Impactos da geração distribuída fotovoltaica e da tarifa branca no consumo do setor residencial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v11i0.8655498

Palavras-chave:

Simulação, Tarifa branca, Geração distribuída, Fotovoltaico

Resumo

Desde o início deste século, nota-se uma crescente necessidade de suprimento energético e consequentemente o aumento das preocupações ambientais internacionais. Em resposta a essa demanda, a geração distribuída fotovoltaica surge como possibilidade de redução das emissões de gases de efeito estufa, além da redução do investimento em produção, transmissão ou distribuição. Outra forma de controle referente ao consumo energético é por meio do gerenciamento pelo lado da demanda que, no Brasil, surge como opção para o setor residencial com a tarifa Branca. Porém, a inserção destas estratégias, assim como a mudança para o novo regime tarifário, requer investimentos e planejamento, os quais devem ser cuidadosamente analisados. Nesse contexto, as simulações computacionais possibilitam visualizar possíveis cenários, facilitar análises e fomentar planejamentos futuros. Este trabalho avalia os efeitos da geração distribuída fotovoltaica e do novo regime tarifário para consumidores residenciais que aderirem à tarifa Branca. Unidades habitacionais localizadas em Bento Gonçalves, São Paulo e Belém, com ou sem geração fotovoltaica, foram estudadas. Mostra-se que apenas a adesão à tarifa Branca gera 12,7%, 17,1%, 23,4% de aumento de gastos nas respectivas localidades, o que ressalta a necessidade da mudança nos hábitos atualmente típicos do consumidor e da redução no uso de energia nos horários de pico. Em contrapartida, os casos com geração fotovoltaica foram majoritariamente mais econômicos com a tarifa Convencional. No entanto, houve casos com resultado contrário em Bento Gonçalves, onde a diferença não foi relevante ou a melhor opção foi a tarifa Branca, visto que o pico de consumo gerado pelo chuveiro elétrico foi eliminado com a inserção do sistema solar de aquecimento de água que acompanhou o sistema fotovoltaico. Este, por sua vez, levou o consumo das habitações à tarifa mínima, principalmente em São Paulo, onde os custos foram praticamente os mesmos, não importando o regime tarifário escolhido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Gomes Rodrigues, Universidade Federal de Viçosa

Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Viçosa. Arquiteto Urbanista pela Universidade Federal de Viçosa.

Joyce Correna Carlo, Universidade Federal de Viçosa

Doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Associada na Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Arquitetura e Urbanismo.

Referências

ABRAHÃO, K. C. F. Avaliação dos pesos regionais do RTQ-R a partir da análise da estrutura do consumo residencial de energia elétrica por região geográfica. 2015. 244f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica. 2. ed. Brasília: ANEEL, 2016a. (Cadernos temáticos ANEEL). Disponível em: https://www.aneel.gov.br/livros/-/asset_publisher/NBC33JHYPjrv/content/cadernos-tematicos-aneel-micro-e-minigeracao-distribuida-2-edicao/656835. Acesso em: 17 ago. 2018.

ANEEL. Resolução Homologatória n 2380 de 2018: homologa o resultado da quarta Revisão Tarifária Periódica – RTP da Energisa Mato Grosso do Sul Distribuidora de Energia S.A. - EMS, as Tarifas de Energia – TE e as Tarifas de Uso do Sistema de Distribuição – TUSD, e dá outras providências. Brasília: ANEEL, 2018a. 12 p., il. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/reh20182380ti.pdf. Acesso em: 24 set. 2018.

ANEEL. Resolução Homologatória n 2400 de 2018: homologa o resultado da quarta Revisão Tarifária Periódica – RTP da Rio Grande Energia S/A. - RGE, as Tarifas de Energia – TE e as Tarifas de Uso do Sistema de Distribuição – TUSD, e dá outras providências. Brasília: ANEEL, 2018b. 8 p., il. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/reh20182400ti.pdf. Acesso em: 24 set. 2018.

