Banner Portal
O idoso e o cuidador
PDF

Palavras-chave

Design inclusivo
Envelhecimento
Idoso
Bengala
Muleta.

Como Citar

RODRIGUES, Y. W.; DIAS, L. N. C.; VELOSO, A. I. B. F. F. de A.; SOUZA, F. F. de. O idoso e o cuidador: uma análise da satisfação do ambiente doméstico. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 10, p. e019024, 2019. DOI: 10.20396/parc.v10i0.8651890. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8651890. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

Nas últimas décadas houve um crescimento significativo da população idosa no mundo, sobretudo no continente europeu. Isso trouxe um conjunto de problemas para esta população, principalmente no que tange à restrição de movimento, à utilização de determinados produtos e espaços mal projetados, evidenciando, assim, a falta da aplicação do conceito de design inclusivo no ambiente doméstico. Nesse contexto, a pesquisa tem como objetivo entender a satisfação em oito ambientes da casa por meio do ponto de vista do idoso com o cuidador, entendendo suas dificuldades e rotinas. O método adotado parte de uma análise de triangulação de dados de cinco estudos de casos (dez sujeitos), em uma comunidade da cidade de Aveiro (Portugal), divididos em três fases: a primeira fase centrou-se em entrevistas com o idoso e seu respectivo cuidador; na segunda foi aplicada a ferramenta emocards em cada ambiente, para uma análise de satisfação; e, por fim, como terceira fase, foi observada a locomoção e realizado o registro fotográfico. Os resultados obtidos visam colaborar na compreensão de quais são os pontos mais críticos para o idoso e o cuidador. Como contributo para área da arquitetura e do design foi realizada uma tabela de recomendações para cada espaço, discutindo e propondo atualizações, a fim de melhorar a satisfação dos usuários no contexto doméstico.

https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8651890
PDF

Referências

ABERGO. Código de Deontologia do Ergonomista Certificado. Norma ERG BR 1002. Disponível em: http://www.abergo.org.br/arquivos/normas_ergbr/norma_erg_br_1002_deontologia.pdf. Acesso em: 09/02/2019.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

AGUILA, Claudia Carolina Guanilo Del. Residencia gerontológica y centro de día. 2017. 106 f. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Facultad de Arquitectura, Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas (UPC), Lima, Peru, 2017.

AMERICAN ASSOCIATION OF RETIRED PERSONS. Beyond 50.05: a report to the Nation on Livable Communities Creating Environments for Successful Aging. NW, Washington, 2007. Disponível em: https://assets.aarp.org/rgcenter/il/beyond_50_communities.pdf. Acesso em: 10/02/2019.

ARAÚJO, M. C. B. A.; MORAIS, S. A.; ARAUJO, I. F.; SANTOS, M. B. G. Avaliação dos riscos físicos no ambiente residencial e sua influência na qualidade de vida na terceira idade. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO: A INTEGRAÇÃO DE CADEIAS PRODUTIVAS COM A ABORDAGEM DA MANUFATURA SUSTENTÁVEL, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Abepro, 2008. p. 1-11.

ARICH DAILY. Lar Casa de Magalhães, 2017. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/803385/lar-casa-de-magalhaes-carvalho-araujo-arquitectura-e-design. Acesso em: 12/02/2019.

CEDRU - CENTRO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO. Estudo de Avaliação das necessidades dos Séniores em Portugal. Relatório final, 2008. Disponível em: http://www.anai.pt/public/ficheiros/tinv_estudoavalnecseniores.pdf. Acesso em: 12/02/2019.

DESMET, Pieter; HEKKERT, Paul. Framework of product experience. International journal of design, p. 1-10, 2007.

DUL, J.; WEERDMEESTER, B. Ergonomia prática. Tradutor Itiro Iida. 3.ª ed. - São Paulo: Blücher, 2012.

FARBER, Nicholas et al. Aging in place: a state survey of livability policies and practices. National Conference of State Legislatures, 2011. Disponível em: https://assets.aarp.org/rgcenter/ppi/liv-com/aging-in-place-2011-full.pdf. Acesso em: 13/02/2019.

FRANK, E. Vejez, arquitectura y sociedad. Nobuko, Juan O’Gorman Librerias, 2003.

FREITAS, I. B. de; FREITAS, K. B. L.; AZEVEDO, P. R. de; LOPES, S. de O. F. Estudo de ambiência no ambiente construído sob olhar do cuidador de idoso. In: ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 6.; SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ACESSIBILIDADE INTEGRAL, 7., 2016, Recife. Blucher Design Proceedings. São Paulo: Blucher, 2016, v. 2. p. 563-572.

