O warázu do Guaporé (tupi-guarani): Primeira descrição linguística

Palavras-chave: Warázu. Tupi-guarani. Fonologia. Morfologia. Dicionário.

Resumo

O warázu (também conhecido como pauserna ou guarasugwe) é uma língua tupi-guarani falada na fronteira entre o Brasil e a Bolívia. Esta primeira descrição linguística é o resultado de um estudo de sete semanas que realizamos no alto rio Guaporé com os últimos falantes dessa língua. Inclui notas históricas, uma fonologia comparativa, uma morfologia e um dicionário warázu-português-inglês

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henri Ramirez, Universidade Federal de Rondônia

Possui graduação em Ciências da Linguagem pela Universite de Provence(1991), graduação em Graduação Em Matemáticas pela Annexe Du Lycée Thiers Marseille(1974), mestrado em Engenharia pela Ecole Centrale Des Arts Et Manufactures(1977), mestrado em Ciências da Linguagem pela Universite de Provence(1992) e doutorado em Ciências da Linguaem pela Universite de Provence(1994). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Rondônia, departamento de Língua Vernácula, área linguística. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Teoria e Análise Lingüística. Atuando principalmente nos seguintes temas:Yanomami - descrição.

Valdir Vegini, Universidade Federal de Rondônia
Pós-Dr. em Narratologia (USP/SP, 2014), MBA em Gestão e Liderença (PennState University/USA, 2000), Dr. em Letras/Linguística - área de concentração: Fonética e Fonologia - especialidade em línguas indígenas (UFSC, 1995), Especialista em Línguas Indígenas (UFGO, 1990), MSc em Letras/Linguística (UFSC, 1989), Especialista em Língua Portuguesa (UFPR, 1986), Graduado em Letras (UnC/Caçador/SC, 1976) e em Pedagogia (FCFCL/Bagé/RS, 1972), Bacharel em Filosofia (FFCL/Lorena/SP, 1969). Docente do Departamento de Línguas Vernáculas/DLV da Universidade Federal de Rondônia/Unir desde maio de 2008, campus de Porto Velho, leciona diversas disciplinas nos cursos de graduação em Letras e a disciplina "Linguística Textual no contexto amazônico" no Mestrado Acadêmico em Letras da IES. Líder do Grupo de Pesquisa "Narrativas do cotidiano rondoniense" - vinculado à Unir -, desenvolve pesquisas e orienta alunos na área da narratologia. Além disso, é membro do Projeto de Pesquisa ?ex-Prosódia? da FFLCH/DLCV/USP/SP coordenado pelo Prof. Dr. Waldemar Ferreira Netto. Foi docente, diretor de Pós-Graduação e Assessor da Reitoria da Universidade da Região de Joinville/Univille (1989-2005) e, na Unir, exerceu a função de vice-chefe do DLV, de Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa e, nessa função, também a de Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa para, na ausência e impedimentos legais da Vice-Reitora no exercício da Reitoria e da Pró-Reitora de Planejamento, responder pelo expediente da Reitoria. (Portaria 1473/GR ? DOU ? Seção 2 ? Nº 231, de 02/12/2011; Portaria nº 134/GR - DOU - Seção 2 - Nº 38, 16/02/2012; Portaria 394/2012/GR/UNIR, de 11/05/2012).
Maria Cristina Victorino de França, Universidade Federal de Rondônia
Possui graduação em Letras pela Universidade do Sagrado Coração- USC (1982), mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC(1993) e doutorado em Linguística pela Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR (2002). Atualmente, é professora Associada III da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Departamento de Línguas Vernáculas. Tem experiência na área de Letras e Linguística, com ênfase em Língua Portuguesa e Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, ensino fundamental, fonologia, morfologia, linguística e língua indígena.

Referências

Anónimo (2005). Gwarayu Ñe’ë, diccionario guarayo - castellano - guarayo. Cochabamba: Sociedad Bíblica Boliviana.

Anónimo (2015). Diccionario flora y fauna gwarasu. Santa Cruz de la Sierra: Talleres Gráficos Kipus.

Bendor-Samuel, David (2009). A phonemic analysis of Guajajara. Anápolis: Summer Institute of Linguistics.

http://www-01.sil.org/americas/brasil/publcns/ling/GJPhonem.pdf

Boudin, Max H. (1966). Dicionário de tupi moderno: dialeto tembé-ténêtéhar do alto rio Gurupi. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Presidente Prudente.

