A universidade popular na Parahyba do Norte: reflexões sobre o direito das mulheres

Palavras-chave: O direito das mulheres. Mulheres intelectuais. Educação das mulheres.

Resumo

As mulheres, na virada do século XIX para século XX, começaram a protagonizar o debate público brasileiro. Nísia Floresta traduziu e publicou “O Direito das Mulheres e injustiça dos Homens”, em 1832, o escrito da inglesa, Mary Wollstonecraft, originalmente intitulado de “Vindication Of The Rights Of Woman”, em 1792. Na Parahyba do Norte, em 1913, Catharina Moura, em conferência pública na Universidade Popular, proclamou discurso com igual título, retomando as teses defendidas pelas suas antecessoras. O objetivo desse trabalho é compreender o projeto educacional proposto pelas mulheres intelectuais que participaram do debate público, particularmente, o da Catharina Moura. As fontes utilizadas são os jornais e revistas do período que foram suporte da escrita dessas mulheres, mais especificamente, o jornal parahybano, A União. Como referencial teórico-metodológico foi utilizado a História dos Intelectuais que auxilia a compreender a trajetória, a geração e as redes de sociabilidades que atravessaram a vida dessas mulheres, bem como a participação delas e as ideias que propagavam no debate público do período. Nesse sentido, é possível concluir que as mulheres atuaram como intelectuais se posicionando em favor da emancipação feminina pela via da educação escolar e cultural. Catharina Moura fez parte da tradição de mulheres escritoras e engajadas do período, defendendo a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres nas mais diversas profissões e também destacando a legitimidade do voto feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Sousa Galvíncio, Universidade Federal da Paraíba
Mestra em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora da Escola de Educação Básica da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
Maíra Lewtchuk Espindola, Universidade Federal da Paraíba
Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora do Departamento de Habilitações Pedagógicas do curso de Pedagogia na Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
Jean Carlo de Carvalho Costa, Universidade Federal da Paraíba
Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor Associado III Departamento de Fundamentação da Educação Centro de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

° CONFERÊNCIA. Os Direitos da Mulher. Pela Dra. Catharina Moura. A União, Parahyba, ano XXI, n. 71, 01 abr. 1913a, p. 01.

° CONFERÊNCIA. Continua. Universidade Popular. 8° Conferência. Os Direitos da Mulher. A União, Parahyba, ano XXI, n. 72, 02 abr. 1913b, p. 01.

A PARAHYBA crea uma Universidade popular. A Republica, orgam do Partido Republicano Paranaense, Curytiba, n. 16, 20 jan. 1913, p. 03. Disponível em: < http://memoria.bn.br/DOCREADER/DOCREADER.ASPX?BIB=xx0719 >. Acesso em: 24 jun. 2014.

AS UNIVERSIDADES Populares no Brasil. O Paiz, Rio de Janeiro, anno XXVIII, n. 1033320, 20 jan. 1913. Disponível em: < http://memoria.bn.br/ DOCREADER/ >. Acesso em: 12 ago. 2014.

ABRANTES, A. Escritas e inscritas: mulheres na imprensa dos anos 1920. In: ABRANTES, A.; SANTOS NETO, M. G. dos. (Org.). Outras Histórias: cultura e poder na Paraíba (1889-1930). João Pessoa: Universitária; UFPB, 2010.

AGUIAR, R. C.O rebelde esquecido. Tempo, vida e obra de Manoel Bomfim. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

ALMEIDA, J. S. de. Mulheres na educação: missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, D.; et al. (Org.). O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2006.

ALONSO, Â. Idéias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ARAÚJO, R. C. A educação histórica e as mulheres na Paraíba: as intelectuais do IHGP (1934-1979). In: CARVALHO, M. E. P. de.; PEREIRA, M. Z. da. C. (Org.).Gênero e educação: múltiplas faces. João Pessoa: Ed. da UFPB, 2003.

BEZERRIL, F. D. de. F.; GODOY, J. H. A. de. Vozes Femininos: reivindicações das mulheres nortistas nos jornais do século XIX. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE SOCIOLOGIA &POLÍTICA: PLURALIDADE E GARANTIA DOS DIREITOS POLÍTICOS HUMANOS XXI, 19., 4, 2012, Curitiba, PR. Anais... Curitiba, 2012. CD-ROM.

