O idoso e o cuidador: uma análise da satisfação do ambiente doméstico

Palavras-chave: Design inclusivo, Envelhecimento, Idoso, Bengala, Muleta

Resumo

Nas últimas décadas houve um crescimento significativo da população idosa no mundo, sobretudo no continente europeu. Isso trouxe um conjunto de problemas para esta população, principalmente no que tange à restrição de movimento, à utilização de determinados produtos e espaços mal projetados, evidenciando, assim, a falta da aplicação do conceito de design inclusivo no ambiente doméstico. Nesse contexto, a pesquisa tem como objetivo entender a satisfação em oito ambientes da casa por meio do ponto de vista do idoso com o cuidador, entendendo suas dificuldades e rotinas. O método adotado parte de uma análise de triangulação de dados de cinco estudos de casos (dez sujeitos), em uma comunidade da cidade de Aveiro (Portugal), divididos em três fases: a primeira fase centrou-se em entrevistas com o idoso e seu respectivo cuidador; na segunda foi aplicada a ferramenta emocards em cada ambiente, para uma análise de satisfação; e, por fim, como terceira fase, foi observada a locomoção e realizado o registro fotográfico. Os resultados obtidos visam colaborar na compreensão de quais são os pontos mais críticos para o idoso e o cuidador. Como contributo para área da arquitetura e do design foi realizada uma tabela de recomendações para cada espaço, discutindo e propondo atualizações, a fim de melhorar a satisfação dos usuários no contexto doméstico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yago Weschenfelder Rodrigues, Universidade de Aveiro

Com graduação em Design Industrial pela UDESC, mestrado em Design de Produto pela UFPR e doutorando em Design pela Universidade de Aveiro. É investigador pela Fundação para Ciência e a Tecnologia – FCT, Portugal. Suas investigações estão centradas nas áreas de ergonomia e usabilidade com ênfase em tecnologia assistiva para a população idosa.

Luís Nuno Coelho Dias, Universidade de Aveiro

Doutorado em Design pela Universidade de Aveiro, mestre em Design Multimédia pela FBAUP.  Docente na Universidade de Aveiro e investigador na Unidade de Investigação ID+ (UA.UP), fundador do LED – Laboratório da Experiência e Design, onde se dedica à investigação e desenvolvimento de projectos associados ao design de interação e da experiência.

Ana Isabel Barreto Furtado Franco de Albuquerque Veloso, Universidade de Aveiro

Doutorado e Mestre em Ciências e Tecnologias da Comunicação, professora assistente e membro do conselho científico da DigiMedia - departamento de Comunicação e Arte, na Universidade de Aveiro. Coordenadora projetos como SEDUCE, EYES ON GAMES, Interactive Magic Places e People and Practices. Os seus interesses de pesquisa incluem comunicação, usabilidade, interações homem-computador.

Fábio Feltrin de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul

Possui graduação em História - bacharelado/licenciatura - pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em 2003, e graduação em Filosofia - bacharelado - pela Universidade Federal de Santa Catarina. É mestre em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 2005, e doutor pela mesma instituição em 2011. Também possui pós-doutorado pela Unicamp e pela Stony Brook University, onde foi pesquisador convidado. É professor adjunto IV do Curso de História da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS - Erechim) e do "Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas" (PPGICH), onde ocupa o cargo de coordenador (2017-2019), e coordenador do "Laboratório de Historiografia, Linguagens e Temporalidades". Tem experiência na área de História com ênfase em História da América Independente e em Teoria da História. Atua nos seguintes temas: arte, nação, linguagens, experiência do tempo, modernidades, biopolítica, estudos pós-coloniais, epistemologia das ciências humanas. 

Referências

ABERGO. Código de Deontologia do Ergonomista Certificado. Norma ERG BR 1002. Disponível em: http://www.abergo.org.br/arquivos/normas_ergbr/norma_erg_br_1002_deontologia.pdf. Acesso em: 09/02/2019.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

AGUILA, Claudia Carolina Guanilo Del. Residencia gerontológica y Centro de día. 2017. 106 f. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Facultad de Arquitectura, Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas (UPC), Lima, Peru, 2017.

