Influência da envoltória no desempenho termoenergético de edificações institucionais no semiárido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v9i4.8651048

Palavras-chave:

Arquitetura bioclimática. Eficiência energética. Simulação computacional.

Resumo

A eficiência energética em edificações está relacionada à arquitetura bioclimática, que é a adequação da edificação ao clima local. Este estudo objetivou analisar a influência de determinadas características arquitetônicas e construtivas no consumo de eletricidade de edificações situadas em Mossoró, RN, cujo clima é tropical semiárido. Foram coletados dados relativos às características térmicas e geométricas dos elementos arquitetônicos, como: formato da edificação, disposição e uso dos ambientes, orientação cardeal das fachadas, posicionamento de elementos transparentes e propriedades térmicas dos materiais que compõem os sistemas construtivos. Para análise do desempenho termoenergético de parâmetros como transmitância e absortância térmica de paredes externas e da cobertura, percentual de aberturas nas fachadas, ângulos verticais de sombreamento de elementos translúcidos e orientação cardeal das edificações, utilizou-se o programa EnergyPlus, que simula o consumo de eletricidade predial ao longo do ano, baseado em modelos similares às edificações deste estudo. Nestas edificações, em função das variáveis arquitetônicas testadas, o condicionamento artificial de ar foi o principal responsável pela variação de consumo anual de eletricidade, enquanto que o consumo de sistemas de iluminação artificial e de equipamentos permaneceu constante em todos os cenários simulados. Adicionalmente, os revestimentos claros e refletivos das edificações, o baixo percentual de áreas envidraçadas nas fachadas e a existência de elementos de sombreamento contribuíram para minimizar os efeitos da radiação solar no aquecimento das edificações. A partir deste diagnóstico, são propostas recomendações projetuais para envoltória de edificações termicamente eficientes, inseridas no clima tropical semiárido e que tenham a necessidade de condicionamento artificial de ar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paolo Américo de Oliveira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Arquiteto e Urbanista. Mestre em Ambiente, Tecnologia e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Arquiteto e Urbanista da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Campus Central.


Diana Gonçalves Lunardi, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Bióloga. Mestre em Ecologia pela Universidade de Brasília. Doutora em Psicobiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ambiente, Tecnologia e Sociedade da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Campus Central.  

Referências

AHMAD, Q.; SZOKOLAY, S. Validation of thermal design tools. International Energy Journal, v. 16, n. 2, 2017.

AL ANZI, A.; SEO, D.; KRARTI, M. Impact of building shape on thermal performance of office buildings in Kuwait. Energy Conversion and Management, v. 50, p. 822-828, 2009. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enconman.2008.09.033.

ALVARES, C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

ARENT, D. et al. Implications of high renewable electricity penetration in the US for water use, greenhouse gas emissions, land-use, and materials supply. Applied Energy, v. 123, p. 368-377, 2014. DOI:https://doi.org/10.1016/j.apenergy.2013.12.022.

ABNT ̶ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15220-2: Desempenho térmico de edificações. Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator de calor solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 2005.

BALSLEV, Y. J.; POTCHTER, O.; MATZARAKIS, A. Climatic and thermal comfort analysis of the Tel-Aviv Geddes Plan: A historical perspective. Building and Environment, v. 93, p. 302-318, 2015. DOI:https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2015.07.005.

CARLO, J. C.; LAMBERTS, R. Development of envelope efficiency labels for commercial buildings: Effect of different variables on electricity consumption. Energy and Buildings, n. 40, p. 2002-2008, 2008. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2008.05.002.

CARLO, J. C.; LAMBERTS, R. Parâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios – parte 1: método prescritivo. Ambiente Construído, v. 10, n. 2, p. 7-26, abr./jun. 2010a. DOI:http://doi.org/10.1590/S1678-86212010000200001.

CARLO, J. C.; LAMBERTS, R. Parâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios – parte 2: método de simulação. Ambiente Construído, v. 10, n. 2, p. 27-40, abr./jun. 2010b. DOI:http://doi.org/10.1590/S1678-86212010000200002.

CORGNATI, S. P.; KINDINIS, A. Thermal mass activation by hollow core slab coupled with night ventilation to reduce summer cooling loads. Building and Environment, v. 42, n. 9, p. 3285-3297, 2007. DOI:https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2006.08.018.

