Banner Portal
Multilinguismo e ensino nas fronteiras
PDF

Palavras-chave

Multilinguismo
Direitos linguísticos
Fronteiras.

Como Citar

MORELLO, R. . Multilinguismo e ensino nas fronteiras. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 43, p. 217–236, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i43.8658350. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8658350. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

A recente valorização do multilinguimo como parte da agenda mundial tem conduzido a um novo entendimento sobre o papel das línguas nos contextos da educação, da economia em rede, das tecnologias e da sustentabilidade do planeta. No Brasil, essa valorização passa pela construção e legitimação de direitos linguísticos, bem como pelos processos que garantam o acesso a esses direitos, produzindo, como uma das suas consequências, a necessidade de abordar a língua portuguesa em face das demais línguas brasileiras, em especial no campo da educação pública. A partir de uma breve caracterização do quadro de promoção do multiliguismo no Brasil, este texto propõe uma reflexão sobre o necessário reposicionamento das línguas – incluindo a própria língua portuguesa −, decorrente desse processo. Propõe, também, uma reflexão sobre a presença das línguas na escola a partir de investigações do Observatório das Educação na Fronteira (UNIR/UFSC/IPOL com apoio CAPES/OBEDUC), demonstrando diferentes tipos de silenciamento da alteridade linguística operado pelo monolinguismo da língua portuguesa. Por fim, discutem-se vias possíveis para o tratamento do multilinguismo nesses contextos.

https://doi.org/10.20396/lil.v0i43.8658350
PDF

Referências

ALTENHOFEN, C. V. (2013). Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A. da; TÍLIO, R.; ROCHA, C. H. (Orgs). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes, p. 93-116.

ALTENHOFEN, C. V.; MORELLO, R. (Orgs) (2018). Hunsrückisch: inventário de uma língua do Brasil. Florianópolis: Garapuvu. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/194384. Acesso em: 01 ago. 2019.

AUTHIER-REVUZ, J. (1982). Hétérogénéité montrée et hétérogénéité constitutive, éléments pour une approche de l'autre dans le discours. In: DRLAV, n°26, p. 91-151.

BERGER, I. R. (2015). Gestão do multi/plurilinguismo em escolas brasileiras na fronteira Brasil - Paraguai: um olhar a partir do Observatório da Educação na Fronteira. 2015. 290 p. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis. Disponível em: http://www.bu.ufsc.br/teses/PLLG0600-T.pdf. Acesso em: 01 jul. 2019.

CALVET, L. (2007). As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola / Florianópolis: IPOL.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Pages/Language.aspx?LangID=por. Acesso em: 27 de julho de 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. (2010). Censo Demográfico 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 10 de julho de 2019.

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM POLÍTICA LINGUÍSTICA – IPOL. (2018). Lista de línguas cooficiais em municípios brasileiros. Disponível em: http://ipol.org.br/lista-de-linguas-cooficiais-em-municipios-brasileiros/. Acesso em: 11 jul. 2019.

MELIÁ LLITERES, B. (2010). Pasado, presente y futuro de la lengua guaraní. Assunção: CEADUC /ISEHF.

MORELLO, R. (org.). (2015). Leis e línguas no Brasil: o processo de cooficialização e suas potencialidades. Florianópolis: IPOL.

MORELLO, R.; MARTINS, M. F. (Orgs.) (2016). OBEDF - Política linguística em contextos plurilíngues: desafios e perspectivas para a escola. Florianópolis: Garapuvu.

OLIVEIRA, G. M. (Org.) (2004). Interesse, pesquisa e ensino: uma equação para educação escolar no Brasil. Florianópolis: IPOL.

ORLANDI, E. P. (1987). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (1990). Discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Pontes.

REASON, P.; BRADBURY, H. (eds.) (2008). The SAGE Handbook of action research: participative inquiry and practice. Londres: Sage.

SPOLSKY, B. (2009). Language management. Cambridge University Press.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS -UFAM. (2012). Licenciatura indígena: Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável. Política Linguística. Disponível em: http://www.ensinosuperiorindigena.ufam.edu.br/o-curso/politica-linguistica. Acesso em: 12 de julho de 2019.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.