A língua falada no teatro e em telenovelas brasileiras

um percurso pela História das Ideias Linguísticas

Palavras-chave: Regularização, Legitimação, Memória

Resumo

Na esteira dos estudos em História das Ideias Linguísticas em sua relação com a Análise do Discurso, interessa-nos compreender a construção do discurso sobre a correção e a unidade linguística, que coloca em evidência o sentido de neutralidade da pronúncia de artistas em cena. Para isso, buscamos tecer um percurso de análise a partir de um arquivo, que recorta a memória do dizer nas manifestações dramatúrgicas, voltando-nos para o Primeiro Congresso Brasileiro de Língua Falada no Teatro (1956), em seu funcionamento político, em que se objetivava regular um “ideal” de fala e como isso ainda ecoa em montagens contemporâneas, no teatro e na televisão. A relação entre unidade e diversidade, a alteridade e o efeito dos congressos na construção das ideias linguísticas são questões abordadas neste artigo.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laise Aparecida Diogo Vieira, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Linguística no Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp e  docente do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.

Referências

ALMEIDA, E. Folhetim: uma crônica da língua. 2006. Tese de doutorado - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2006.
ANAIS do Primeiro Congresso Brasileiro de Língua Falada no Teatro. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1958.
AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução: Eni P. Orlandi. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, [1992] 2009.
BALDINI, L. A Nomenclatura Gramatical Brasileira Interpretada, Definida, Comentada e Exemplificada. 1999. Dissertação de Mestrado – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 1999.
BALDINI, L. Nomenclatura gramatical brasileira: Análise discursiva do controle da língua. Campinas, Editora RG, 2009.
CACCIAGLIA, M. Pequena História do Teatro no Brasil (quatro séculos de teatro no Brasil). São Paulo, Edusp, 1986.
FARIA, J. R. GUINSBURG, J. História do teatro brasileiro: das origens ao teatro profissional da primeira metade do século XX (projeto, planejamento editorial). São Paulo, v.1, Perspectiva: Edições SESCSP, 2012
GALLO, S. discurso da escrita e ensino. 2.ed. Campinas, SP. Editora da Unicamp, 1995.
GAMA, N. A Calliphasia ou Declamação. Revista de Educação, Ano II, n. 2, fev. BA. Repositório Institucional UFSC, 1930.
Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/161462. Acesso em: 22 abr. 2017.
GUIMARÃES, E. Não só... mas também: polifonia e argumentação. In: Cadernos de Estudos Linguísticos. n. 8, 1985.
GUIMARÃES, E. Sinopse dos estudos do Português no Brasil: a gramatização brasileira In: GUIMARÃES, E. (org.). Língua e cidadania: o Português no Brasil. Campinas: Pontes, p. 127-138, 1996.
GUIMARÃES, E. Língua de civilização e línguas de cultura. A língua nacional do Brasil. In: DE BARROS, D. L. P. (org.). Os discursos do descobrimento: 500 e mais anos de discursos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; FAPESP, 2000.
GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.
LAGAZZI, S. O político na linguística: processo de representação, legitimação e institucionalização. In: ORLANDI, E. (org.). Política Lingüística no Brasil. Pontes, 2007.
LIMA, I. S. e CARMO, L. (org.). História social da língua nacional. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2008.
LIMA, I. S. Língua nacional, histórias de um velho surrão. In: LIMA, I. S. e CARMO, L. (org.). História social da língua nacional. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2008.
MARIANI, B. A colonização linguística. Campinas: Pontes, 2004.
MARIANI, B. e MEDEIROS, V. Notícias de duas pesquisas: idéias lingüísticas e governo JK, In: Veredas on line – atemática – 1/2007, p. 128-144. PPG Linguística/UFJF, Juiz de Fora, 2007.
MARIANI, B. e MEDEIROS, V. (orgs.). Ideias Linguísticas: formulação e circulação no período JK. Rio de Janeiro, Faperj. Campinas, Editora RG, 2010.
NEVES, L. O.; LEVIN, O. M. (orgs.). O Theatro: crônicas de Arthur Azevedo (1894-1908). Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.
ORLANDI, E. Apresentação, em ORLANDI, E. (org.). História das Idéias Lingüísticas: Construção do Saber Metalingüístico e Constituição da Língua Nacional. Campinas/Cáceres: Pontes/Unemat, 2001.
ORLANDI, E. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das idéias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.
ORLANDI, E. A Língua Brasileira. Ciência e Cultura (SBPC): São Paulo, 2005.
ORLANDI, E. Língua Brasileira e outras histórias. Discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG Editora, 2009.
ORLANDI, E. Análise de discurso. In: LAGAZZI-RODRIGUES, S. e ORLANDI, E. (orgs.). Introdução às ciências da linguagem – Discurso e textualidade. Campinas: Pontes, p. 11-31, 2010.
PAYER, M. O. Memória da língua. Imigração e nacionalidade. Tese de Doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 1999.
PFEIFFER, C. C. Bem dizer e retórica: um lugar para o sujeito. Tese de Doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2000.
PFEIFFER, C. C. A Língua Nacional no Espaço das Polêmicas do Século XIX-XX. In: ORLANDI, E. (org.). História das Idéias Lingüísticas: Construção do Saber Metalingüístico e Constituição da Língua Nacional. Campinas/Cáceres: Pontes/Unemat, 2001.
PFEIFFER, C. C. Instrumentos Linguísticos, ensino e políticas públicas. Uma relação na história das ideias linguísticas. In: VALENTE, A. C. e PEREIRA, M. T. G. (org.). Língua Portuguesa. Descrição e ensino. São Paulo: Parábola, 2011.
RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. La langue comme problème urbain: le guarani à la campagne et dans l'espace public de la ville. In: Langage et société, Paris, 3/2002, n. 101, p. 55-97. Disponível em: http://www.cairn.info/revue-langage-et-societe-2002-3-page-55.htm. Acesso em: 23 out. 2016.
RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Escrita e gramática como tecnologias urbanas: a cidade na história das línguas e das ideias linguísticas. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, 2011, 53(2), p. 197-217. Disponível em: http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/cel/article/view/2010. Acesso em: 22 out. 2016.
SILVA, M. V. da. História da Alfabetização no Brasil: A Constituição de Sentidos e do Sujeito da Escolarização. Tese de Doutorado, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 1998.

