Banner Portal
Grupo escolar Balduíno Cardoso de Porto União-SC: apoteose do não apoteótico (1917-1938)
PDF

Palavras-chave

Grupo Escolar Balduíno Cardoso. Escolarização em Santa Catarina. Escolarização e regime republicano.

Como Citar

SCHENA, Valéria Aparecida; CAMPOS, Névio de. Grupo escolar Balduíno Cardoso de Porto União-SC: apoteose do não apoteótico (1917-1938). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 70, p. 246–270, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i70.8644866. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8644866. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir o processo de criação do Grupo Escolar Balduíno Cardoso, localizado na cidade de Porto União, no Estado de Santa Catarina. A criação desse Grupo Escolar, ainda na condição de Escolas Reunidas, ocorreu no ano de 1917, após a reconfiguração das fronteiras entre Paraná e Santa Catarina. Assim, este texto busca mostrar a experiência educativa existente antes da criação do modelo dos grupos escolares para problematizar as imagens apoteóticas que foram se construindo a respeito da educação republicana e indicar os limites deste projeto educativo ao destacar os baixos índices de alfabetização, o grande número de escolas isoladas e as condições inadequadas do prédio do grupo escolar. Em síntese, busca-se ampliar a compreensão da escolarização no Estado de Santa Catarina, na tentativa de discutir aspectos recorrentes do projeto republicano de educação e mostrar as particularidades do processo escolar da cidade de Porto União.

https://doi.org/10.20396/rho.v16i70.8644866
PDF

Referências

BENCOSTTA, M. L. A. Arquitetura e Espaço Escolar: o exemplo dos primeiros grupos escolares de Curitiba (1903-1928). In: BENCOSTTA, M. L. A. (org.). História da educação: arquitetura e espaço escolar. São Paulo: Cortez, 2005, p. 95-140.

CARVALHO, M. M. C. de. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CARVALHO, M. M. C. de. A escola, a república e outros ensaios. Bragança Paulista: EDUSF, 2005. (Estudos CDAPH - Série historiografia).

CARVALHO, M. M. C. de. Reforma da Instrução Pública. In: LOPES E. M. T.; FARIA FILHO, L.; VEIGA, C. G. (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 225-252.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3ª ed. Tradução de Epahaim Ferreira Alves. São Paulo: Cortez, 1998.

DALLABRIDA, N; CARMINATTI, C. J. Mosaico de escolas: modos de Educação em Santa Catarina na Primeira República. Florianópolis: Cidade Futura, 2001.

FARIA FILHO; L. de. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p. 95-134.

FARIA FILHO; L. de. Dos pardieiros aos palácios: cultura escolar urbana em Belo Horizonte na Primeira República. Passo Fundo: UPF, 2000.

FIORI, N. A. Aspectos da evolução do ensino público. Ensino público e política de assimilação cultural no Estado de Santa Catarina nos períodos imperial e republicano. Florianópolis: EDUFSC, 1991.

GALLEGO, R. C. de. Tempo, temporalidades e ritmos nas escolas públicas em São Paulo e a construção da cultura escolar primária – incessantes negociações (1846-1890). In: VIDAL, Diana; SCHWARTZ, Cleomara Maria (Orgs). História das Culturas Escolares. Vitória Espirito Santo: EDUFES, 2010, p. 327-354.

GASPARI, L. T. Educação e memória: imagens femininas nas Gêmeas do Iguaçu nos anos 40 e 50. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação, Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa, 2005.

GUIMARÃES, Orestes de Oliveira. Relatório apresentado Ao Exmo. Sr. Superintendente Municipal de Joinville, pelo director em comissão Orestes de Oliveira Guimarães, de 20 de abril de 1907, p.53.

GUIMARÃES, Orestes de Oliveira. 1909. Relatório apresentado Ao Exmo. Snr. Superintendente Municipal de Joinville, pelo director em comissão Orestes de Oliveira Guimarães, de 20 de abril de 1909.

GRUPO ESCOLAR BALDUÍNO CARDOSO. Relatório Anual. Porto União. Santa Catarina, 1944 – 1950. (12 de dezembro, de 1944, p. 3).

GRUPO ESCOLAR BALDUÍNO CARDOSO. Relatório Anual. Porto União. Santa Catarina, 1944 – 1950. (30 de novembro, de 1945, p.5).

GRUPO ESCOLAR BALDUÍNO CARDOSO. Relatório Anual. Porto União. Santa Catarina, 1944 – 1950. (15 de novembro de 1948, p.5).

HÖELLER, S. A. Escolarização da infância catarinense: a normatização do ensino público primário (1910-1935). 2009. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

HÖELLER, S. A. Os Programas de Ensino para as Escolas Públicas Catarinenses nas Reformas Educacionais de 1910 e 1913. Disponível em: www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe. Acesso em 28/02/2014.

HORBATIUK, P. A colônia ucraniana de Mallet: núcleo de preservação e irradiação de padrões de cultura ucraniana (estudo de caso). Porto Alegre, 1983.

IHLENFELD, R. A presença da cultura alemã sobre o pensamento pedagógico do Colégio Teuto-brasileiro de Porto União/SC e sua influência sobre o imaginário dos alunos 1930-1938. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização lato sensu) – Centro Universitário de União da Vitória, União da Vitória, 2011.

JORNAL A ÉPOCA. A população de Santa Catarina em 1916. Florianópolis, 1917, p.63.

JORNAL O COMÉRCIO. Instrução Pública no Município de Porto União. Porto União-SC, 1927 p.04.

JORNAL O COMÉRCIO. Aumento do prédio do Grupo Escolar Prof. Balduíno Cardoso. Porto União-SC, 1932 p.02

JORNAL O COMÉRCIO. O Ensino Primário em Santa Catarina. Porto União-SC, 1933 p.01.

JORNAL O COMÉRCIO. Doação do terreno da Prefeitura para construção de nova Sede do Grupo Escolar Professor Balduíno Cardoso. Porto União-SC, 1935,p.05 .

JORNAL MISSÕES. Cousas do Ensino. Porto União-SC, 1910, p.02.

JORNAL MISSÕES. Nótulas Ligeiras Instrucção Pública. Porto União-SC,1930, p.04.

JORNAL A VOZ DO OESTE. Propaganda do funcionamento do Grupo Escolar Prof. Balduino Cardoso e Escola Complementar anexa em Porto União. Porto União-SC, 1930, p.06.

KREUTZ, L. A Educação de Imigrantes no Brasil. In: LOPES E. M. T.; FARIA FILHO, L; VEIGA, C. G. (Orgs.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica 2010, p. 347-370.

MAGALHÃES, J.D. Relatório de Inspeção a 25 Escolas Isoladas, apresentado pelo Inspector Escolar José Duarte de Magalhães, ao Exmº Sr. Dr. Secretário Geral dos Negócios do Estado, em 11 de dezembro de 1916, p.13, 22-23. Arquivo Público do Estado de Santa Catarina.

MONARCHA, C. A Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas, SP: Unicamp, 1999.

MOREIRA, J. M. Termo de Visita nº 5. Porto União; Santa Catarina, 1919 -1938. (09 de outubro de 1919, p.18).

MOREIRA, J. M. Ata de Visita de Inspeção Escolar nº 3. Porto União; Santa Catarina, 1919 -1938. (01 de maio de 1919, p.4-6).

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. 5.ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PARANÁ. Relatório da Diretoria da Instrução Pública do Paraná. Curitiba. (31de dezembro de 1914, p. 53).

PARANÁ. Mensagem do Governador do Estado do Paraná ao Congresso Legislativo do Estado. Curitiba. Imprensa Paranaense. (13 de novembro de 1895, p.36). Disponível: http://www.crl/brazil.br. Acesso em fevereiro de 2014.

PORTO UNIÃO – Livro nº. 3 de Contratos Diversos 1917-1971- Lei nº. 1.147 de (25 de agosto de 1917, p. 4-7).

PORTO UNIÃO. Livro nº.13 (Decretos Municipais, 1935-1936. - Decreto nº. 02, de 05 de novembro, de 1935, p. 1-2. Decreto n º. 03,de 30/11/1935).

RENK, V. E. Aprendi falar português na escola! O processo de nacionalização das escolas étnicas polonesas e ucranianas no Paraná. 2009. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

SANTA CATARINA. Regulamento Geral da Instrução Pública. Florianópolis: Officinas a vapor da Imprensa Official, 1913, p.28.

SANTA CATARINA. Lein. º 1.044 de 14/09/1915. Estabelece diversas disposições sobre a Instrução Pública. Florianópolis: Florianópolis, Typographia. D’O Dia, 1911.

SANTA CATARINA. Regulamento das Escolas Reunidas Decreto nº. 929 de 5 de abril de 1916. Florianópolis: Officinas a ellect. da empresa D’O Dia. 1916.

SANTA CATARINA. Lei nº. 1.147 de 25 de agosto de 1917. In: Coleção de Leis Decretos e Resoluções e Portarias. Florianópolis, SC: Officinas da Imprensa Oficial, 1917. (p.6-9).

