Museu do Amanhã e articulações da expressão tectônica e condição cenográfica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v11i0.8655866

Palavras-chave:

Tectônica, Cenografia, Arquitetura, Museu, Globalização

Resumo

Este artigo parte de uma análise da arquitetura dos novos museus globais, escolhidos como objeto de pesquisa devido a seu conteúdo simbólico subjacente. Adotando uma abordagem qualitativa, a investigação procura confrontar o conceito de “tectônica” a questionamentos relativos à utilização de elementos cenográficos na arquitetura museal contemporânea, incorporando ainda considerações sobre o uso destas edificações. A ideia de tectônica parte da relação que a dimensão material, construtiva e tátil da arquitetura estabelece com sua expressão plástica, uma questão que foi colocada em pauta em meados do século XIX e recentemente reemergiu por meio de reflexões tais como as de Kenneth Frampton e Gevork Hartoonian. Sob a luz de conceitos propostos por estes autores, da crítica à arquitetura tardo moderna, a partir de Venturi, Brown e Izenour e de considerações sobre a condição cenográfica da arquitetura – propõe-se uma investigação sobre o Museu do Amanhã, Rio de Janeiro. O objetivo é questionar se a mera expressão tectônica do edifício é capaz de isentá-lo de qualquer intenção de espetáculo e cenografia. Embora nitidamente inserido dentro de uma dinâmica de competição de cidades, a partir da criação de uma imagem de marca, o Museu destaca uma solução construtiva e estrutural em que as relações de carga e apoio se expressam em coerência com a forma. Reafirma-se desta forma as possibilidades de articulação entre expressão tectônica e cenografia, materialidade e imagem.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Ubaldo Braga, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal Fluminense. Mestrado em andamento em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Maria Luiza Almeida Cunha de Castro, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em Ciencias Socio Ambientais pela Universidade Federal do Pará. Professora Adjunta na Universidade Federal de Minas Gerais.

Marco Antônio Penido de Rezende, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em Engenharia de Construção Civil E Urbana pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado na Universidade de Oregon. Professor Associado na Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais.

João Luiz van Ham Mello, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestrado em andamento em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável na Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

AMARAL, I. Quase tudo que você queria saber sobre tectônica, mas tinha vergonha de perguntar. Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, São Paulo, n. 26, p. 148-167, dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i26p148-167. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i26p148-167

ARANTES, Pedro Fiori. Arquitetura na era digital-financeira: desenho, canteiro e renda da forma. 2010. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/32254. Acesso em: 06 out. 2018.

BARBOSA, Ycarim. O turismo e os não lugares. Goiânia: London 7, 2015. E-book.

CALATRAVA, Santiago. Portfólio, 2015. Disponível em: https://calatrava.com/projects/obelisk-haifa.htmll. Acesso em: 08 de out. 2018.

CANTALICE II, Aristóteles de Siqueira Campos. Redescobrindo a arte cientifica tectonica. Oculum Ensaios, Campinas, v. 15, n. 2, p. 247-269, 2018. DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v15n2a3849. DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v15n2a3849

CHOAY, Françoise. A Alegoria do Patrimônio. Tradução Luciano Vieira Machado. São Paulo: Estação Liberdade/ Unesp, 2006.

DARÓZ, Elaine; SOUSA, Lucilia M. A. e. No museu, o Amanhã no entrelaçamento entre história e memória. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 8, n. 2, p. Port. 133-149 / Eng. 134-149, jun. 2019. ISSN 2317-2347. DOI: http://dx.doi.org/10.35572/rlr.v8i2.1377. DOI: https://doi.org/10.35572/rlr.v8i2.1377

DI CRISTINA, Giuseppa. Poetry in Curves: The Guggenheim Museum in Bilbao. The Visual Mind II, 2005. Disponível em: https://epdf.pub/the-visual-mind-ii-leonardo-books.html. Acesso em: 13 abr. 2020.

FIGUEIREDO, Gonçalo J. Uma visão escultórica da obra de Santiago Calatrava. 2010. 132 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Departamento de Artes Visuais e Design, Universidade de Évora, Évora, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/10174/10902. Acesso em: 13 abr. 2020.

FOSTER, Hal. Complexo arte - arquitetura. Tradução Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2015. E-book.

FRAMPTON, Kenneth. Rappel a l’Ordre: The Case for the Tectonic. Architectural Design, [S.l.], v. 60, n. 3-4, 1990. p. 19-25. Disponível em: https://suw.biblos.pk.edu.pl/downloadResource&mId=213385. Acesso em: 13 abr. 2020.

FRAMPTON, Kenneth. Studies in Tectonic Culture. Cambridge: MIT Press, 1995.

