Metodologia simplificada para avaliação do potencial de energia eólica em centros urbanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v8i1.8648501

Palavras-chave:

Eficiência energética. Energia eólica. Potencial de energia. Morfologia Urbana. Planejamento urbano.

Resumo

Com o crescimento das cidades, produção de eletricidade e calor podem não ser suficientes para atender às novas demandas. A forma urbana pode promover possibilidades de geração de energias alternativas nas cidades. Este trabalho verifica o potencial do uso de energia eólica em centros urbanos a partir de um método simplificado que envolve análises qualitativas da forma urbana e quantitativas de dados meteorológicos para Goiânia. O método é caracterizado pelas seguintes etapas: a) Seleção da área de estudo; b) Desenvolvimento de um mapa temático onde cada zona se estabelece a partir de padrões de semelhança da topografia, altura das edificações, presença de vegetação, tipo de uso e ocupação; c) Análise do potencial de energia eólica para cada zona, segundo a NBR 6123; d) Desenvolvimento de diretrizes de desenho urbano que promovam a instalação de turbinas eólicas em edifícios de algumas zonas da cidade. Foram identificadas nove zonas com formas urbanas distintas, sendo que aquelas com alta densidade de ocupação apresentaram maior potencial para geração de energia eólica durante os meses de agosto a outubro - meses com maior demanda de energia para aclimatação de ambientes internos, o que sugere que a implantação de edifícios com mais de 40 pavimentos em áreas com baixa densidade pode melhorar a capacidade de micro geração de energia eólica nas cidades. Diretrizes de planejamento que visam a eficiência energética e, principalmente, sustentabilidade urbana, dependem da avaliação de múltiplos critérios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Mendes da Silva, Universidade Federal de Goiás

Graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Goiás em 2016. Tem experiência na área de eficiencia energética.

Loyde Vieira de Abreu-Harbich, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2004), especialização em Engenharia de Segurança no Trabalho pela Universidade Federal de Goiás (2005), mestrado em Engenharia Civil, Universidade Estadual de Campinas (2008) e  doutorado  em  Arquitetura, Tecnologia e Cidades  pela  Universidade Estadual de Campinas (2012).  Atualmente é professor/pesquisador na Universidade Federal de Goiás.  É professor/pesquisador atuante no grupo de pesquisa Sistemas Prediais e Eficiência Energética-CNPQ do Programa de Pós-Graduação Geotecnia, Estruturas e Construção Civil da Escola de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás. 

Referências

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASIELIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6123: Forças devidas ao vento em edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 1988.

ALLAN, Ronald N.; BILLINTON, Roy. Probabilistic assessment of power systems. In: IEEE Power & Energy Society, 2000. Proceedings… v. 88, n. 2, p. 140-162, 2000.

ALVES, P.R. et al.. Avaliação da Impermeabilização do Solo na Área Urbana em Goiânia. In: XV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO - SBSR, Curitiba, Anais... Curitiba, p.0965, 2011.

AMARANTE, Odilon A. et al. Atlas do potencial eólico brasileiro. Atlas do potencial eólico brasileiro. MME/Eletrobrás, 2001.

ASSIS, Eleonora S.: FROTA, Anesia B., Urban bioclimatic design strategies for a tropical city. Atmospheric Environment, v. 33, n. 24, p. 4135-4142, 1999. Elsevier Science. http://dx.doi.org/10.1016/S1352-2310(99)00155-7

BELLORIO, G. B, Adensamento e Verticalização em Goiânia nos planos diretores (1968-2007). Dissertação (mestrado) em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da Pontifícia Universidade Católica de Goiás

BRASIL. ANEEL. Resolução Normativa Nº 482, de 17 de abril de 2012. Estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2012482.pdf. Acesso em 05 de julho de 2016

BP Global. BP Statistical Review of World Energy. Jun. 2017. Relatório. Disponível em: http://www.bp.com/en/global/corporate/energy-economics/statistical-review-of-world-energy.html

CACE, Jadranka et al. Urban wind turbines. Guidelines for small wind turbines in the built environment. p. 1-41, 2007.

