Referência cruzada e concordância oracional no estudo de transparência e opacidade em línguas indígenas do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v17i2.8649542

Palavras-chave:

Referência cruzada. Concordância oracional. Transparência. Opacidade. Gramática discursivo-funcional.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar, com base na perspectiva teórica da Gramática Discursivo-Funcional (Hengeveld e Mackenzie 2008), a referência cruzada e a concordância oracional no estudo da transparência e opacidade em um conjunto de línguas indígenas do Brasil, levando-se em consideração a co-ocorrência ou não da marca de pessoa no verbo com a expressão pronominal do argumento sujeito, as relações de escopo entre os marcadores referenciais e os marcadores de concordância oracional e os níveis de organização da gramática em que operam, com vistas a verificar possíveis motivações funcionais ou formais que levam o argumento sujeito a ser expresso ora apenas pronominalmente ora com dupla marcação (pronome e afixo).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Paulino Comparini, Universidade de Franca

Doutora e Mestre em Estudos Linguísticos pela Unesp - São José do Rio Preto. Graduada em Letras com Habilitação em Tradutor pela mesma Instituição, em Letras pela FAFIBE - Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Bebedouro, em Pedagogia pela FFCL - Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ituverava e especialista em Língua Portuguesa e Literatura pela Universidade de Franca. Docente titular de cargo da Rede de Ensino do Governo do Estado de São Paulo, docente da Fundação Educacional de Ituverava e da Universidade de Franca, ministrando aulas em cursos de graduação, pós-graduação e ensino a distância. Professora Formadora na Universidade Federal de Lavras-UFLA no campus virtual CEAD. Experiência na área de Letras com ênfase em Língua Portuguesa, Análise Linguística, Metodologia Científica e Ensino a Distância. Integrante do NDE (Núcleo Docente Estruturante) da Universidade de Franca e da FFCL e membro do Grupo de Pesquisa em Gramática Funcional (GPGF/Unesp /SJRP), cadastrado no CNPq desde 2002.

Lisângela Aparecida Guiraldelli, Fundação Educacional de Ituverava.

Graduada em Bacharelado em Letras com Habilitação em Tradução pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP- (1998); Mestrado em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP- (2004). Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP/São José do Rio Preto-SP. Professora da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ituverava (FFCL-FEI), atuando principalmente nas áreas de Língua Portuguesa, Linguística, Leitura e Produção de Textos e Língua Inglesa. Coordenadora do Curso de Licenciatura em Letras (Português/Inglês) da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ituverava (FFCL-FEI). Coordenadora de Área do Subprojeto de Letras do PIBID/CAPES/FFCL desde 2012. Possui experiência em traduções, versões e revisões de textos em inglês, espanhol e português. Membro atuante do Grupo de Pesquisa em Gramática Funcional (GPGF) na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP/São José do Rio preto-SP.

Edson Rosa Francisco de Souza, Universidade Estadual Paulista

Possui em Licenciatura em Letras pela Universidade Estadual Paulista - IBILCE/UNESP (em 2001) e Mestrado em Estudos Lingüísticos pela mesma universidade em 2004, sob a orientação da Profa Dra Marize Mattos Dall'Aglio Hattnher. Obteve o título de Doutor em Linguística (Linguística) pelo Instituto de Estudos da Linguagem, IEL/UNICAMP, em 2009, sob a orientação da Profa Dra Ingedore Grunfeld Villaça Koch. Cursou ainda o doutorado sanduíche na Universiteit van Amsterdam (Amsterdam, Holanda), na área de Gramática Discursivo-Funcional, sob a orientação do Prof Dr Kees Hengeveld. Foi professor Adjunto (Efetivo) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus de Três Lagoas/MS e atualmente é professor Assistente Doutor na Universidade Estadual Paulista - IBILCE/UNESP, Câmpus de São José do Rio Preto. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Lingüística, atuando nos seguintes temas: gramática discursivo-funcional, gramaticalização, advérbios, conjunções, texto/discurso e gêneros discursivos. Email: edsrosa@yahoo.com.br.

Referências

Aikhenvald, Alexandra (2003). A grammar of Tariana, from northwest Amazonia. Cambridge: Cambridge University Press.

Araújo, Gabriel Antunes de (2004). A grammar of Sabanê: a Nambikwaran language (Ph.D. dissertation). Amsterdam: Vrije Universiteit.

Bacelar, Laércio Nora (2004). Gramática da língua Kanoê (Ph.D. dissertation). Nijmegen: Katholieke Universiteit Nijmegen

Bybee, Joan (1985). Morphology. Philadelphia: John Benjamins.