DOE ̶ U.S. DEPARTMENT OF ENERGY. EnergyPlus. Version 8.2.0. [S.l.]:, 2015. Disponível em: https://energyplus.net. Acesso em: 24 maio 2015.

FUMO, N.; MAGO, P.; LUCK, R. Methodology to estimate building energy consumption using EnergyPlus benchmark models. Energy and Buildings, v. 42, p. 2331-2337, 2010. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2010.07.027.

GRÜNBERG, P. R. M.; MEDEIROS, M. H. F. de; TAVARES, S. F. Environmental certification for habitations: comparison between LEED for Homes, Aqua process and "Selo Casa Azul". Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 2, p. 209-226, 2014. DOI:http://doi.org/10.1590/S1414-753X2014000200013.

INMETRO ̶ INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL. Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviço e Públicos. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, 2010.

INMETRO ̶ INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL. Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. Requisitos da Avaliação da Conformidade para Eficiência Energética de Edificações. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, 2013.

JI, L. et al. Greenhouse gas emission factors of purchased electricity from interconnected grids. Applied Energy, v. 184, p. 751-758, 2016. DOI:https://doi.org/10.1016/j.apenergy.2015.10.065.

KATS, G. Tornando nosso ambiente construído mais sustentável. Custos, benefícios e estratégias. São Paulo: Island Press, 2014. ISBN 978-1-59726-668-0.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência energética na arquitetura. 3ª Ed. São Paulo: Eletrobrás/Procel, 2014.

MARTINEZ, M. F. et al. Redução de consumo de energia elétrica através de conceitos green building. Eletrônica de Potência, v. 14, n. 2, p. 141-148, maio 2009. DOI: http://doi.org/10.18618/REP.2009.2.141148.

MASCARÓ, J. L. O Custo das decisões arquitetônicas. 3ª ed. Porto Alegre: JLM, 2004.

NEVES, Letícia de Oliveira; MACHADO, Rodrigo Dias; CAVALCANTE, Rodrigo. Desempenho térmico do edifício da FAU Maranhão em dois momentos históricos. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 7, n. 4, p. 211-224, dez. 2016. ISSN 1980-6809. DOI:https://doi.org/10.20396/parc.v7i4.8646323.

OLIVEIRA, E. A. S. de et al. Human thermal comfort and architectural volume. Acta Scientiarum - Tecnology, v. 38, n. 2, p. 129-135, 2016. DOI:https://doi.org/10.4025/actascitechnol.v38i2.28308.

PEDRINI, A.; WESTPHAL, F. S.; LAMBERTS, R. A methodology for building energy modelling and calibration in warm climates. Building and Environment, v. 37, n. 8, p. 903-912, 2002. DOI:https://doi.org/10.1016/S0360-1323(02)00051-3.

PÉREZ-LOMBARD, L. et al. A review of benchmarking, rating and labelling concepts within the framework of building energy certification schemes. Energy and Buildings, v. 41, p. 272-278, 2009. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2008.10.004.

REY, F. J.; VELASCO, E.; VARELA, F. Building Energy Analysis (BEA): A methodology to assess building energy labelling. Energy and Buildings, n. 39, p. 709-716, 2007. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2006.07.009.

RORIZ, M. Laboratório de eficiência energética em edificações. Arquivos climáticos em formato EPW. Florianópolis: Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. 2012. Disponível em: http://www.labeee.ufsc.br/downloads/arquivos-climaticos/formato-epw . Acesso em: 29 jun. 2015.

STANKEVICIUS, V.; KARBAUSKAITE, J.; MONSTVILAS, E. The development of reference values for energy certification of buildings in Lithuania. Energy and Buildings, n. 39, p. 284-288, 2007. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2006.05.008.

SZOKOLAY, S. V. Introduction to architectural science: the basis of sustainable design. 2ª ed. Routledge, 2008. ISBN 1317918592.

Downloads

Publicado

2018-12-01

Como Citar

OLIVEIRA, P. A. de; LUNARDI, D. G. Influência da envoltória no desempenho termoenergético de edificações institucionais no semiárido. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 9, n. 4, p. 276–289, 2018. DOI: 10.20396/parc.v9i4.8651048. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8651048. Acesso em: 6 dez. 2022.