BOTELHO, A. Aprendizado do Brasil. A nação em busca dos seus portadores sociais. Campinas: Ed. da Unicamp, 2002.

CAMPOS, R. D. de. Mulheres e crianças na imprensa paulista (1920-1940): educação e história. São Paulo: Ed. da UNESP, 2009.

CARULA, K. Darwinismo, raça e gênero: conferências e cursos públicos no Rio de Janeiro (1870-1889). 2012. Tese (Doutorado em História) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CARVALHO, J. M. de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CARVALHO, J. M. de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia da Letras, 1987.

COSTA, J. C. de. C.; GALVÍNCIO, A. S.; ESPINDOLA, M. L. Redes de sociabilidade e educação: atuação de Castro Pinto e Carlos Dias Fernandes na Primeira República. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 53, v. 13, p. 56-77, out. 2013.

DUARTE, C. L. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, 2003. Disponível: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142003000300010&script=sci_arttext >. Acesso em: 11 abr. 2013.

ESPINDOLA, M. L. As experiências dos intelectuais no processo de escolarização primária na Parahyba (1824-1922). 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

ESPINDOLA, M. L. Primeira República, intelectuais e educação: entre a utopia e o (des)encantamento de Castro Pinto (1888-1915). 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012.

FARIA FILHO, L. M. de.; INÁCIO, M. S.; CHAMON, C. S. Apresentação. FARIA FILHO, L. M. de.; INÁCIO, M. S. (Org.). Políticos, literatos, professoras, intelectuais. O debate público sobre educação em Minas Gerais. Belo Horizonte: Mazza, 2009. p. 7-20.

FARIA, T. D. A mulher e a criminologia: relações e paralelos entre a história da criminologia e a história da mulher no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI, 19, 2010, Fortaliza, CE, Anais... Fortaleza, 2010, p. 01-14.CD-ROM.

FERREIRA, J. da. F. As Universidades Populares no Brazil. O Paiz, Rio de Janeiro, anno XXVIII, n. 10338, 25 jan. 1913, p. 03. Disponível em:< http://memoria.bn.br/DocReader/ >. Acesso em: 12 ago. 2014.

FRAGOSO, V. de. S. Associação paraibana pelo progresso feminino: as contribuições educacionais para mulher paraibana (1933 a 1939). Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

FREITAS, A. G. B. de. Abolição e emancipação: ecos de vozes femininas no Nordeste brasileiro na passagem do século XIX para o século XX. In: CURY, C. E.; MARIANO, S. (Org.). Múltiplas Visões: cultura histórica nos oitocentos. João Pessoa: Universitária UFPB, 2009.

GALVÍNCIO, A. S. Atuação Educacional de Carlos Dias Fernandes na Parahyba do Norte (1913-1925): jornalismo, literatura e conferências. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

GALVÍNCIO, A. S.; COSTA, J. de. C. C. As ideias feministas no jornal A União (1913-1920). In: SEMINÁRIO NACIONAL GÊNERO E PRÁTICA CULTURAIS SUBJETIVIDADES E CONTRADISCURSO, 4., 2013, João Pessoa, PB. Anais... João Pessoa, 2013. CD-ROM.

GARCIA, C. C. Breve história do feminismo. São Paulo: Claridade, 2011.

GOMES, Â. de. C. A República, a história e o IHGB. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

INSTRUCÇÃO primaria gratuita. A União, Parahyba, anno XXVI, n. 18, 25 jan. 1913, p. 01.

MACHADO, C. J. dos. S.; NUNES, M. da. S.; MENDES, M. C. F. Catharina Moura e o feminismo na Parahyba do Norte. Fortaleza: Ed. da UFC, 2013.

MENDES, S. C. O feminismo no anarquismo: as mulheres anarquistas em São Paulo na Primeira República (1889-1930). In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA: PODER, VIOLÊNCIA E EXCLUSÃO, 19., 2008, São Paulo. Anais ... São Paulo, 2008. CD-ROM.

MOREL, M.; BARROS, M. M. de. Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

MOREL, M. Os primeiros passos da palavra imprensa. In: MARTINS, A. L.; LUCA, T. R. de. (Org.).História da Imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.

MOURA, C. Continua. Universidade Popular. 8° Conferência. Os Direitos da Mulher. Jornal A União, Parahyba, 2 abr. 1913a.

MOURA, C. Universidade Popular. 8° Conferência. Os Direitos da Mulher. Jornal A União, Parahyba, 1 abr. 1913b.

MOVIMENTO escolar. Jornal do Recife, Recife, anno 55, n. 324quarta-feira, 25 set. 1912, p. 02. Disponível em: < http://memoria.bn.br/ DOCREADER/ >. Acesso em: 12 ago. 2014.

NASCIMENTO, C. V. do.; OLIVEIRA, B. J. O Sexo Feminino em Campanha pela emancipação da mulher. Cad. Pagu, n. 29, p.429-457, dez 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cpa/n29/a17n29.pdf. >. Acesso em: 10 ago. 2013.

NOTICIAS da Parahyba. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, anno XII, n. 5100, 17 jan. 1913, p. 04.

NUNES, M. L. da. S. A imprensa paraibana e os direitos da mulher: textos publicados no jornal A União na década de 1920. In: MACHADO, C. J. dos. S.; SCOCUGLIA, A. C. (Org.). Pesquisa e historiografia da educação brasileira. Campinas: Autores Associados, 2006.

OTTO, C. O feminismo no Brasil: suas múltiplas faces (Resenha). Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n.2, 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2004000200015 >. Acesso em: 10 abr. 2013.

PARAHYBA. O Paiz, Rio de Janeiro, n. 10330, anno XXVIII, 17 jan. 1913. p. 06.

PINTO, C. R. J. Uma história do feminismo no Brasil. Fundação Perseu Abramo, 2003.

RAGO, L. M. A subjetividade feminina entre o desejo e norma. Revista Brasileira de História, Campinas, n. 2, 1995. APNPUH, Marco Zero. Disponível em: < http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:RV-162nSJwgz5gJ:www.anpuh.org/arquivo/download%3FID_ARQUIVO%3D3756+A+subjetividade+feminina+entre+o+desejo+e+norma&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br >. Acesso em: 12 abr. 2013.

RAGO, L. M. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

RAGO, L. M. Sexualidade e identidade na historiografia brasileira. Revista Aulas, Campinas, n. 2, 2006. Disponível em: < http://www.unicamp.br/~aulas/volume02/pdfs/sexualidade_2.pdf >. Acesso em: 12 abr. 2013.

ROCHA, M. B. M. Matrizes da modernidade republicana. Campinas: Autores Associados, 2004.

SCHUARCZ, L. M. O Espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCOTT, J. História das mulheres. In: BURKE, P. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Ed. da UNESP, 1992.

SIRINELLI, J. Os Intelectuais. In: RÉMOND, R. (Org.). Por uma história política. Tradução Dora Rocha. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2003.

SOIHET, R. A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres e a militância feminista de Bertha Lutz. Revista Brasileira de Educação, n. 15, 2000. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n15/n15a07 >. Acesso em: 05 jan. 2014.

TELLES, N. Escritoras, escritas, escrituras. In: PRIORE, M. D.; PINSKY, C. B. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2011.

TELEGRAMMAS – Interior. O imparcial, diário ilustrado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, anno II, n. 47, 19 jan.1913a, p. 10. Disponível em: < http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx >. Acesso em: 12 ago. 2014.

TELEGRAMMAS – Parahyba. A Epoca, Rio de Janeiro, anno II, n. 171, 17 jan. 1913b, p. 02.

Disponível em: < http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx >. Acesso em: 12 ago. 2014.

UNIVERSIDADE popular - Uma ideia que toma vulto. Jornal A União, Parahyba, 16 de jan. 1913.

VIEIRA, C. E. História dos Intelectuais: representações, conceitos e teorias. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: A EDUCAÇÃO E SEUS SUJEITOS, 4., 2006, Goiânia. Anais... Goiânia: Editora da Universidade Católica de Goiás, 2006. p. 01-10.

WOLLSTONECRAFT, M. Direito das mulheres e injustiça dos homens. Tradução livre Nísia Floresta Brasileira Augusta. São Paulo: Cortez, 1989.

Publicado
2018-03-28
Como Citar
Galvíncio, A. S., Espindola, M. L., & Costa, J. C. de C. (2018). A universidade popular na Parahyba do Norte: reflexões sobre o direito das mulheres. Revista HISTEDBR On-Line, 18(1), 43-69. https://doi.org/10.20396/rho.v18i1.8651670
Seção
Artigos