SANTA CATARINA. Decreto nº. 1069 de 4 de dezembro de 1917. Cria escolas nos municípios de Mafra, Canoinhas e Porto Uniao. Colecção de leis, decretos, resoluções e portarias de 1917. Florianópolis: Officinas a ellect. da empresa D’O Dia, 1917.

SANTA CATARINA. Decreto nº. 398, de 26 de julho de 1933. Cria duas novas Circunscrições Escolares.

SANTA CATARINA. Decreto nº. 2.176, de 22 de julho de 1928. Colleção de Leis, Decretos e resoluções de 1928. Florianópolis: Off. Graphicas da Escola de A. Artífices, 1929.

SAVIANI, D. Instituições Escolares: conceito, história, historiografia e práticas. Cadernos de História da Educação, v. 4, p.27-34, 2005.

SAVIANI, D. O legado educacional do “breve século XIX brasileiro”. In: SAVIANI, D.; ALMEIDA, J.S.; SOUZA, R.F.; VALDEMARIN, V.T. (Orgs.). O legado educacional do século XIX. Campinas: Autores Associados, 2014a, p. 7-31.

SAVIANI, D. O legado educacional do “longo século XX” brasileiro. In: SAVIANI, D.; ALMEIDA, J. S.; SOUZA, R. F.; VALDEMARIN, V. T. (Orgs.). O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2014b, p. 9-54.

SCHELBAUER. A. R.O método intuitivo e lições de coisas no Brasil do século XIX. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil. v. II - Século XX. Petrópolis: Vozes, 2005, p. 132-149.

SCHELBAUER, A. R. Ideias que não se realizam: o debate sobre a educação do povo no Brasil de 1870 a 1914. Maringá: Eduem, 1998.

SCHMIDT, F. Relatório apresentado ao Dr. Felippe Schmidt, Governador do Estado, pelo Dr. Fulvio Aducci, Secretário Geral dos Negócios do Estado, em 01 de julho de 1915. Arquivo Público do Estado de Santa Catarina.

SILVA, J. J. C. da. Apontamentos Históricos de União da Vitória: (1768 – 1933). Curitiba: Max Roesner, 1933.

SILVA, J. J. C. da. Apontamentos Históricos de União da Vitória: (1768 – 1933). Curitiba: Imprensa Oficial, 2002.

SOUZA, R. F. de História da organização do trabalho escolar e do currículo no século XX: ensino primário e secundário no Brasil. SP: Cortez, 2008.

SOUZA, R. F. Fernando de Azevedo e a reconstrução do sistema educacional de São Paulo em 1933: sentidos e alcances de um projeto de reforma. In: MIGUEL, M. E. B.; VIDAL, D. G; ARAÚJO, J. C. S. (org.). As manifestações da escola nova no Brasil (1920-1946). Uberlândia: Edufu; Campinas: Autores Associados, 2011, p. 337-361.

SOUZA, R. F. de; FARIA FILHO, L. A contribuição dos estudos sobre grupos escolares para a renovação da história do ensino primário no Brasil. In: VIDAL, D. G. (org.). Grupos Escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). Campinas: Mercado das Letras, 2006, p. 21-56.

TEIVE, G. M. G. Uma vez normalista, sempre normalista: cultura escolar e produção de um habitus pedagógico. Florianópolis: Insular, 2008.

TEIVE, G. M. G. Como se fabrica uma professora moderna? Apropriações da reforma Orestes Guimarães na cultura escolar da Escola Normal Catarinense (1911-1935). In: VIDAL, D.; SCHWARTZ, C. M. (org.). História das culturas escolares. Vitória Espirito Santo, EDUFES, 2010.

TEIVE, G. M. G.; SILVA. V. L. G. Grupos escolares criação mais feliz da República? Mapeamento da Produção em Santa Catarina. Revista Linhas, Florianópolis, v. 10, n. 01, p. 31-53, jan./jun. 2009.

TEIVE, G. M. G.; DALLABRIDA, N. A escola da República: os grupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina (1911-1918). Campinas, SP: Mercado das Letras, 2011.

THOMÉ, N. Primeira história da educação escolar na região do Contestado: da instrução das primeiras letras no tempo do Império à conquista do Ensino Superior nos Anos Dourados. Caçador: UnC/Museu do Contestado, 2002.

VIDAL, D. G. Culturas escolares. Campinas; São Paulo: Autores Associados, 2005. (Coleção Memórias da Educação).

VIDAL, D. G. Grupos escolares, cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). Campinas, SP: Mercado das Letras, 2006.

WAGENFÜHR. Ata de Visita de Inspeção Escolar nº. 3. Porto União; Santa Catarina, 1919 – 1938. (30 de abril de 1935, p. 23-24).

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.