AMERICAN ASSOCIATION OF RETIRED PERSONS. Beyond 50.05: A Report to the Nation on Livable Communities Creating Environments for Successful Aging. NW, Washington, 2007. Disponível em: https://assets.aarp.org/rgcenter/il/beyond_50_communities.pdf. Acesso em: 10/02/2019.

ARAÚJO, M. C. B. A.; MORAIS, S. A.; ARAUJO, I. F.; SANTOS, M. B. G. Avaliação dos riscos físicos no ambiente residencial e sua influência na qualidade de vida na terceira idade. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO: A INTEGRAÇÃO DE CADEIAS PRODUTIVAS COM A ABORDAGEM DA MANUFATURA SUSTENTÁVEL, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Abepro, 2008. p. 1-11.

ARICH DAILY. Lar Casa de Magalhães, 2017. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/803385/lar-casa-de-magalhaes-carvalho-araujo-arquitectura-e-design. Acesso em: 12/02/2019.

CEDRU - CENTRO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO. Estudo de Avaliação das necessidades dos Séniores em Portugal. Relatório final, 2008. Disponível em: http://www.anai.pt/public/ficheiros/tinv_estudoavalnecseniores.pdf. Acesso em: 12/02/2019.

DESMET, Pieter; HEKKERT, Paul. Framework of product experience. International journal of design, p. 1-10, 2007.

DUL, J.; WEERDMEESTER, B. Ergonomia prática. Tradutor Itiro Iida. 3.ª ed. - São Paulo: Blücher, 2012.

FARBER, Nicholas et al. Aging in Place: A State Survey of Livability Policies and Practices. National Conference of State Legislatures, 2011. Disponível em: https://assets.aarp.org/rgcenter/ppi/liv-com/aging-in-place-2011-full.pdf. Acesso em: 13/02/2019.

FRANK, E. Vejez, arquitectura y sociedad. Nobuko, Juan O’Gorman Librerias, 2003.

FREITAS, I. B. de; FREITAS, K. B. L.; AZEVEDO, P. R. de; LOPES, S. de O. F. Estudo de ambiência no ambiente construído sob olhar do cuidador de idoso. In: ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 6.; SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ACESSIBILIDADE INTEGRAL, 7., 2016, Recife. Blucher Design Proceedings. São Paulo: Blucher, 2016, v. 2. p. 563-572.

GUDMUNDSSON, H. P.; ANDERSEN, C. L.; ACHICHE S.; BOELSKIFTE, P. Emotion-driven elicitation of elderly people user needs illustrated by a walking frame case study. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON ENGINEERING DESIGN: IMPACTING SOCIETY THROUGH ENGINEERING DESIGN, 18., 2011, Copenhagen. Proceedings […]. Copenhagen: Amazon, 2011, v.7. p. 44-53.

INE - INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Censos 2011 – Resultados Pré-definitivos. Lisboa, 2012. Disponível em: https://www.ine.pt/ngt_server/attachfileu.jsp?look_parentBoui=134584032&att_display=n&att_download=y. Acesso em: 13/02/2019.

KREMER, Stefanie; UIJL, Louise den. Studying Emotions in the Elderly. In: MEISELMAN, Herbert (Org.). Emotion Measurement. Editora Elsevier Ltd, 2016. cap. 22, p. 537 – 571.

LE CORBUSIER. Le Corbusier: Une Encyclopédie. Organizado por Jacques Lucan. Centre Georges Pompidou/CCI, Paris, 1987.

LEITE, Ana Katharina De Figueirêdo. Avaliação do ambiente construído de instituições de longa permanência para idosos. 2010. 170 f. Dissertação (Mestrado em Design e Ergonomia) – Departamento de Design, Universidade Federal do Pernambuco, Recife, 2010.