GUDMUNDSSON, H. P.; ANDERSEN, C. L.; ACHICHE S.; BOELSKIFTE, P. Emotion-driven elicitation of elderly people user needs illustrated by a walking frame case study. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON ENGINEERING DESIGN: IMPACTING SOCIETY THROUGH ENGINEERING DESIGN, 18., 2011, Copenhagen. Proceedings […]. Copenhagen: Amazon, 2011, v.7. p. 44-53.

INE - INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Censos 2011 – Resultados Pré-definitivos. Lisboa, 2012. Disponível em: https://www.ine.pt/ngt_server/attachfileu.jsp?look_parentBoui=134584032&att_display=n&att_download=y. Acesso em: 13/02/2019.

KREMER, Stefanie; UIJL, Louise den. Studying emotions in the elderly. In: MEISELMAN, Herbert (Org.). Emotion Measurement. Editora Elsevier Ltd, 2016. cap. 22, p. 537 – 571.

LE CORBUSIER. Le Corbusier: Une Encyclopédie. Organizado por Jacques Lucan. Centre Georges Pompidou/CCI, Paris, 1987.

LEITE, Ana Katharina De Figueirêdo. Avaliação do ambiente construído de instituições de longa permanência para idosos. 2010. 170 f. Dissertação (Mestrado em Design e Ergonomia) – Departamento de Design, Universidade Federal do Pernambuco, Recife, 2010.

MAGUIRE, M. Methods to support human-centred cesign. International Journal of Human-Computer Studies, p. 587-634, 2001.

MEURER, S. T.; BENEDETTI, T. R B.; MAZO, G. Z. Aspectos da autoimagem e autoestima de idosos ativos. Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 4, p. 788- 796, out./dez. 2009.

MINAYO, M. C. S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 244 f., 2010.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE. Despacho Normativo n.º 12/98. Diário da república — I série-B n.º 47 — 25-2-1998 (1998). Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/211235. Acesso em: 16/02/2019.

MOREIRA, Maria João Guardado. Environmental changes and social vulnerability in an ageing society: Portugal in the transition from the 20th to the 21st Centuries. Hygiea Internationalis, v. 9, n. 1, p. 397-409, 2010.

NELSON, Arthur C. Toward a new metropolis: the opportunity to rebuild America. Washington, DC: Brookings Institution, 2004.

NORMAN, Donald. A. Emotional design: why we love (or hate) everyday things, Basic Books, 2004.

PAIVA, Marie Monique Bruere; SANTOS, Vilma Maria Villarouco. Ergonomia no ambiente construído em moradia coletiva para idosos: estudo de caso em Portugal. Revista Ação Ergonômica, v. 7, n. 3, p. 56-75, 2012.

PHEASANT, Stephen. Bodyspace, anthropometry, ergonomics and design of work. 2 ed. London: Taylor & Francis, 1996.

QUARESMA, Manuela. Apresentação dos dados antropométricos. In: Ergonomia e Conforto Humano: Uma visão da arquitetura, engenharia e design de interiores. Organizado por Fábio Bitencourt. Rio de Janeiro: 1ª edição, Rio Book’s, 2011.

QUEVEDO, Ana Maria Funegra. Residência para idosos: critérios de projeto. 2002. 190 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

RODRIGUES, Ana Luísa. A habitabilidade do espaço doméstico: o cliente, o arquitecto, o habitante e a casa. 2008. 408 f. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Departamento de Arquitetura. Universidade do Minho, Distrito de Braga, Guimarães, Portugal, 2008.

RODRIGUES, Yago Weschenfelder. O transporte intra-hospitalar manual de pacientes por macas: uma investigação dos aspectos ergonômicos físicos. 2016. 169 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Departamento de Design, Universidade Federal do Paraná, Paraná, Curitiba, 2016.

SIMÕES, Jorge Falcato. Uma casa para a vida aplicação do design inclusivo à habitação. Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. (S.d.). Disponível em: http://www.inr.pt/content/1/1154/uma-casa-para-vida-aplicacao-do-design-inclusivo-habitacao. Acesso em: 16/02/2019.

SIMÕES, Jorge Falcato; BISPO, Renato. Design inclusivo – acessibilidade e usabilidade de produtos, serviços e ambientes. Edição: Centro Português de Design, 2006.

TELES, Paula. Acessibilidade e mobilidade para todos: apontamentos para uma melhor interpretação do DL 163/2006 de 8 de Agosto. Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. Porto: Inova, 2007. Disponível em: http://www.inr.pt/uploads/docs/acessibilidade/GuiaAcessEmobi.pdf. Acesso em: 15/02/2019.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. São Paulo: Artmed Editora S.A., 2005. Tradução de: Daniel Grassi.

YOSHIDA, D. M. Instrumento para avaliar a acessibilidade espacial na habitação destinada a moradores idosos. 2017. 203 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. UNESP. Bauru, 2017.

A PARC Pesquida em Arquitetura e Construção utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.