Comunidades indígenas e as línguas de sinais

os desafios do ensino bilíngue para indígenas surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v22i00.8670372

Palavras-chave:

Línguas de sinais indígenas, Comunidades plurilíngues, Ensino bilíngue, Indígenas surdos

Resumo

Este texto tem como objetivo apresentar dados de pesquisas realizadas pelas autoras no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Grande Dourados, Brasil, em parceria com o Centro Interdisciplinário de Investigações em Humanidade da Universidade Autônoma do Estado de Morelos, México. A necessidade de adequação do ensino ministrado em escolas indígenas para a inclusão de estudantes surdos traz à tona questões que envolvem as políticas linguísticas e as políticas de educação especial para estudantes surdos que vivem em comunidades indígenas plurilíngues. Buscou-se conhecer e levantar as múltiplas interfaces entre essas modalidades, enfatizando as línguas, os dispositivos político-normativos e as articulações entre ambas as áreas, sobretudo aqueles produzidos com base no princípio da Educação Inclusiva. A pesquisa foi qualitativa com a orientação teórica dos estudos pós-críticos e a etnografia pós-moderna, no intuito de conhecer e explorar modos alternativos de pensar, falar e fazer determinadas práticas sociais, realizada em contextos específicos, onde são observadas as micropolíticas do cotidiano que constituem e são constituídas pelos discursos dominantes de nossa sociedade. Conhecer as diferentes realidades e práticas de inclusão no Brasil e outros países oportuniza uma melhor compreensão dos cotidianos escolares diversos e plurilíngues, além de permitir se pensar em construir novas e diferentes políticas linguísticas que contemplem as múltiplas realidades vivenciadas pelos sujeitos indígenas surdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Lopes Coelho, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados. Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Grande Dourados. 

Marilda Moraes Garcia Bruno, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutora em Ensino da Educação Brasileira pela Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho. Professora aposentada na Universidade Federal da Grande Dourados. 

Miroslava Cruz-Aldrete, Universidad Autônoma del Estado de Morelos

Doutor em Linguística pelo Colegio de México. Professor Pesquisador em tempo integral da Universidade Autônoma do Estado de Morelos  (Morelos, México).

Referências

Aquino, Elda Vasques (2012). Educação escolar indígena e os processos próprios de aprendizagens: espaços de inter-relação de conhecimentos na infância Guarani/Kaiowá, antes da escola, na comunidade indígena de Amambai (Dissertação de mestrado em educação). Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco.

Azevedo, Marlon Jorge Silva de (2015). Mapeamento e contribuições linguísticas do professor surdo aos índios surdos da etnia Sateré-Mawé na microrregião de Parintins. (Dissertação de mestrado em letras e artes). Manaus: Escola Superior de Artes e Turismo, Universidade do Estado do Amazonas. http://repositorioinstitucional.uea.edu.br//handle/riuea/1900

Barretos, Euder Arrais (2016). A situação de comunicação dos Akwẽ-Xerente surdos (Dissertação de mestrado em letras e linguística). Goiânia: Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás. http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/5849 DOI: https://doi.org/10.5216/racs.v2i1.49019

Barriga-Villanueva, Rebeca (2018). De Babel a Pentecostés. Políticas lingüísticas y lenguas indígenas, entre historias, discursos, paradojas y testimonios. México: Secretaría de Educación Pública. Coordinación General de Educación Intercultural Bilingüe.

Brasil (2002). Lei nº. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS – e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

Brasil (2005). Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Brasília, DF: Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm

Brasil (2008). Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

Chamorro, Graciela; Combès, Isabelle. (Org.) (2015). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Dourados, MS: Editora da UFGD. https://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/EDITORA/catalogo/povos_indigenas_em_mato_grosso_do_sul.pdf

Coelho, Luciana Lopes (2011). A constituição do sujeito surdo na cultura Guarani-Kaiowá: os processos próprios de interação e comunicação na família e na escola (Dissertação de mestrado em educação). Dourados, MS: Faculdade de Educação, Universidade Federal da Grande Dourados. https://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/620

Coelho, Luciana Lopes (2019). A educação escolar de indígenas surdos Guarani e Kaiowá: discursos e práticas de inclusão (Tese de doutorado em educação). Dourados, MS: Faculdade de Educação, Universidade Federal da Grande Dourados. http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/925

Consejo Nacional de Fomento Educativo. CONAFE (2011). Discapacidad auditiva. Guía didáctica para la inclusión en educación inicial y básica. México: CONAFE.

