Influência de paredes verdes no desempenho térmico de habitações sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/parc.v11i0.8658167

Palavras-chave:

Paredes Verdes, Simulação computacional, Calor e umidade, Desempenho térmico, EnergyPlus

Resumo

A utilização da vegetação como elemento de fachada ainda compreende uma prática bastante incipiente, mas tem se popularizado devido à promessa de melhoria no desempenho térmico das edificações, além de representar uma alternativa de ampliação da biodiversidade no ambiente urbano. Neste trabalho investiga-se a influência das paredes verdes, no contexto climático brasileiro, sobre o desempenho térmico de edifícios habitacionais de interesse social. Como metodologia, utiliza-se a simulação do comportamento termoenergético de um edifício habitacional multifamiliar, por meio d­o programa EnergyPlus, incluindo-se o modelo HAMT que leva em conta o processo de transferência de umidade através da envoltória, para três zonas bioclimáticas previstas na norma NBR 15.220-2005, clima extremo para inverno (ZB1), clima extremo de verão (ZB8) e para um clima considerado como intermediário (ZB3). Os resultados obtidos demonstram uma diferença na temperatura interna dos ambientes, decorrente dos dois arranjos de fachada analisados: com e sem vegetação. O uso da parede verde proporcionou uma redução na temperatura interna de até 2,8 °C no verão e um aumento de até 1,4 °C no inverno. Observa-se que a vegetação na fachada ajudou a manter a temperatura interna mais baixa durante o dia e amena durante a noite. Logo, as paredes verdes podem representar uma solução sustentável e de baixo custo a ser implantada às edificações, visando melhorar seu desempenho térmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Resende de Sousa, Universidade Federal de Ouro Preto

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Ouro Preto. Mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto,

Henor Artur de Souza, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina.  Professor Titular Sênior na Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Minas.

Adriano Pinto Gomes, Instituto Federal de Minas Gerais

Doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto. Professor do Instituto Federal Minas Gerais.

Referências

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.220: Desempenho térmico de edificações – 5 Partes. Rio de Janeiro, 2005. 92 p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.575: Edifícios habitacionais – Desempenho. Rio de Janeiro, 2013. 381 p.

BARBOSA, M. C.; FONTES, M. S. G. de C. Jardins verticais: modelos e técnicas. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 114-124, jun. 2016. ISSN 1980-6809. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ parc/article/view/8646304. Acesso em: 02 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v7i2.8646304.

BESIR, A. B.; CUCE, E. Green roofs and green facades: a comprehensive review. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 82, p. 915-939, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rser. 2017.09.106.

BRASIL. Lei 11.977, de 07 de julho de 2009. Dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida. Diário Oficial da União, Brasília- DF.

BRÍGITTE, G. T. N. Integração de Desempenho na Avaliação de Projeto: modelo de informação e simulação computacional na etapa de concepção. Campinas, 2013. 225 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

CAETANO, F. D. N. Influência dos muros vivos sobre o desempenho térmico de edifícios. 2014. 117 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura, Tecnologia e Cidade) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, UNICAMP, Campinas, 2014.

CANTUÁRIA, G. A. C. Microclimatic impact of vegetation on building surfaces. Dissertation (Master’s Degree) – Environment and Energy Studies Programme. A. A. School of Architecture, London, 1995.

COSTA, C. S. Jardins verticais – uma oportunidade para nossas cidades? Vitruvius, Jun. 2011. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.133/3941. Acesso em: 4 mai. 2019.

CUCE, E. Thermal regulation impact of green walls: an experimental and numerical investigation. Applied Energy, v. 194, p. 247–254, 2016.

DAHANAYAKE, K. C.; CHOW, C. L. Comparing reduction of building cooling load through green roofs and green walls by EnergyPlus simulations. Building Simulation, v. 11, n. 3, p. 421-434, 2018.

DOE – U.S. DEPARTMENT OF ENERGY. EnergyPlus Version 9.0.1. Documentation: Engineering Reference. 2019.

EUMORFOPOLOU, E. A.; KONTOLEON, K. J. Experimental approach to the contribution of plant-covered walls to the thermal behaviour of building envelopes. Building and Environment, v. 44, n. 5, p. 1024-1038, 2009. DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv. 2008.07.004.

GARRIDO, L. de. Sustainable architecture green in green. Edição Bilingual. Barcelona: Monsa, 2012.