Cardim, Fernão (1980). Tratados da terra e gente do Brasil (1580). Belo Horizonte: Editora Itatiaia.

Combès, Isabelle (2010). Diccionario étnico. Santa Cruz la Vieja y su entorno en el siglo XVI. Cochabamba: Instituto de Misionología.

Crowhurst, Megan (2002). Un intercambio de vocales altas en el sirionó (tupi-guarani). LIAMES-Línguas Indígenas Americanas 2: 7-29. Campinas.

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1402

Dietrich, Wolf (1986). El idioma chiriguano. Gramática, textos, vocabulario. Madrid: Instituto de Cooperación Iberoamericana.

Dietrich, Wolf (2011). La función del sufijo guaraní -KUE/-(N)GUE. UniverSOS 8: 65-77. Valência.

http://www.uv.es/~calvo/amerindias/numeros/n8.pdf

Eder, Francisco Javier (1985). Breve descripción de las reducciones de Mojos [ca. 1772]. Cochabamba: Historia Boliviana.

Firestone, Homer L. (1965). Description and classification of Sirionó, a Tupi-Guarani language. The Hague: Mouton & CO.

Fonseca, João Severiano da (1986). Viagem ao redor do Brasil (1875-1878). Volume 2. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército.

Fonseca, José Gonçalves da (1860). Primeira exploração dos rios Madeira e Guaporé feita em 1749 por ordem do governo. In Cândido Mendes de Almeida (ed.). Memórias, pp. 269-418. Rio de Janeiro: Editorial J. J. do Patrocinio.

Gasparini, Noé; Méndez, Víctor Hugo Dicarere (2015). Diccionario sirionó: sirionó - castellano - inglés y castellano - sirionó. Trinidad: Editorial Tiempos del Beni.

Guasch, Antonio (2005). Diccionario básico guaraní-castellano, castellano-guaraní. Asunción: CEPAG.

Hoeller, Alfredo (1932). Guarayo-Deutsches Wörterbuch. Guarayos: Verlag der Missionsprokura der P.P. Franziskaner, Hall in Tirol.

von Horn Fitz Gibbon, Friedrich (1955). Breves notas sobre la lengua de los indios pausernas: el üaradu-ñe-e (um dialecto tupi-guaraní en el oriente de Bolivia). Publicaciones de la Sociedad de Estudios Geográficos e Históricos, Santa Cruz de la Sierra: Imprenta Emilia.

Hugo, Vitor (1991). Desbravadores. Volume 1. Porto Velho: Banco do Estado de Rondônia-BERON.

Jensen, Cheryl (1998). Comparative Tupí-Guaraní morphosyntax. In Desmond C. Derbyshire; Geoffrey K. Pullum (eds.). Handbook of Amazonian languages, vol. 4, pp. 487-618. New York: Mouton de Gruyter.

Jensen, Cheryl (1999). Tupí-Guaraní. In R. M. W. Dixon; Alexandra Y. Aikhenvald (eds.). The Amazonian languages, pp. 125-163. Cambridge: Cambridge University Press.

Lemos Barbosa, Antônio (1970). Pequeno vocabulário português-tupi. Rio de Janeiro: Livraria São José. Leverger, Augusto [Barão de Melgaço] (1852). Relatório do Presidente da Província de Mato Grosso. Cuiabá: Typographia do Echo Cuiabano.

Leverger, Augusto [Barão de Melgaço] (1884). Apontamentos cronológicos da Província de Mato Grosso. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, nº 48. Rio de Janeiro: Typographia nacional.

Loukotka, Čestmir (1968). Classification of South American Indian languages. Los Angeles: University of California.

Mello, Antônio Augusto Souza (2000). Estudo histórico da família linguística tupi-guarani. Aspectos fonológicos e lexicais (Tese de doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina.

https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/78560/170082.pdf?seque

Métraux, Alfred (1927). Migrations historiques des Tupi-Guarani. Paris: Librairie orientale et américaine. Métraux, Alfred (1948). The tribes of Eastern Bolivia and the Madeira Headwaters. In Julian Steward (ed.). Handbook of South American Indians, vol. 3, pp. 381-506. Washington: Bureau of American Ethnology.