Matérias em sites, conforme ordem de citação no artigo:
Confusão de sotaques irrita público e vira assunto na estreia de ‘I Love Paraisópolis’. (2015).
A voz do Brasil. Folha de São Paulo. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/revista/rf1805200302.htm. Acesso em: 17 jun. 2016.
ALS, F. Sotaque neutro? Atores tomam aula de fonoaudiologia para alcançar o esperado sotaque neutro. Blog Pense Direito, 2008. Disponível em: https://flavioals.wordpress.com/2008/06/01/sotaque-neutro/. Acesso em: 17 jun. 2016.
Aulas e exercícios ajudam atores a alcançar o ‘sotaque neutro’ - Jeito de falar de William Bonner e Fátima Bernardes é meta de muitos artistas. Bem Paraná, 2008. Disponível em: http://www.bemparana.com.br/noticia/69977/aulas-e-exercicios-ajudam-atores-a-alcancar-o-sotaque-neutro. Acesso em: 17 jun. 2016.
BITTENCOURT, C. “Velho Chico”: Martim descobre que está morto e fica atordoado. Extra. Disponível em: https://extra.globo.com/tv-e-lazer/telinha/velho-chico-martim-descobre-que-esta-morto-fica-atordoado-20111577.html. Acesso em: 15 set. 2016.
CASTRO, N. Ter ou não ter? Autores, diretores e atores debatem o uso do sotaque, em evidência na TV, 2014. O Globo. Disponível em: http://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/ter-ou-nao-ter-autores-diretores-atores-debatem-uso-do-sotaque-em-evidencia-na-tv-12514890#ixzz4HQRkMGfd. Acesso em: 17 jun. 2016.
DAU, R. Bruna Marquezine mostra como perdeu sotaque carioca em nova novela; compare. GShow, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://gshow.globo.com/novelas/i-love-paraisopolis/extras/noticia/2015/04/bruna-marquezine-mostra-como-perdeu-sotaque-carioca-em-nova-novela-compare.html Acesso em: 03 jun. 2016.
FURLANETO, A. Globo ‘adestra’ sotaques de atores para soar realista. Folha de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2610200815.htm. Acesso em: 02 ago. 2016.
MIRANDA, E. “Meu sotaque não me incomoda mais, afirma Grazi Massafera”. R7, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://entretenimento.r7.com/famosos-e-tv/noticias/meu-sotaque-nao-me-incomoda-mais-diz-grazi-massafera-20100930.html. Acesso em: 28 abr. 2016.
MOTTA, U. A falta da voz brasileira na Globo, 2012. Disponível em: http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2012/02/falta-da-voz-brasileira-na-globo.html. Acesso em: 17 jun. 2016.
NASSIF, L. A padronização do sotaque no telejornalismo. Jornal GGN, 2012. Disponível em: http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/a-padronizacao-do-sotaque-no-telejornalismo. Acesso em: 17 jun. 2016.
REIPERT, F. Goianos se irritam com sotaque carioca de novela da Globo. R7, Rio de Janeiro. 2012. Disponível em: http://entretenimento.r7.com/blogs/fabiola-reipert/goianos-se-irritam-com-sotaque-carioca-de-novela-da-globo/2014/03/09/. Acesso em: 03 jun. 2016.
SANTOS, M. R. Grazi e a polêmica sobre o sotaque paranaense, 2008. Disponível em: http://reclamando.com.br/?system=news&action=read&id=3291&eid=142. Acesso em: 02 ago.2016.
SETTI, R. Está terminando ‘Amor à vida’ – mais uma novela em que ‘paulistas’ falam com sotaque carioca. Blog Veja, 2014. Disponível em: http://www.ricardosetti.com/esta-terminando-amor-a-vida-mais-uma-novela-em-que-paulistas-falam-com-sotaque-carioca-2/. Acesso em: 03 jun. 2016.
VEJA SP, São Paulo. Disponível em: http://vejasp.abril.com.br/blogs/pop/2015/05/12/i-love-paraisopolis-sotaque/. Acesso em: 03 jun. 2016.
Publicado
2020-04-30
Como Citar
Vieira, L. A. D. (2020). A língua falada no teatro e em telenovelas brasileiras. Línguas E Instrumentos Línguísticos, 23(45), 46-89. https://doi.org/10.20396/lil.v23i45.8659382
Seção
Artigo