Desempenho acústico de divisórias verticais em blocos de gesso: uma avaliação a partir de medições de campo e em laboratório

Autores

  • Otávio Joaquim da Silva Júnior Universidade Federal de Pernambuco
  • José Jéferson do Rêgo Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Marco Antonio Silva Pinheiro Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v5i2.8634534

Palavras-chave:

Desempenho Acústico. Bloco de Gesso. Perda de Transmissão Sonora.

Resumo

Com a entrada em vigor da norma de desempenho das edificações habitacionais, valores mínimos de desempenho quanto ao isolamento acústico entre cômodos passaram a ser exigidos. Na busca ao atendimento dessas exigências, muitos construtores têm investido na obtenção de resultados do índice de redução sonora de divisórias em alvenarias de blocos cerâmicos ou concreto. No entanto, elementos construtivos como, por exemplo, paredes em blocos de gesso não têm sido alvo destas investigações com tanto fomento. Na região nordeste do Brasil, onde há uma grande concentração de jazidas naturais de gipsita, muitas construções são feitas em paredes de blocos de gesso, em razão do baixo custo e de condições climáticas da região. Diante da escassez de informações de propriedades acústicas das paredes em blocos de gesso, neste trabalho são apresentados valores do índice de redução sonora ponderado para duas paredes construídas em blocos de gesso maciço com 100mm de espessura, ambas ensaiadas em laboratório conforme métodos preconizados nas normas internacionais ISO 10140. Dos resultados obtidos, as paredes avaliadas em campo atendem a requisitos mínimos da norma brasileira de desempenho (40 dB) apenas nas paredes entre unidades habitacionais autônomas, nas situações onde não há ambiente de dormitório. Em laboratório, a mesma parede atenderá aos requisitos mínimos se for construída como parede cega de salas e cozinhas entre uma unidade habitacional e áreas comuns de trânsito eventual, como corredores e escadaria dos pavimentos (39 db). Os resultados em campo são superiores aos obtidos por ensaio em laboratório, indo de encontro ao que a norma de desempenho prevê. Isso reforça a importância da realização dos ensaios em campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otávio Joaquim da Silva Júnior, Universidade Federal de Pernambuco

Engenheiro Civil. Mestre em Engenharia Civil.

José Jéferson do Rêgo Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Engenheiro Civil. Doutor.

Marco Antonio Silva Pinheiro, Universidade Federal de Santa Maria

Engenheiro Civil. Doutor.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR15575-4: Edificações habitacionais – desempenho – Parte 4: Requisitos para vedações verticais internas e externas -- SVVIE. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. Desempenho de edificações habitacionais – guia orientativo para atendimento à norma ANBT NBR 15575/2013. Brasília, 2013. 162 p.

FERREIRA NETO, Maria de Fátima. Nível de conforto acústico: uma proposta para edifícios residenciais. 2009. 257 f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2009.

FRIEDRICH, Adriana Flores. Avaliação da contribuição do revestimento na isolação sonora de paredes de alvenaria. 2010. 112 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Programa de Pós-Graduação do Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2010.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 140-4 Acoustics -- Measurement of sound insulation in buildings and of building elements -- Part 4: Field measurements of airborne sound insulation between rooms. Geneva, 1998.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 717-1 Acoustics -- Rating of sound insulation in buildings and of building elements -- Part 1: Airborne sound insulation. Geneva, 2013.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 10140-1 Acoustics - Laboratory measurement of sound insulation of building elements - Part 1: Application rules for specific products. Geneva, 2010a.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 10140-2 Acoustics -- Laboratory measurement of sound insulation of building elements -- Part 2: Measurement of airborne sound insulation. Geneva, 2010b.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 10140-4 Acoustics -- Laboratory measurement of sound insulation of building elements -- Part 4: Measurement procedures and requirements. Geneva, 2010c.

SILVA JÚNIOR, O.J.; REGO SILVA, J.J.; PINHEIRO, M.A.S. Desempenho acústico de vedações verticais em blocos de gesso: uma avaliação em campo e laboratório. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ACÚSTICA, 25., 2014, Campinas. Anais ... Campinas: UNICAMP, 2014.

PERES, L.; BENACHOUR, M.; SANTOS, V.A. Gesso: Produção e utilização na construção civil. SEBRAE, Recife, 2008.

PINTO, Rodrigo Barcelos. Determinação experimental e numérica da redução sonora aérea em paredes de alvenaria utilizadas em habitações. 2011. 97 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Programa de Pós-Graduação do Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2011.

PIRES SOBRINHO, Carlos Welligton de Azevedo et al. Divisórias internas de edifícios em alvenaria de blocos de gesso: vantagens técnicas, econômicas e ambientais. 2011. CBIC :: Sala de Imprensa :: Artigos. Disponível em: http://www.cbic.org.br/print/5810. Acesso em: 02 out. 2014.

SANTOS NETO, Nestor Alves. Caracterização do isolamento acústico de uma parede de alvenaria estrutural de blocos cerâmicos. 2006. 128f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). – Programa de Pós-Graduação do Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2006.

Downloads

Publicado

2015-12-31

Como Citar

SILVA JÚNIOR, O. J. da; RÊGO SILVA, J. J. do; PINHEIRO, M. A. S. Desempenho acústico de divisórias verticais em blocos de gesso: uma avaliação a partir de medições de campo e em laboratório. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 15–21, 2015. DOI: 10.20396/parc.v5i2.8634534. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8634534. Acesso em: 30 nov. 2021.