Estado brasileiro: gênese, crise, alternativas. In: Debates e síntese do seminário Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/ Fiocruz, 2007.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Ideologia e educação brasileira. São Paulo: Cortez e Moraes, 1978.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. Rio de Janeiro, F. Alves, 1975.

CUNHA, Luiz Antônio & GÓES, Moacyr .O golpe na educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Ed. 1985 (Brasil os anos de autoritarismo, análise, balanço, perspectivas).

CUNHA, Luiz Antônio. Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Editora Cortez; Niterói, RJ: Editora da Universidade Federal Fluminense; Brasília, DF: FLACSO do Brasil 1991.

EVANGELISTA, O.& LEHER, R. Todos Pela Educação e o episódio Costin no MEC: A Pedagogia Do Capital em ação na política educacional brasileira.Trabalho Necessário – www.uff.br/trabalhonecessario; Ano 10, No 15/2012.

FÉLIX, Maria de Fátima Costa. Administração escolar: um problema educativo ou empresarial?. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1984.

FERNANDES, Florestan. Nova República?. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1986.

FERNANDES, Florestan. A transição prolongada: o período pós-constitucional. São Paulo: Cortez, 1990.- (Biblioteca da Educação. Série economia e política:v.2).

FREITAG, Bárbara. Escola, Estado e sociedade. São Paulo, Edart, 1977.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo, Cortez, 1984.

GERMANO, José Willington. Lendo e aprendendo: a Campanha de Pé no Chão Também de Aprende a Ler. São Paulo, Cortez, 1985.

LÉDA, Denise Bessa. Trabalho docente no ensino superior: análise das condições de saúde e de trabalho em instituições privadas do estado do Maranhão. 2009. Tese (Doutorado em Psicologia Social)–Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

LEDA, D. B., MANCEBO, M. REUNI: heteronomia e precarização da universidade e do trabalho docente. Educação e Realidade, v. 34, n. 1, p. 49 – 64, jan/abril 2009. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/8457/4922. Acesso em: 1 dez. 2011.

LEHER, Roberto. Organização, estratégia política e o Plano Nacional de Educação. Blog Marxismo 21, 11 de agosto de 2014. Disponível em: http://marxismo21.org/wp-content/uploads/2014/08/R-Leher-Estrat%C3%A9gia-Pol%C3%ADtica-e-Plano-Nacional-Educa%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acessado em 06 de abril de 2015.

LOMBARDI, J.C. Reflexões sobre educação e ensino na obra de Marx e Engels. Campinas, SP: Tese (livre docência) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, [s.n.], 2010.

MARTINS, L. M. As aparências enganam: divergências entre o materialismo histórico dialético e as abordagens qualitativas de pesquisa. In: Anais da 30a Reunião Anual daAssociação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação. Cd-rom. Caxambu: ANPED, 2007.

MINTO, L. W. Educação e Lutas Sociais no Brasil pós-ditadura: da democratização à ausência de alternativas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, no 54, p. 242-262, dez2013.

MORAES, Maria Célia Marcondes de. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. In: Intelectuais, conhecimentoe espaço público – Anais da 24a Reunião Anual da ANPED (recurso eletrônico). Caxambú: ANPED, 2001.

NAVARRO, Ignez Pinto. ANDES-SN: Um sindicato de intelectuais. Mato Grosso: ADUFMT, 2001.

NETO, L. Depressão tira 1.210 professores de sala da rede estadual do Rio. O Globo, Rio de Janeiro, 01 de março de 2015. Disponível em http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/depressao-tira-1210-professores-de-sala-da-rede-estadual-do-rio-15469366. Acesso em 03 de março de 2015.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, Set./Dez. 2004. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.

PINASSI, M. O. O lulismo, os movimentos sociais no Brasil e o lugar social da política. Herramienta, ano XV, n. 46, mar. 2011. Disponível em: http://www.herramienta.com.ar. Acesso em: 13 jun. 2012.

ROSAR, Maria de Fátima Félix. Para “navegação venturosa” dos anos 80, contávamos com boas lentes de aumento e conseguíamos ver muito além do horizonte. Palestra proferida no ciclo de debate HISTEDBR, 2005.

RIBEIRO, Maria Luiza Santos. História da Educação Brasileira. São Paulo, Cortez e Moraes, 1979.

SAVIANI. Dermeval. Educação Brasileira: estrutura e sistema. Campinas: Autores Associados, 1979.

SAVIANI, D. História das Ideias Pedagógicas: reconstruindo o conceito. In: FARIA

FILHO, L. M. (ORG). Pesquisas em História da Educação: Perspectivas de análise, objeto e fonte- Belo Horizonte: HG edições, 1999, p. 9-24.

SAVIANI, Dermeval. O Debate Teórico e Metodológico no Campo da História e sua Importância para a Pesquisa Educacional. In: SAVIANI, D; LOMBARD, J. C.; SANFELICE, J. L. História e historia da educação. Campinas: Autores Associados/HISTEDBR, 1998.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.- (Coleção Memória da educação)

SELIGMAN-SILVA, E. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. O trabalho intensificado nas Federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

SILVA, Eduardo; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. Estranhamento e desumanização nas relações de trabalho na instituição universitária pública. Campinas: Histedbr Online, n. especial, p.223-238, ago 2010.

TRICHES, Jocemara. Organizações multilaterais e curso de pedagogia: a construção de um consenso em torno da formação de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) Florianópolis: PPGE/UFSC. 218 p, 2010.

WARDE, Mirian Jorge. O Manifesto de 32: reconstrução educacional no Brasil. Revista da Associação Nacional de Educação, Ano 1, no 5, 1982.

WARDE, Mirian Jorge. Liberalismo e Educação. Tese de Doutorado. São Paulo, 1984. 7 gráficos que explicam a farra do financiamento estudantil, Blog do Estadão, 4 de março de 2015. Disponível em http://blog.estadaodados.com/fies/. Acesso em 5 de março de 2015.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.