Michael, Lev; Chousou-Polydouri, Natalia; Bartolomei, Keith; Donnelly, Erin; Wauters, Vivian; Meira, Sérgio; O’Hagan, Zachary (2015). A bayesian phylogenetic classification of Tupí-Guaraní. LIAMES-Línguas Indígenas Americanas 15(2): 193-221. Campinas.

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8642301

Moutinho, Joaquim Ferreira (1869). Notícia sobre a Província de Matto Grosso. São Paulo: Typographia de Henrique Schroeder.

Nordenskiöld, Erland (2001). Exploraciones y aventuras en Sudamérica. La Paz: APCOB.

Price, P. D. (1976). Política Indigenista e Política Indígena entre os nambiquara. Cuiabá: Informativo FUNAI. Priest, Perry (1980). Estudios sobre el idioma sirionó. Notas Lingüísticas 10. Riberalta, Bolivia: Instituto Lingüístico de Verano.

Priest, Perry; Priest, Anne (1985). Diccionario sirionó y castellano. Cochabamba: Instituto Lingüístico de Verano.

Ramirez, Henri (2010). Etnônimos e topônimos no Madeira (séculos XVI-XX): um sem-número de equívocos. Revista Brasileira de Linguística Antropológica 2(2): 179-224. Brasília. http://periodicos.unb.br/index.php/ling/article/view/8838

Ribera, Lázaro de (1989). Moxos: Descripciones exactas e historia fiel de los indios, animales y plantas de la provincia de Moxos... [1786-1794]. Madrid: Ediciones el Viso.

Riester, Jürgen (1972). Die Pauserna-Guarasug’wä. Monographie eines Tupi-Guaraní- Volkes in Ostbolivien. St. Augustin bein Bonn: Verlag des Anthropos-Instituts.

Riester, Jürgen (1976). En busca de la Loma Santa. Indígenas en el Oriente Boliviano. Análisis de su situación actual. La Paz: Editorial Los Amigos del Libro.

Riester, Jürgen (1977). Los Guarasug’wé: Crónica de sus últimos días. La Paz: Editorial Los Amigos del Libro.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna (1955). As línguas “impuras” da família Tupí-Guaraní. Congresso Internacional de Americanistas, XXXI. São Paulo.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna; Cabral, Ana Suelly Arruda Câmara (2002). Revendo a classificação interna da família Tupí-Guaraní. In Ana Suelly Arruda Câmara Cabral; Aryon Dall’Igna Rodrigues (eds.). Língua indígenas brasileiras: fonologia, gramática e história, pp. 327-337. Belém: Editora Universitária, Universidade Federal do Pará.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna; Cabral, Ana Suelly Arruda Câmara (2012). Tupian. In Lyle Campbell; Verónica Grondona (eds.). The indigenous languages of South America: a comprehensive guide, vol. 2, pp. 495-574. Berlin: De Gruyter Mouton.

Ruiz de Montoya, Antonio (1639). Tesoro de la lengua guarani. Madrid: Iuan Sanches.

Santiago de León, Pedro (1998). Diccionario guaraní-castellano y castellano-guaraní [1791]. Camiri/Tarija: Teko Guaraní-Centro Eclesial de Documentación.

Soares, Marília Facó; Leite, Yonne (1991). Vowel shift in the Tupi-Guarani family: a typological approach. In Mary Ritchie Key (ed.). Language change in South American Indian languages, pp. 36-53. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Souza, Gabriel Soares de (2001). Tratado descritivo do Brasil em 1587. Belo Horizonte: Editora Itatiaia.

Veiga, Juracilda (2007). A guerra como elemento constitutivo da sociedade dos Jê Meridionais. In Aryon Dall’Igna Rodrigues; Ana Suelly Arruda Câmara Cabral (eds.). Línguas e Culturas Macro-Jê, pp. 109- 125. Brasília: Universidade de Brasília.

Publicado
2017-11-16
Como Citar
Ramirez, H., Vegini, V., & França, M. C. V. de. (2017). O warázu do Guaporé (tupi-guarani): Primeira descrição linguística. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 17(2), 411-506. https://doi.org/10.20396/liames.v17i0.8647468
Seção
Documento

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)