CHAVES, V.L.ABREU-HARBICH, L. V.; Identificação do Ano Climático De Referência Para Goiânia – Goiás. In:XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2016, São Paulo Anais... São Paulo: USP, set 2016.

EPE - EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço energético nacional 2017: ano base 2016. Ministério de Minas e Energia, 2017a.

EPE- EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Nota técnica DEA 001/17: Projeção da demanda de energia elétrica para os próximos 10 anos (2017–2026). Estudos da Demanda, 2017b.

ESTANQUEIRO, Ana; SIMÕES, Tereza. Aproveitamento de energia eólica em ambiente urbano e construído. Renováveis Magazine, v1, p. 44 – 49, 2010.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico da cidade de Goiânia – GO. 2015. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=& codmun=520870. Acesso em de 07/07/2016.

ICE - INTERNATIONAL ELECTROTECHNICAL COMMISSION. IEC 61400-2: Wind turbines - art 2: Design requirements for small wind turbines. Genebra: International Electrotechnical Commission, 2006.

INMET - INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Dados Meteorológicos. 2016. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal. Acesso em de 07/06/2016.

JAMES, P.A.B. et al. Implications of the UK field trial of building mounted horizontal axis micro-wind turbines. Energy Policy, [s.l.], v. 38, n. 10, p.6130-6144, out. 2010. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.enpol.2010.05.070.

KATZSCHNER, L. Urban climate studies as tools for urban planning and architecture. In: IV ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, Salvador. Anais... Salvador, FAUFBA, ANTAC; 1997, p. 49-58.

LEITE, Andréa P.; FALCÃO, Djalma M.; BORGES, Carmen LT. Modelagem de usinas eólicas para estudos de confiabilidade. Sba: Controle & Automação Sociedade Brasileira de Automática, v. 17, n. 2, p. 177-188, 2006.

MASIERO, Érico; SOUZA, Léa Cristina Lucas de. Improving urban thermal profile with trees and water features. Proceedings Of The Institution Of Civil Engineers - Urban Design and Planning, Thomas Telford Ltd.., v.169, n. 2, p.66-77, 2016. http://dx.doi.org/10.1680/jurdp.14.00063.

NASCIMENTO, D. T. F. Emprego de técnicas de sensoriamento remoto e de geoprocessamento na análise multitemporal do fenômeno de ilhas de calor no município de Goiânia-GO (1986/2010). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, 2010.

STEWART, I. D.; OKE, T. R.. Local Climate Zones for Urban Temperature Studies. Bulletin of the American Meteorological Society, [s.l.], v. 93, n. 12, p.1879-1900, dez. 2012. American Meteorological Society. http://dx.doi.org/10.1175/bams-d-11-00019.1.oke

SOUZA, S. B, FERREIRA, L.G. Analyse de température de surface en environnement urbain: une étude par télédétection de la ville de Goiânia, Goiás (2002-2011). Revue franco-brésilienne de géographie . n. 15. 2012.

TOLMASQUIM, Mauricio Tiomno. Energia Renovável: Hidráulica, Biomassa, Eólica, Solar, Oceânica. Rio de Janeiro: EPE/MME, 2016.

YUAN, Chao; NG, Edward. Building porosity for better urban ventilation in high-density cities – A computational parametric study. Building and Environment, [s.l.], v. 50, p.176-189, abr. 2012. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.10.023.

Downloads

Publicado

2017-03-30

Como Citar

SILVA, L. M. da; ABREU-HARBICH, L. V. de. Metodologia simplificada para avaliação do potencial de energia eólica em centros urbanos. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 46–58, 2017. DOI: 10.20396/parc.v8i1.8648501. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8648501. Acesso em: 19 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos