Métodos para quantificação de chuva dirigida incidente nas fachadas das edificações

Autores

  • Vanda Alice Garcia Zanoni Universidade de Brasília
  • José Manoel Morales Sanchez Universidade de Brasília
  • Elton Bauer Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v9i2.8650260

Palavras-chave:

Condições de exposição. Chuva dirigida. Umidade. Degradação

Resumo

A chuva dirigida é uma das principais fontes de umidade das fachadas das edificações, desencadeando mecanismos de degradação que envolvem processos de molhagem e secagem, variações higrotérmicas e perda de estanqueidade dos constituintes. Existem diversos métodos de quantificação de chuva dirigida para calcular a intensidade de água que é projetada na fachada. Esses métodos permitem avaliar as condições de exposição que afetam a durabilidade e vida útil das edificações, assim como a intensidade da ação deste fenômeno. As normas internacionais ISO 15927-3: 2009 e ASHRAE Standard 160: 2009 são exemplos de documentos de referência que fornecem procedimentos e critérios para estimar a quantidade de chuva dirigida que se projeta na superfície vertical, em cada orientação de fachada. No cenário nacional, as normas brasileiras não apresentam critérios, modelos ou métodos de cálculo para a quantificação de chuva dirigida. Considerando as lacunas existentes no contexto brasileiro, este artigo apresenta métodos e modelos identificados por meio de uma revisão de literatura. O foco deste artigo é a avaliação dos principais métodos selecionados para quantificação da chuva dirigida em fachada, embasada em estudos descritivos e analíticos que permitiram a comparação entre eles. Os resultados mostram que os métodos semiempíricos avaliados resultam em diferentes montantes de chuva dirigida, visto que os métodos adotam diferentes parâmetros para os coeficientes que retratam as condições de exposição do edifício e sua inserção no contexto urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanda Alice Garcia Zanoni, Universidade de Brasília

Engenheira Civil, Mestre em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001) e Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília-UnB (2015). Professora Adjunta do Departamento de Tecnologia da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo-FAU da UnB. Coordenadora da linha de pesquisa Tecnologia de Produção do Ambiente Construído do Programa de Pós-Graduação da FAU-UnB. Membro titular do Comitê Técnico para Sistemas Convencionais do Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores e Sistemas Convencionais (CT-SINAT Convencionais), no âmbito do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H).

José Manoel Morales Sanchez, Universidade de Brasília

Engenheiro Civil, Mestre em Estruturas pela COPPE da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986) e Doutor em Estruturas e Construção Civil pelo Programa de Pós-Graduação em Estruturas e Construção Civil da UnB. Professor Associado do Departamento de Tecnologia da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília - FAU-UnB, atuando na graduação e pós-graduação. Coordenador do grupo de pesquisa Estruturas e Arquitetura. Atual Diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UnB.

Elton Bauer, Universidade de Brasília

Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987), Doutor em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo (1995) e Pós-Doutor na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto – Portugal (2013). Professor Associado do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental-PECC da Universidade de Brasília, atuando na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Estruturas e Construção Civil da UnB. Coordenador do Laboratório de Ensaio de Materiais – LEM da Faculdade de Tecnologia da UnB.  Coordenador do grupo de pesquisa Sistemas Construtivos, Materiais, Componentes, Desempenho e Durabilidade.

Referências

ANSI/ASHRAE - AMERICAN NATIONAL STANDARDS INSTITUTE & AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR-CONDITIONING ENGINEERS. ANSI/ASHRAE 160 - Criteria for Moisture-Control Design Analysis in Buildings. Atlanta, 2009.

BAUER, E. Resistência a penetração da chuva em fachadas de alvenaria de materiais cerâmicos: uma análise de desempenho. 1987. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

BLOCKEN, B.; ABUKU, M.; NORE, K.; BRIGGEN, P.M.; SCHELLEN, H.L.; THUE, J.V.; ROEL, S. S.; CARMELIET, J. Intercomparison of wind-driven rain deposition models based on two case studies with full-scale measurements. Journal of Wind Engineering and Industrial Aerodynamics, v. 99, n. 4, p.448-459, abr. 2011. doi:https://doi.org/10.1016/j.jweia.2010.11.004

BLOCKEN, B.; CARMELIET, J. A review of wind-driven rain research in building science. Journal of Wind Engineering and Industrial Aerodynamics, v. 92, n. 13, p. 1079-1130, nov. 2004. doi:https://doi.org/10.1016/j.jweia.2004.06.003

BLOCKEN, B.; CARMELIET, J. Overview of three state-of-the-art wind-driven rain assessment models and comparison based on model theory. Building and Environment, v. 45, n. 3, p. 691-703, mar. 2010. doi:https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2009.08.007

BLOCKEN, B.; DEROME, J.; CARMELIET, J. Rainwater runoff from building facades: a review. Building and Environment, v. 60, p. 339-361, Jul. 2013. doi:https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2012.10.008

BSI - BRITISH STANDARD INSTITUTION. BS 8104: Code of practice for assessing exposure of walls to wind driven rain. London, 1992.

BSI - BRITISH STANDARD INSTITUTION. BS EN ISO 15927-3: Hygrothermal performance of buildings - Calculation and presentation of climatic data. Part 3: Calculation of a driving rain index for vertical surfaces from hourly wind and rain data. BS EN ISO, 2009.

BSI - BRITISH STANDARD INSTITUTION. BS ISO 15686-7: Buildings and constructed assets — Service life planning — Part 7: Performance evaluation for feedback of service life data from practice. London, 2006.

CHAND, I.; BHARGAVA, P.K. Estimation of driving rain index for India. Building and Environment, v. 37, n. 5, p. 549-554, mai. 2002. doi:https://doi.org/10.1016/S0360-1323(01)00057-9

ESTRELA, P. H. T. Determinação e Análise de Índices de Exposição à Chuva Dirigida para 400 Estações Brasileiras: Dados de 1995 a 2010. 2010.Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) - Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos.

FREITAS, A. S. S. L. A. Avaliação do Comportamento Higrotérmico de Revestimentos Exteriores de Fachadas devido à Acção da Chuva Incidente. 2011. Dissertação (Mestre em Engenharia Civil) - Universidade do Porto, Porto.

GIONGO, M.; PADARATZ, I. J.; LAMBERTS, R. Determinação da exposição à chuva dirigida em Florianópolis, SC: índices de chuva dirigida e métodos semi-empíricos. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 7-23, jan./mar. 2011. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212011000100002

GIONGO, M. Análise do Nível de Exposição das Edificações à Chuva Dirigida para Florianópolis. 2007. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

HOPPESTAD, S. Slagregn i Norge (in Norwegian). Norwegian Building Research Institute, rapport 13, Oslo, 1955.

IBP - FRAUNHOFER INSTITUTE FOR BUILDING PHYSICS –. WUFI Pro 5.3. Holzkirchen, Germany, 2013.

INMET - INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Arquivos de dados horários A001- Brasília-DF. Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa (BDMEP), 2013.

KAZMIERCZAK, C. S. Desempenho de Alvenarias de Materiais Cerâmicos à Penetração de Água da Chuva: Uma Análise de Fatores Condicionantes. 1989. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

KRPAN, R. Wind-driven Rain on Buildings in Metro Vancouver: Parameters for Rain Penetration Testing of Window Assemblies. 2013. Thesis (PhD in Applied Science) - Building, Civil and Environmental Engineering at Concordia University, Canada.

LACY, R.E.; SHELLARD, H.C. An index of driving rain. The Meteorological Magazine, Great Britain, v. 91, n. 1080, p. 177–184, jul. 1962.

LACY, R. Driving-rain maps and the onslaught of rain on buildings. Building Research Station. Garston, England: Department of Scientific and Industrial Research, 1965.

LACY, R. E. Survey of Meteorological Information for Architecture and Building. (S.l): Building Research Station, Department of the Environment, 1972.

LIMA, M. G., MORELLI, F. Mapa Brasileiro de Chuva Dirigida - Algumas Considerações. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS, 7, 2005, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANTAC, 2005. p. 620-634.

LIMA, M. G.; ESTRELA, P.H.T. Determinação e análise de índices de exposição à chuva dirigida para São José dos Campos - SP com base em dados dos anos de 2008 e 2009. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 13, 2010. Anais ... Canela-RS: ANTAC, 2010. p. 1-9.

MARSH, P. Air & Rain Penetration of Buildings. New York: The Construction Press, 1977.

MELO JÚNIOR, C. M.; CARASEK, H. Índices de chuva dirigida direcional e análise do nível de umedecimento em fachadas de edifício em multipavimentos em Goiânia, GO. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 11, n. 3, p. 23-37, jul./set. 2011.

PEREZ, A. R. Umidade nas edificações. 1986. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo.

RORIZ, M. Correções nas Irradiâncias e Iluminâncias dos arquivos EPW da Base ANTAC. Grupo de Trabalho sobre Conforto e Eficiência Energética de Edificações. ANTAC – Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. São Carlos – SP, 2012. Disponível em: http://www.labeee.ufsc.br/downloads/arquivos-climaticos/formato-epw. Acesso em: setembro de 2013.

SILVA, A.C.S.B.; GIRALT, R.P. Estabelecimento de um índice de chuva dirigida para Porto Alegre. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 6, 1995, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANTAC, 1995. p. 605-610.

STRAUBE, J. BSD-148: Simplified Prediction of Driving Rain on Buildings: ASHRAE 160P and WUFI 4.0. Building Science Corporation, Building Science Digest, 2010. Disponível em: https://buildingscience.com/documents/digests/bsd-148-wufi-simplified-driving-rain-prediction. Acesso em: 18.06.2018.

ZANONI, V. A. G.; SÁNCHEZ, J.M. M.; BAUER, E.; AMORIM, C.N.D. Matriz de análise do índice de chuva dirigida (ICD) para a cidade de Brasília-DF. Paranoá: cadernos de arquitetura e urbanismo, v.11, p. 67-76, 2014. doi:http://dx.doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n11.2014.12085

ZANONI, V.A.G. Influência dos agentes climáticos de degradação no comportamento higrotérmico de fachadas em Brasília. 2015.Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Downloads

Publicado

2018-06-29

Como Citar

ZANONI, V. A. G.; SANCHEZ, J. M. M.; BAUER, E. Métodos para quantificação de chuva dirigida incidente nas fachadas das edificações. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 122–132, 2018. DOI: 10.20396/parc.v9i2.8650260. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650260. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos