A ação do imperialismo na reprodução do corporativismo nos sindicatos dos trabalhadores em educação

  • Marilsa Miranda de Souza UNESP
  • Tatiane Furtado Ricarte Universidade Federal de Rondônia
  • Márcio Marinho Martins Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Rondônia
Palavras-chave: Imperialismo. Capitalismo Burocrático. Corporativismo sindical

Resumo

Este artigo é resultado do desenvolvimento da pesquisa “O corporativismo sindical como elemento de sustentação das relações semicoloniais e semifeudais na educação brasileira” que teve como objetivo analisar as relações estabelecidas entre dois sindicatos rondonienses, o sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Rondônia - SINTERO e o Sindicato dos Servidores Públicos da Zona da Mata - SINSEZMAT com seus filiados e com o Estado, o processo de organização sindical no Brasil e sua submissão às políticas educacionais formuladas pelo imperialismo para suas semicolônias identificando os aspectos do corporativismo e suas consequências no processo de organização dos trabalhadores em Educação e no desenvolvimento da luta de classes na atualidade. Utilizamos o método do materialismo histórico-dialético por meio do qual buscamos interpretar a realidade a partir de suas categorias básicas que permitiu compreender o sindicato como aparelho ideológico do Estado a serviço da grande burguesia e do imperialismo na atualidade. A pesquisa demonstrou a precarização do trabalho e a desvalorização dos trabalhadores em Educação em Rondônia, o descrédito dos entrevistados em relação aos sindicatos e a necessidade construir sindicatos classistas que contribuam para o avanço da luta revolucionária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilsa Miranda de Souza, UNESP

Doutora em Educação Escolar – UNESP – Campus de Araraquara, Professora Adjunta da Universidade Federal de Rondônia.



Tatiane Furtado Ricarte, Universidade Federal de Rondônia
Bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica PIBIC – graduanda em Pedagogia, Universidade Federal de Rondônia.
Márcio Marinho Martins, Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Rondônia
Mestre em Geografia e professor de História do Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Rondônia – IFRO – Campus de Vilhena/RO.

Referências

ABC DA GREVE. Direção: Leon Hirszman. Distribuição e Produção: Taba Filmes e Cinemateca Brasileira. Documentário, Brasil, 1990, Duração: 75 min. Formato: 16mm.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estratégias para la educación. Examen del Banco Mundial. Washington, DC, EEUU, 1996.

BATALHA, C. H. M. Sociedades de trabalhadores no Rio de Janeiro do século XIX: algumas reflexões em torno da formação da classe operária. In: Cadernos AEL. Vol. 6, No 10/11 (1999). Sociedades Operárias e Mutualismo. Disponível em: http://www.ael.ifch.unicamp.br/publicacoes_ael/index.php/cadernos_ael/article/view/91/95.

CAMPOS, M. El Capitalismo Burocrático em Ecuador. Disponível em http://pt.scribd.com/doc/72141849/Miguel-Campos-El-capitalismo-burocratico-en-elEcuador. Acesso em 19 de Fevereiro de 2014.

DIMITROV, J. Acerca de las medidas de lucha contra el fascismo y los sindicatos amarillos. Obras Completas, Editorial del PCB, 1953.

FERREIRA, M. N. A Imprensa Operária no Brasil (1880-1920). Petrópolis: Vozes, 1978.

JORNAL A NOVA DEMOCRACIA. O Congresso Nacional da CUT: O fim de um ciclo de traição do sindicalismo amarelo. Ano I, no 11, julho de 2003. Disponível em:http://www.anovademocracia.com.br/no-11/1109-8o-congresso-nacional-da-cut-o-fim-de-um-ciclo-de-traicao-do-sindicalismo-amarelo. Acesso em 15 de maio de 2015.

JORNAL A NOVA DEMOCRACIA. A reciclagem do sindicalismo colaboracionistaAno VI. no 37, outubro de 2007 Disponível em: http://www.anovademocracia.com.br/no-37/136-a-reciclagem-dosindicalismo-colaboracionista. Acesso em 15 de maio de 2015.

GUZMÁN, A. La problemática nacional: discurso pronunciado no Sindicato de Docentes de Huamanga, Lima, Peru, 1974.

LÊNIN, V. I. O imperialismo: fase superior do capitalismo. Tradução de Olinto Beckerman. 1. Ed. São Paulo: Global, 1979.

LEÃO XIII, Papa. Rerum Novarum - sobre a condição dos operários (1891). Disponível em http://www.montfort.org.br/rerum-novarum-2/. Acesso em 20 de maio de 2015

MAO TSETUNG. Notas del presidente Mao sobre capitalismo burocrático.2.ed. Lima: Ediciones Alborada, 2008.

MARIÁTEGUI. J. C. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. Salário, preço e lucro. In: MARX, K; F. ENGELS. Obras escolhidas. Lisboa: Edições Avante / Moscou: Editorial Progresso, 1983, p. 319-321, t. 2

MARX. K. & ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de Luiz Cláudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

MARX. K. & ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Cortez, 1998.

MARTÍN MARTÍN, V. O. El papel del campesinato en la transformación del mundo actual. Valencia: Baladre, 2007.

MATTOS, M, B. Trabalhadores e sindicatos no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MIRANDA. K.A. As lutas dos Trabalhadores da Educação: do novo sindicalismo à ruptura com a CUT. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2011.

PENTEADO, J. Belenzinho 1910. São Paulo: Martins, 1962.

SANTIAGO, A. M. O. V. O Banco Mundial e a gestão da educação brasileira: grandes desafios. Revista de desenvolvimento social. Montes Claros. Disponível em: http://www.rds.unimontes.br/index.php/desenv_social/article/viewFile/93/80. Acesso em: 10 de jun. 2014.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SOUZA, M. M. Imperialismo e educação do campo. Araraquara/SP: Cultura Acadêmica, 2014. Coleção Temas em Educação Escolar, n.19.

Publicado
2015-12-14
Como Citar
Souza, M. M. de, Ricarte, T. F., & Martins, M. M. (2015). A ação do imperialismo na reprodução do corporativismo nos sindicatos dos trabalhadores em educação. Revista HISTEDBR On-Line, 15(65), 259-376. https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642716
Seção
Artigos