Cândido, Gláucia Vieira (2004). Descrição morfossintática da língua Shanenawa (Tese de doutorado em linguística). Campinas: IEL-UNICAMP.

Cardoso, Valéria Faria (2008). Aspectos morfossintáticos da língua Kaiowá (Guarani). (Tese de doutorado em linguística). Campinas: IEL-UNICAMP

Dik, Simon (1989). The theory of functional grammar. Dordrecht: Foris Publication.

Dik, Simon (1997). The theory of functional grammar: Part II: Complex and derived constructions. New York: Mouton de Gruyter.

Dixon, R. M. W. (2004). The Jarawara language of Southern Amazonia. Oxford: Oxford University Press.

Facundes, Sidney da Silva (2000). The language of the Apurinã people of Brazil (Ph.D. dissertation). Buffalo: University of New York.

Ferreira, Rogério Vicente (2005). Língua Matis (Pano): uma descrição gramatical (Tese de doutorado em linguística). Campinas: IEL-UNICAMP.

Fleck, David W. (2003). A grammar of Matses (Ph.D. dissertation). Houston: Texas: Rice University.

Fleck David W. (2005). Ergatividade em Matsés (Pano). LIAMES-Línguas Indígenas Americanas 5: 87-109. Disponível em:

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1440/1430

Hengeveld, Kees (2011). Transparency in functional discourse grammar. Linguistics in Amsterdam 4: 1-22.

Hengeveld, Kees (2012). Referential markers and agreement markers in functional discourse grammar. Language Sciences 34: 468–479.

Hengeveld, Kees; Leufkens, Sterre (inédito). Transparent and non-transparent languages. Amsterdam Center for Language and Communication.

Hengeveld, Kees; Mackenzie, Lachan (2008). Functional discourse grammar: a typologically-based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press.

Jansen, W. (2011). Esperanto: a language made transparent? Linguistics in Amsterdam 4: 57-74.

Leipzig Glossing Rules (2016). Conventions for interlinear morpheme-by-morpheme glosses. Disponível em www.eva.mpg.de/lingua/resources/glossing-rules.php

Acesso em: 15 ago. 2016.

Leufkens, Sterre (2013) The transparency of creoles. Journal of Pidgin and Creole Languages 28(2): 323-362.

Leufkens, Sterre (2015). The transparency in language: a typological study. Utrecht: LOT Publications.

Martins, Silvana Andrade (2004). Fonologia e gramática Dâw (Tese de doutorado). Amsterdam: Vrije Universiteit Amsterdam.

Mulder, Mijke (2013). Transparency in modern Hebrew: a functional discourse grammar analysis. Linguistics in Amsterdam 6: 1-27.

Oliveira, Christiane Cunha de (2005). The language of the Apinajé people of Central Brazil (Ph.D. dissertation). University of Oregon.

Oliveira, Christiane Cunha de (2014). A codificação das relações gramaticais nos complementos oracionais do Apinajé. Signótica 26(2): 287-308.

Oliveira, Rosana Costa de Oliveira (2007). Morfologia e sintaxe da língua Xavante. (Tese de doutorado em Linguística). Rio de Janeiro: Faculdade de Letras-UFRJ.

Öztürk, Balkız (2002). Turkish as a non-pro-drop language. In Eser Erguvanli Taylan (ed.). The verb in Turkish (Linguistics Today 44), pp. 239-259. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company

Seki, Lucy (2000). Gramática do Kamaiurá: língua Tupi-Guarani do Alto Xingu. Campinas: Editora da UNICAMP.

Siewierska, Anna (1999). From anaphoric pronoun to grammatical agreement marker: why objects don’t make it. Folia Linguistica 33(2): 225-251.

Sousa Cruz, Maria Odileiz (2005). Fonologia e gramática Ingarikó (Kaʔpon - Brasil). (Tese de doutorado). Amsterdam: Vrije Universiteit.

Stenzel, Kristine (2013). A reference grammar of Kotiria (Wanano). Lincoln: University of Nebraska Press.

Voort, Hein van der (2004). A grammar of Kwaza (Ph.D. dissertation). Leiden: University of Leiden.

Downloads

Publicado

2017-11-16

Como Citar

COMPARINI, A. M. P.; GUIRALDELLI, L. A.; SOUZA, E. R. F. de. Referência cruzada e concordância oracional no estudo de transparência e opacidade em línguas indígenas do Brasil. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 307–340, 2017. DOI: 10.20396/liames.v17i2.8649542. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8649542. Acesso em: 24 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Estudos sobre a distinção massivo-contável

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)