FRAMPTON, Kenneth. Toward a Critical Regionalism: Six points for an Architecture of Resistance. In: FOSTER, Hal (ed.) The Anti-Aesthetic: Essays on postmodern culture. Washington: Bay Press, 1983.

GELINSKI, G. Obra-Monumento de Calatrava no Píer Mauá. Finestra, [S.l.], v. 88, 2014. Disponível em: https://arcoweb.com.br/finestra/arquitetura/santiago-calatrava-museu-amanha-riojaneiro-2014. Acesso em: 21 fev. 2016.

HARTOONIAN, Gevork. Architecture and Spectacle: A Critique. Londres: Routledge, 2012. ISBN: 9781409422938.

JENCKS, Charles. The Story of Post-Modernism: Five Decades of the Ironic, Iconic and Critical in Architecture. Londres: John Wiley & Sons, 2011. E-book. ISBN-13: 978-0470688953. ISBN-10: 0470688955.

KIEFER, Flavio. Arquitetura de Museus. Revista ARQTEXTO, Porto Alegre, v. 1, n.2, p. 12-25, 2001. ISSN: 1518-238X. Disponível em: https://www.ufrgs.br/propar/publicacoes/ARQtextos/PDFs_revista_1/1_Kiefer.pdf. Acesso em:22 abr. 2018.

LUPO, B. M. O museu como espaço de interação: arquitetura, museografia e museologia. Revista CPC, São Paulo, v. 14, n. 27, p. 217-243, 29 jul. 2019. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/156220. Acesso em: Acesso em: 13 abril 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v14i27p217-243

LUPO, Bianca. Museus como fenômeno de massas: arte, arquitetura e cidade. In: SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA CIDADE E DO URBANISMO: VISÕES E REVISÕES DO SÉCULO XX. 14., 2016, São Carlos. Anais [...]. São Carlos: USP, 2016. p. 533-539. Disponível em: https://www.iau.usp.br/shcu2016/anais/wp-content/uploads/pdfs/62.pdf. Acesso em: 13 abril 2020.

MONTANER, Josep Maria. Museos para el nuevo siglo. Barcelona: Gustavo Gili, 1995.

NERO, Irene. Computers, Cladding, and Curves: The Techno-Morphism of Frank Gehry's Guggenheim Museum in Bilbao Spain. 2004. Tese (Doutorado em Filosofia) - Escola de Artes Visuais e Dança, Universidade do Estado da Flórida, Tallahasse, 2004.

RAMÍREZ-MONTAGUT, Mónica. ¿ Por qué Frampton retoma la teoría de Semper? DC Papers. Revista de crítica y teoría de la arquitectura, Barcelona, n. 1, p. 105-111, 1998. ISSN-e: 1887-2360.

RHEINGANTZ, Paulo Afonso et al. Arena do Morro e Museu do Amanhã: dois lugares em ação. URBE. Rev. Bras. De Gestão Urbana, Curitiba, v. 9, n. 3, p. 387-400, dez. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.003.ao02. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.009.003.ao02

ROSENFIELD, Karissa. Santiago’s Calatrava Museum of Tomorrow opens in Rio de Janeiro. 17 dez. 2015. Archdaily [online]. ISSN: 0719-8884. Disponível em: https://www.archdaily.com/778998/santiago-calatravas--museum-of-tomorrow-opens-in-rio-de-janeiro#_=_. Acesso em: 09 out. 2019.

SANCHEZ, Fernanda. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. 2. ed. Chapecó: Argos, 2003.

SANTA CECÍLIA, Bruno Luiz Coutinho. Tectônica moderna e construção nacional. MDC – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte/Brasília, n.1, p.6-9, 2005.

SASSEN, Saskia. The Global City: New York, London, Tokyo. Princeton: Princeton University Press, 2001. E-book. ISBN: 9781400847488. DOI: https://doi.org/10.1515/9781400847488

SEKLER, Eduard. Structure, Construction, Tectonics. In: GYORGY, Kepes (Org.) Structure in Art and in Science. Londres: Studio Vista, p. 89-95, 1965.

SHEPPARD, Adrian. The Return of Expressionism and the architecture of Luigi Moretti. Montreal: McGill University Online, 2016. Disponível em: https://www.mcgill.ca/architecture/files/architecture/ExpressionismMoretti.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

VENTURI, Robert; BROWN Denise Scott; IZENOUR, Steven. Aprendendo com Las Vegas: o simbolismo (esquecido) da forma arquitetônica. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Downloads

Publicado

2020-07-14

Como Citar

BRAGA, D. U.; CASTRO, M. L. A. C. de .; REZENDE, M. A. P. de; MELLO, J. L. van H. Museu do Amanhã e articulações da expressão tectônica e condição cenográfica . PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 11, p. e020012, 2020. DOI: 10.20396/parc.v11i0.8655866. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8655866. Acesso em: 24 set. 2022.