ANEEL. Resolução Homologatória n 2433 de 2018 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2018, as Tarifas de Energia – TE e as Tarifas de Uso do Sistema de Distribuição – TUSD referentes à Centrais Elétricas do Pará S/A. - Celpa, e dá outras providências. Brasília: ANEEL, 2018c. 8 p., il. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/reh20182433ti.pdf. Acesso em: 24 set. 2018.

ANEEL. Resolução Normativa n 414/2010: condições gerais de fornecimento de energia elétrica. [Brasília]: ANEEL, [2010?]. 206 p., il. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/bren2010414.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

ANEEL. Resolução Normativa n 687/2015: Altera a Resolução Normativa nº 482, de 17 de abril de 2012, e os Módulos 1 e 3 dos Procedimentos de Distribuição – PRODIST. Brasília: ANEEL, 2015. 206 p., il. Disponível em: https://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2015687.pdf. Acesso em: 17 ago. 2018.

ANEEL. Resolução Normativa n 733 de 2016: estabelece as condições para a aplicação da modalidade tarifária horária branca. Brasília: ANEEL, 2016b. 4 p., il. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2016733.pdf. Acesso em: 17 ago. 2018.

DRUDE, L.; PEREIRA JUNIOR, L.C.; RÜTHER, R. Photovoltaics (PV) and electric vehicle to-grid (V2G) strategies for peak demand reduction in urban regions in Brazil in a smart grid environment. Renewable Energy, v. 68, p. 443–451, 2014. DOI:https://doi.org/10.1016/j.renene.2014.01.049 DOI: https://doi.org/10.1016/j.renene.2014.01.049

FINOTTI, A. S.; ALMEIDA, M. P.; ZILLES, R. Simulação Do Uso De Baterias Adotando A Tarifa Branca Para Microgeração Fotovoltaica De Classe Residencial. In: Congresso Brasileiro de Energia Solar, 7., 2018, Gramado. Anais... Gramado, CBENS, 2018.

INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA QUALIDADE E TECNOLOGIA. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais. Anexo da Portaria INMETRO no. 18, de janeiro de 2012 que aprova a revisão do Regulamento Técnico da Qualidade - RTQ para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.pbeedifica.com.br/sites/default/files/projetos/etiquetagem/residencial/downloads/RTQR.pdf. Acesso em: 2 jul. 2018.

NORMAIS CLIMATOLÓGICAS. Clima. In: INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. INMET Normais Climatológicas do Brasil, DF: INMET, [1981-a 2010]. Disponível em: https://portal.inmet.gov.br/normais/. Acesso em: 9 nov. 2018.

IEA - INTERNATIONAL ENERGY AGENCY. Renewable 2019: Analysis and forecasts to 2024. Paris: IEA, 2019. (Market Report Series). Disponível em: https://www.iea.org/reports/renewables-2019/distributed-solar-pv#abstract. Acesso em: 17 set. 2020.

JANNUZZI, G. M.; MELO, C. A. Grid-connected photovoltaic in Brazil: Policies and potential impacts for 2030. Energy for Sustainable Development. v. 17, p. 40-46, 2013. DOI:https://doi.org/10.1016/j.esd.2012.10.010 DOI: https://doi.org/10.1016/j.esd.2012.10.010

MIRANDA, R. F. C.; SZKLO, A.; SCHAEFFER, R. Sistemas Fotovoltaicos Acoplados A Baterias No Setor Residencial Sob O Âmbito Da Tarifa Branca De Energia. In: Congresso Brasileiro de Energia Solar, 5 2014 Recife. Anais... Recife, CBENS, 2014.

PONCE-JARA, M.A.; RUIZ, E.; GIL, R.; SANCRISTÓBAL, E.; PÉREZ-MOLINA, C.; CASTRO, M. Smart Grid: Assessment of the past and present in developed and developing countries. Energy Strategy Reviews, v. 18, p. 38-52, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.esr.2017.09.011

VASCONCELLOS, L.E.M.; LIMBERGER, M.A.C. (Org.). Energia solar para aquecimento de água no Brasil: contribuições da Eletrobrás Procel e parceiros. Rio de Janeiro: Eletrobrás, 2012.

