Banner Portal
Inovação X conservadorismo
PDF

Palavras-chave

Análise de discurso
Educação
Ensino de língua portuguesa.

Como Citar

JESUS, F. .; MANZANO, L. C. G. . Inovação X conservadorismo: uma análise discursiva de práticas de ensino de língua portuguesa em escola inovadora. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 43, p. 9–32, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i43.8658321. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8658321. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Investigamos o processo de significação da palavra “inovação” e os efeitos produzidos em práticas de leitura/escrita trabalhadas em uma escola de educação infantil e ensino fundamental de alto padrão, reconhecida pelo MEC como escola inovadora. Articulamos as noções de interdiscurso, pré-construído e silenciamento, do ponto de vista teóricoepistemológico da Análise de Discurso desenvolvida no Brasil por Eni Orlandi a partir de trabalhos de Pêcheux e outros pesquisadores. Nosso corpusfoi obtido a partir da experiência docente de uma das autoras deste artigo na referida escola. Os resultados das análises mostram que, no discurso pedagógico que movimenta práticas e teorias naquele espaço escolar, os efeitos produzidos determinam um tipo de relação com o conhecimento que passa longe do modo de constituição do sujeito da escrita.

https://doi.org/10.20396/lil.v0i43.8658321
PDF

Referências

APPIAH, K. A. (1991). Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto.

AUROUX, S. (1998). “A escrita”. In: _____. A filosofia da linguagem. Tradução: José Horta Nunes. Campinas: Editora da Unicamp, p. 63-93.

AUROUX, S. (2009). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da Unicamp.

FÁVARO, Tatiana. Eni Orlandi fala sobre análise de discurso e linguagem em entrevista. Globo Universidade, 5 de novembro de 2012. Disponível em: https://goo.gl/Cp4K7w. Acesso em: 31 de outubro de 2016.

FERREIRA, A. C. F. (2015). “O papel e o poder fundador da linguagem na reflexão sobre conhecimento e tecnologia”. In: Entremeios, v. 11, p. 75-98.

GALLO, S. L. (2008). “Autoria: função do sujeito e efeito do discurso”. In: TASSO, I. Estudos do texto e do discurso: interfaces entre língua(gens), identidade e memória. São Carlos: Claraluz, p. 205-214.

LAGAZZI, S. (1988). O desafio de dizer não. Campinas: Pontes. _____. (2010). “Texto e autoria”. In: ORLANDI, E.; LAGAZZI, S. (Orgs.). Discurso e Textualidade. Campinas, Pontes, p. 81-104.

OLIVEIRA, L. E.; BARBOZA, G. M. O. (2013). “Marquês de Pombal e a Instituição do Ensino de Português no Brasil”. In: Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, p. 17-24.

ORLANDI, E. P. (2001). Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2003). “Colonização, globalização, tradução e autoria científica”. In: GUIMARÃES, E. (Org.). Produção e circulação do conhecimento: mídia, ciência, divulgação. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2007a). As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 5. d. Campinas: Editora da Unicamp.

ORLANDI, E. P. (2007b). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2008). “Silêncio e implícito: produzindo a monofonia”. In: GUIMARÃES, E. (Org.). História e sentido na linguagem. Campinas: Editora RG.

ORLANDI, E. P. (2009). Eduardo Carlos Pereira: gramática e religião ou o sujeito do saber gramatical In: ORLANDI, E. (Org.). Língua Brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: Editora RG.

ORLANDI, E. P. (2010). “A contrapelo: incursão teórica na tecnologia -discurso eletrônico, escola, cidade”. In:Rua. v. 2, n. 16. Disponível em: https://goo.gl/dUyf3Y. Acesso em: 05 de setembro de 2018.

ORLANDI, E. P. (2011). “Os sentidos de uma Estátua: Fernão Dias, individuação e identidade Pousoalegrense”. In: _____. Discurso, espaço, memória – caminhos da identidade no Sul de Minas. ORLANDI, Eni Puccinelli (Org.): Campinas, Editora RG.

ORLANDI, E. P. (2012a). Processos de significação, corpo e sujeito. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas, SP. Ed. Pontes.

ORLANDI, E. P. (2012b). Discurso e leitura. São Paulo: Cortez.

ORLANDI, E. P. (2013). Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez.

ORLANDI, E. P. Eu, Tu, Ele: discurso e real da história. Campinas: Pontes, 2017. PÊCHEUX, M. (2009 [1988]). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

POSSENTI, S. (2005). Por que (não) ensinar gramática na escola. 14. ed. Campinas, SP. Mercado de letras: Associação de Leitura do Brasil.

POSSENTI, S. (2014) “Teses para o sucesso escolar; Oito princípios podem nortear a atuação do professor de português numa escola”. In: Língua Portuguesa, no102, p.18-21.

POSSENTI, S. (2014). “Ingredientes para o aprendizado”. Língua Portuguesa, Segmento, Ano 9, nº 105, p. 22-23. Disponível em: https://goo.gl/GCQmTf. Acesso em: 26 de novembro de 2018.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. (2011). “Escrita e gramática como tecnologias urbanas: a cidade na história das línguas e das idéias linguísticas”. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 53, n. 2, p. 197-217. Campinas: IEL/UNICAMP.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.