Consejo Nacional de Fomento Educativo. CONAFE (2012). Educación pertinente e inclusiva. México: CONAFE.

Cruz-Aldrete, Miroslava (2019). De primera mano. Introducción al estudio de las lenguas de señas. In Niktelol Palacios (ed.), Voces de la lingüística mexicana contemporánea, pp. 59-95. México: El Colegio de México. DOI: https://doi.org/10.2307/j.ctvsf1pxh.5

Cruz-Cruz, Johan C. e Cruz-Aldrete, Miroslava (2013). Integración social del sordo en la Ciudad de México: enfoques médicos y pedagógicos (1867 – 1900). Cuicuilco. Revista de la Escuela Nacional de Antropología e Historia 20 (56): 173- 201. https://www.scielo.org.mx/pdf/cuicui/v20n56/v20n56a8.pdf

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix (2003). Kafka: para uma literatura menor. Lisboa: Assírio e Alvin.

Dirección General de Educación Indigenista (DGEI). (2012). Educación pertinente e inclusiva. La discapacidad en educación indígena. Guía- cuaderno 2: Atención educativa de alumnos y alumnas con discapacidad auditiva. México: DGEI.

Erard, Michael (2014). The discovery of a new language can help explain how we communicate. Aljazeera America. http://america.aljazeera.com/articles/2014/4/17/inventing-a-language.html

Ferreira, Lucinda (2010). Por uma gramática de línguas de sinais. 2ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Foucault, Michel (2010). O governo de si e dos outros: curso no Collège de France (Eduardo Brandão, Trad.; 2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes. https://joaocamillopenna.files.wordpress.com/2017/03/foucault-m-o-governo-de-si-e-dos-outros.pdf

Gallo, Sílvio (2003). Deleuze & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica editora

Giroletti, Marisa. Fátima P. (2008). Cultura surda e educação escolar Kaingang (Dissertação de mestrado em educação). Florianópolis: Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. https://www.livrosgratis.com.br/ler-livro-online-20054/cultura-surda-e-educacao-escolar-kaingang

Gomes, João Carlos; Vilhalva, Shirley (2021). As línguas de sinais indígenas em contextos Interculturais (Coleção Registros de estudos e pesquisas das línguas de sinais indígenas no Brasil, v.2.) Curitiba, Brasil: Editora CRV. DOI: https://doi.org/10.24824/978655868893.8

Haviland, John B. (2011). Nouns, verbs, and constituents in an emerging ‘Tzotsil’ sign language. In Rodrigo Gutiérrez-Bravo; Line Mikkelsen e Erick Potsdam (eds.), Representing language: Essays in Honor of Judith Aissen, pp. 157-171. Santa Cruz, California Digital Library eScholarship Repository. http://escholarship.org/uc/lrc_aissen

Haviland, John B. (2014). Different strokes: gesture phrases and gesture units in a family homesign from Chiapas, Mexico. In Mandana Seyfeddinipur e Marianne Gullberg (eds.), From gesture in conversation to visible action as utterance, pp. 245-288. John Benjamins. https://doi.org/10.1075/z.188.12hav DOI: https://doi.org/10.1075/z.188.12hav

Instituto Nacional de Estadística, Geografía e Informática. INEGI (2013). Las personas con discapacidad en México: Una visión al 2010. México: INEGI. https://www.inegi.org.mx/contenido/productos/prod_serv/contenidos/espanol/bvinegi/productos/censos/poblacion/2010/discapacidad/702825051785.pdf

Instituto Nacional de Estadística, Geografía e Informática. INEGI (2011). Marco conceptual del Censo de Población y Vivienda 2010. México: INEGI.

Instituto Nacional de Lenguas Indígenas. INALI (2008). Catálogo de las Lenguas Indígenas Nacionales. México: INALI.

Instituto Nacional para la Evaluación de la Educación INEE y Fondo de las Naciones Unidas para la Infancia. UNICEF (2017). Panorama educativo de la población indígena y afrodescendiente. http://publicaciones.inee.edu.mx/buscadorPub/P3/B/109/P3B109.pdf

Instituto Nacional para la Evaluación de la Educación. INEE (2017). Directrices para mejorar la atención educativa de niñas, niños y adolescentes indígenas. México: INEE

Instituto Nacional para la Evaluación de la Educación. INEE (2018). Políticas para mejorar la educación indígena en México. Documento 8 - Unidad de Normatividad y Política Educativa. México: INEE. https://www.inee.edu.mx/wp-content/uploads/2019/02/Documento8-educacion-indigena-2.pdf

Intituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE (2010). Censo Demográfico 2010: características gerais dos indígenas.