REN21 - RENEWABLE ENERGY POLICY NETWORK FOR THE 21ST CENTURY. Renewables 2019 Global Status Report. Paris: REN21 Secretariat. 2017. Disponível em: https://www.ren21.net/wp-content/uploads/2019/05/gsr_2019_full_report_en.pdf. Acesso em: 17set. 2020.

RODRIGUES, T. T.; CARLO, J. C. Modelagem térmica de fotovoltaicos semitransparentes: impactos na eficiência da célula e no desempenho da zona. PARC - Pesquisa em Arquitetura e Construção. v.9, n.4. p.305-318. 2018. DOI:https://doi.org/10.20396/parc.v9i4.8652785 DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v9i4.8652785

RODRIGUES, M. G.; SANTOS, D. M. dos; CARLO, J. C. Simulação energética de unidades habitacionais baseada em usuários com modos de vida contemporâneo e tradicional. Cadernos PROARQ. v.33, p. 154-177. 2019. DOI:https://doi.org/10.37180/2675-0392-n33-8 DOI: https://doi.org/10.37180/2675-0392-n33-8

SANTOS, I. P.; RÜTHER, R. The potential of building-integrated (BIPV) and building-applied photovoltaics (BAPV) in single-family, urban residences at low latitudes in Brazil. Energy and Buildings. v.50, p. 290-297, 2012. DOI:https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2012.03.052 DOI: https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2012.03.052

SOUTO, O. C. N.; SILVA, S. B.; VIAJANTE, G. P.; SOUZA, D. M.; AMARAL, J. F. S. Análise econômica de sistemas fotovoltaicos conectados à rede considerando a tarifa branca e ações de eficiência energética para consumidores residenciais utilizando Homer Pro Energy. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR, 7., 2018, Gramado. Anais... Gramado, CBENS, 2018.

TEIXEIRA, C. A.; INVIDIATA, A.; SORGATO, M. J.; MELO, A. P.; FOSSATI, M. LAMBERTS, R. Levantamento das características de edifícios residenciais brasileiros. Relatório Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações-CB3E, Florianópolis, 2015.

TELLES, C. P. Proposta de simplificação do RTQ-R. Dissertação (Mestrado) - Centro de ciências Exatas e Tecnológicas, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2016.

TENFEN, D.; LEMOS, F. A. B.; FERNANDES, R. C.; DECKER, I. C. Microgrids and Microgeneration in Brazilian Energy Market: a Discussion of Regulatory and Commercial Aspects. In: Latin-American Congress On Electricity Generation And Transmission, 9., 2013, Viña del Mar, Chile. Anais… Chile, CLAGTEE, 2013.

VIANA, M. S.; MANASSERO JUNIOR, G.; UDAETA, M. E. M. Analysis of demand response and photovoltaic distributed generation as resources for power utility planning. Applied Energy. v. 217, p. 456-466, 2018. DOI:ttps://doi.org/10.1016/j.apenergy.2018.02.153 DOI: https://doi.org/10.1016/j.apenergy.2018.02.153

ZOMER, Clarissa Debiazi. Usina Solar Fotovoltaica Integrada A Uma Edificação Urbana: O Maior Gerador Solar Do Hemisfério Sul. In: Instituto Ideal. (Org.). Eco-Lógicas: renovar é pensar diferente. 1ed. Florianópolis, 2008, p. 91-106.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

RODRIGUES, M. G. .; CARLO, J. C. . Impactos da geração distribuída fotovoltaica e da tarifa branca no consumo do setor residencial. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 11, p. e020018, 2020. DOI: 10.20396/parc.v11i0.8655498. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8655498. Acesso em: 24 set. 2022.