MAGUIRE, M. Methods to Support Human-Centred Design. International Journal of Human-Computer Studies, p. 587-634, 2001.

MEURER, S. T.; BENEDETTI, T. R B.; MAZO, G. Z. Aspectos da autoimagem e autoestima de idosos ativos. Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 4, p. 788- 796, out./dez. 2009.

MINAYO, M. C. S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 244 f., 2010.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE. Despacho Normativo n.º 12/98. Diário da república — I série-B n.º 47 — 25-2-1998 (1998). Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/211235. Acesso em: 16/02/2019.

MOREIRA, Maria João Guardado. Environmental Changes and Social Vulnerability in an Ageing Society: Portugal in the Transition from the 20th to the 21st Centuries. Hygiea Internationalis, v. 9, n. 1, p. 397-409, 2010.

NELSON, Arthur C. Toward a new metropolis: The opportunity to rebuild America. Washington, DC: Brookings Institution, 2004.

NORMAN, Donald. A. Emotional Design: Why we love (or hate) everyday things, Basic Books, 2004.

PAIVA, Marie Monique Bruere; SANTOS, Vilma Maria Villarouco. Ergonomia no ambiente construído em moradia coletiva para idosos: estudo de caso em Portugal. Revista Ação Ergonômica, v. 7, n. 3, p. 56-75, 2012.

PHEASANT, Stephen. Bodyspace, anthropometry, ergonomics and design of work. 2 ed. London: Taylor & Francis, 1996.

QUARESMA, Manuela. Apresentação dos dados antropométricos. In: Ergonomia e Conforto Humano: Uma visão da arquitetura, engenharia e design de interiores. Organizado por Fábio Bitencourt. Rio de Janeiro: 1ª edição, Rio Book’s, 2011.

QUEVEDO, Ana Maria Funegra. Residência para idosos: Critérios de projeto. 2002. 190 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

RODRIGUES, Ana Luísa. A habitabilidade do espaço doméstico: O cliente, o arquitecto, o habitante e a casa. 2008. 408 f. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Departamento de Arquitetura. Universidade do Minho, Distrito de Braga, Guimarães, Portugal, 2008.

RODRIGUES, Yago Weschenfelder. O transporte intra-hospitalar manual de pacientes por macas: uma investigação dos aspectos ergonômicos físicos. 2016. 169 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Departamento de Design, Universidade Federal do Paraná, Paraná, Curitiba, 2016.

SIMÕES, Jorge Falcato. Uma casa para a vida aplicação do design inclusivo à habitação. Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. (S.d.). Disponível em: http://www.inr.pt/content/1/1154/uma-casa-para-vida-aplicacao-do-design-inclusivo-habitacao. Acesso em: 16/02/2019.

SIMÕES, Jorge Falcato; BISPO, Renato. Design Inclusivo – acessibilidade e usabilidade de produtos, serviços e ambientes. Edição: Centro Português de Design, 2006.

TELES, Paula. Acessibilidade e mobilidade para todos: Apontamentos para uma melhor interpretação do DL 163/2006 de 8 de Agosto. Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. Porto: Inova, 2007. Disponível em: http://www.inr.pt/uploads/docs/acessibilidade/GuiaAcessEmobi.pdf. Acesso em: 15/02/2019.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. São Paulo: Artmed Editora S.A., 2005. Tradução de: Daniel Grassi.

YOSHIDA, D. M. Instrumento para avaliar a acessibilidade espacial na habitação destinada a moradores idosos. 2017. 203 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. UNESP. Bauru, 2017.

Publicado
2019-05-31
Como Citar
Rodrigues, Y. W., Dias, L. N. C., Veloso, A. I. B. F. F. de A., & Souza, F. F. de. (2019). O idoso e o cuidador: uma análise da satisfação do ambiente doméstico. PARC Pesquisa Em Arquitetura E Construção, 10, e019024. https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8651890