Johnson, Robert E. (1991). Sign language, culture and community in a traditional Yucatec Maya Village. Sign Language Studies 73: 461-474. 10.1353/sls.1991.0031 DOI: https://doi.org/10.1353/sls.1991.0031

Knapp, Cassio (2016). O ensino bilíngue e educação escolar indígena para os Guarani e Kaiowá de MS (Tese de doutorado em história). Dourados, MS: Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados. http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/377

Le Guen, Olivier (2018). El habla de la mano. La lengua de señas maya yucateca y sus señantes. México: Comisión Nacional para el Desarrollo de los pueblos Indígenas. https://www.gob.mx/cms/uploads/attachment/file/438175/inpi-el_habla-de-la-mano-lengua-de-senas-maya-yucateca-movil.pdf

Le Guen, Olivier (2019). Emerging sign languages of Mesoamerica. Sign Language Studies 19 (3): 375-409. https://www.jstor.org/stable/26732939?read-now=1&seq=1 DOI: https://doi.org/10.1353/sls.2019.0002

Lescano, Claudemiro Pereira (2016). Tavyterã Reko Rokyta: os pilares da educação Guarani Kaiowá nos processos próprios de ensino e aprendizagem (Dissertação de mestrado em educação). Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco.

Ley General de Derechos Lingüísticos de los Pueblos Indígenas. Diario Oficial de la Federación (DOF). México: Cámara de Diputados del H. Congreso de la Unión, 13 de marzo de 2003. Reformado DOF, 15/12/2015

Ley General de Personas con Discapacidad. Diario Oficial de la Federación. México: Cámara de Diputados del H. Congreso de la Unión, 10 de junio de 2005.

Lopes, Maura Corcini (2007). Surdez & Educação. Belo Horizonte: Autêntica editora.

Martins, Andérbio Márcio Silva; Chamorro, Graciela (2015). Diversidade linguística em Mato Grosso do Sul. In Chamorro, Graciela; Combès, Isabelle (orgs.), Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: História, cultura e transformações sociais, pp 729-744. Dourados, MS: Editora da UFGD.

Mesh, Kate e Hou, Lynn (2018). Negation in San Juan Quiahije Chatino Sign Language. The integration and adaptation of conventional gestures. Gesture 17 (3) 330-374. https://doi.org/10.1075/gest.18017.mes DOI: https://doi.org/10.1075/gest.18017.mes

Pérez Valencia, Ricardo (2019). Entre 16 y 25 millones de indígenas en pobreza extrema. Vértigo Político, 23 de abril de 2019. Disponible em http://www.vertigopolitico.com/articulo/59374/Entre-16-y-25-millones-de-indigenas-en-pobreza-extrema

Quadros, Ronice Müller de; Karnopp, Lodenir B. (2004). Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ARTMED. DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.560

Ricouer, Paul (2005). Sobre la traducción. Buenos Aires: Paidós.

Souza, Vania Pereira da Silva (2011). Crianças Kaiowá e Guarani: um estudo das representações sociais sobre deficiência e sobre o acesso às políticas de saúde e educação em aldeias da região da Grande Dourados (Dissertação de mestrado em educação). Dourados, MS: Faculdade de Educação, Universidade Federal da Grande Dourados. http://200.129.209.58:8080/handle/prefix/100

Sumaio, Priscila Alyne (2014). Sinalizando com os Terena: um estudo do uso da LIBRAS e de sinais nativos por indígenas surdos. (Dissertação de mestrado em letras). Araraquara, SP: Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. http://hdl.handle.net/11449/115690

Vilhalva, Shirley (2009). Mapeamento das línguas de sinais emergentes: um estudo sobre as comunidades linguísticas Indígenas de Mato Grosso do Sul (Dissertação de mestrado em linguística). Florianópolis, SC.: Universidade Federal de Santa Catarina. http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92972

Downloads

Publicado

2022-10-05

Como Citar

COELHO, L. L.; BRUNO, M. M. G.; CRUZ-ALDRETE, M. Comunidades indígenas e as línguas de sinais: os desafios do ensino bilíngue para indígenas surdos. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022016, 2022. DOI: 10.20396/liames.v22i00.8670372. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8670372. Acesso em: 30 nov. 2022.