Banner Portal
A extensão universitária: contribuições da Universidade Federal de São Carlos/UFSCAR para as relações étnico-raciais
PDF

Palavras-chave

Extensão universitária. UFSCar. Relações étnico-raciais.

Como Citar

PETTO, Danielle Souza; NASCIMENTO, Manoel Nelito Matheus. A extensão universitária: contribuições da Universidade Federal de São Carlos/UFSCAR para as relações étnico-raciais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 4, p. 1016–1045, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i4.8653367. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653367. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Este artigo busca apresentar a extensão universitária sobre as relações étnico-raciais na UFSCar, inicialmente abordando o desenvolvimento histórico da extensão na universidade brasileira e num segundo momento a extensão universitária da UFSCar. Percebe-se que essa relação é permeada por muitos elementos que contribuem para que o diálogo avance ou retroceda, e que é necessário compreender a universidade a partir da totalidade em que ela está inserida. A universidade tem o papel fundamental de promover o avanço do conhecimento sobre a sociedade, formular ações, dar novos significados para estigmas históricos e estreitar a relação com a comunidade externa, via o ensino, a pesquisa e a extensão. No entanto, esta relação é limitada pela esfera política, dado que é por meio dela que é possível implementar as políticas públicas. Por isso, a universidade deve estar atenta às suas ações que podem contribuir para o distanciamento e o não pertencimento da comunidade externa. A extensão universitária pode servir como um mecanismo para reforçar a desigualdade social se as ações que contribuem para a transformação acabarem ficando restritas apenas àqueles professores que já tinham um comprometimento social. Portanto, é preciso haver uma reflexão constante sobre essa relação com a comunidade para que a universidade assuma o seu compromisso social.

https://doi.org/10.20396/rho.v18i4.8653367
PDF

Referências

ALMEIDA, N. V. F. de. et al. (Org.). Universidade Federal de São Carlos: retratos de uma trajetória 1970-2010. São Carlos: Ed. da EdUFSCar, 2010.

BUFFA, E.; PEREIRA CANALES, R. Extensão: meio de comunicação entre universidade e comunidade. Eccos Revista Científica, São Paulo, v. 9, n 1, p. 157-169, jan./jun. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. PROEXT: Programa de Extensão Universitária. Edital Proext 2016. Programa de Extensão Universitária MEC/SESu, 2015.

BRASIL. Lei N° 10172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm. Acesso em: 21 jan. 2018

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 21 jan. 2018.

CAMARGO, E. F. M. Democratizando o acesso à educação superior: o caso da UFSCAR – Campus Sorocaba. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba 2011.

CUNHA, L. A. A universidade crítica. O ensino superior na república populista. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989.

CUNHA, L. A. O Ensino Superior no Octênio FHC. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 55, p-14-29, abr. 2003.

FAGUNDES, J. Universidade e compromisso social: extensão, limites e perspectivas. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1986.

FÁVERO, M. de. L. de. A Universidade do Brasil: das origens à construção. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ; INEP, 2000.

FORPROEX. Conceito de extensão, institucionalização e financiamento. ENCONTRO NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS, 1., 1987, Brasília. Anais... Brasília: UNB, 04 e 05 de novembro de 1987. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/1987-I-Encontro-Nacional-do-FORPROEX.pdf. Acesso em: 21 jan. 2018.

GOMES, N. L. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, jun. 2003.

GOMES, N. L. Para além das bolsas acadêmicas: ações afirmativas e o desafio da permanência dos (as) jovens negros (as) na universidade pública. In: SILVÉRIO, V. R. (Org.) Ações Afirmativas nas políticas educacionais: o contexto pós-Durban. São Carlos: EdUFSCar, 2009. p. 197-213.

LEHER, R. Movimentos sociais, padrão de acumulação e crise da universidade. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação, 2015. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-de-roberto-leher-para-o-gt11.pdf. Acesso em: 21 jan. 2018.

MICHELOTTO, R. M. A liberação do acesso e a extensão como estratégias dedemocratização da universidade: a experiência da Itália e do Brasil. 1999. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 1999.

MENEGHEL, S. M. A crise da universidade moderna no Brasil. 2001. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2001. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252072. Acesso em: 21 jan. 2018.

MUNANGA, K. Fundamentos antropológicos e histórico-juridicos das políticas de universalização e de diversidade nos sistemas educacionais no mundo contemporâneo. In: SILVÉRIO, V. R. (Org.) Ações Afirmativas nas políticas educacionais: o contexto pós-Durban. São Carlos: EdUFSCar, 2009. p. 171-195.

SANCHEZ, L. H.T. A extensão universitária: o histórico da experiência da UNICAMP. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

SANFELICE, J. L. Movimento estudantil: a UNE na resistência ao golpe de 1964. Campinas. SP: Alínea, 2008.

SANTO, É. F. O ensino superior no Brasil e os acordos MEC-USAID: o intervencionismo norte-americano na educação brasileira. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2005.

SAVIANI, D. Extensão universitária: uma abordagem não extensionista. Educação e Sociedade, São Paulo, n. 8, p. 61-73, mar. 1981.

SEMERARO, G. Da sociedade de massa à sociedade civil: a concepção da subjetividade em Gramsci. Educ. Soc., Campinas, v. 20, n. 66, p. 65-83, Apr. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301999000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 jan. 2018.

SILVA, P, B, G. Ações afirmativas para além das cotas. In: SILVÉRIO, V. R. (Org.) Ações Afirmativas nas políticas educacionais: o contexto pós-Durban. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

SGUISSARDI, V. Universidade, fundação e autoritarismo: o caso da UFSCar. São Paulo: Estação Liberdade; São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 1993.

SGUISSARDI, V. Reforma universitária no Brasil – 1995-2006: precária trajetória e incerto futuro. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 96 - Especial, p. 1021-1056, out. 2006.

SOUSA, A. L. L. A História da Extensão Universitária. Campinas: Alínea, 2000.

SOUZA, D. F. de. Movimento Negro de São Carlos e a UFSCAR: a extensão universitária sobre relações étnico-raciais. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.

TEIXEIRA, A. Educação para a democracia: introdução à administração educacional. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1997.

TEIXEIRA, A. Ensino Superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1969. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1989.

UFSCAR. Universidade Federal de São Carlos. Plano de Cultura UFSCar (2015 -2017): Integração pela Extensão Universitária. São Carlos, 2015.

UFSCAR. Universidade Federal de São Carlos. Pró-Reitoria de Extensão (ProEx). Disponível em: http://www.proex.ufscar.br/sobre. Acesso em: 21 jan. 2018.

VILLAR, A. E. de. V. Extensão Universitária: concepções e ações na UFRN, sob a temática direitos humanos e justiça no período de 2008 a 2010. 2011. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

ZILLER, J. et al. A Extensão como forma de conectar saberes. In: MAYORGA, C. (Org.) Universidade cindida, universidade em conexão: ensaios sobre democratização da universidade. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2010. p. 234-247.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.