HUNTER, A. M.; WILLIAMS, S. G. N.; RAYNER, J. P.; AYE, L.; HES, D.; LIVESLEY, S. J. Quantifying the thermal performance of green façades: a critical review. Ecological Engeneering, v. 63, p. 102-113, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.ecoleng.2013.12.021.

KÖHLER, M. Green Façades: a view back and some visions. Urban Ecosystems, London, v. 11, n. 4, p. 423-236. Spring Science + Business Media: 2008. ISSN 1573-1642. DOI: https://doi.org/10.1007/s11252-008-0063-x.

KONTOLEON, K. J.; EUMORFOPOULOU, E. A. The effect of the orientation and proportion of a plant- covered wall layer on the thermal performance of a building zone. Building and Environment, Elsevier, vol. 45, p. 1287-1303, 2010.

KOYAMA, T.; YOSHINAGA, M.; HAYASHI, H.; MAEDA, K.; YAMAUCHI, A. Identification of key plant traits contributing to the cooling effects of green façades using freestanding walls. Building and Environment, v. 66, p. 96-103, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2013.04.020.

MANSO, M.; CASTRO-GOMES, J. Green wall systems: A review of their characteristics. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 41, p. 863-871, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rser.2014.07.203.

MATHEUS, C.; CAETANO, F. D. N.; MORELLI, D. D. de O.; LABAKI, L. C. Desempenho térmico de envoltórias vegetadas em edificações no sudeste brasileiro. Ambiente Construído, Porto Alegre, RS, v. 16, n. 1, p. 71-81, jan./mar. 2016. ISSN 1678-8621 Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído.

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s167886212016000100061.

MONTANARI, K. B.; LABAKI, L. C. Comportamento térmico de ambientes internos sob a influência de envoltórias verdes. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 8, n. 3, p. 181-193, set. 2017. ISSN 1980-6809. Disponível em: https://periodicos.sbu. unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8650241/17579. Acesso em: 07 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v8i3.8650241.

MORELLI, D. D. de O. Desempenho de paredes verdes como estratégia bioclimática. 2016. 161 f. Tese (Doutorado em Arquitetura, Tecnologia e Cidade) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, UNICAMP, Campinas, SP, 2016.

MORELLI, D. D. de O.; LABAKI, L. C. Paredes verdes: estudo experimental sobre seus efeitos no espaço construído. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO E ENCONTRO LATINO AMERICANO DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2013, Brasília. Anais [...]. Brasília: ENCAC/ELACAC, 2013. p. 1098-1107.

MUÑOZ, L. S.; CRUCIOL BARBOSA, M.; FONTES, M. S. G. de C; FARIA, J. R. G. Desempenho térmico de jardins verticais de tipologia fachada verde. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 10, p. e019013, mar. 2019. ISSN 1980-6809. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/86 52775. Acesso em: 27 mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8652775.

OTTELÉ, M. et al. Comparative life cycle analysis for green façades and living wall systems. Energy and Buildings, v. 43, n. 12, p. 3419-3429, dez. 2011.

OTELLÉ, M.; PERINI, K. Comparative experimental approach to investigate the thermal behavior of vertical greened façades of buildings. Ecological Engineering, v. 108, p. 152-161, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rser.2014.07.055.

PÉREZ, G.; COMA, J.; SOL, S.; CABEZA, L. F. Green Facade for energy savings in buildings: the influence of leaf area index and façade orientation on the shadow effect. Applied Energy, v. 187, p. 424-437, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.apenergy.2016.11.055.

PÉREZ, G.; RINCÓN, L.; VILA, A.; GONZÁLEZ, J. M.; CABEZA, L. F. Behaviour of green facades in Mediterranean Continental climate. Energy Conservation and Management, v. 52, n. 4, p. 1861-1867, 2011.

DOI: https://doi.org/10.1016/j.enconman.2010.11.008.

PERINI, K.; OTTELÉ, M.; FRAAIJ, A. L. A.; HAAS, E. M.; RAITERI, R. Vertical greening systems and the effect on air flow and temperature on the building envelope. Building and Environment, v. 46, p. 2287-2294, 2011.

DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2011.05.009.

PERINI, K.; OTTELÉ, M.; HAAS, E. M.; RAITERI, R. Vertical greening systems, a process tree for green façades and living walls. Urban Ecosystems, v. 16, n. 2, p. 265-277, 2013. DOI: https://doi.org/10.1007/s11252-012-0262-3.

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 55.994, de 10 de março de 2015. Introduz alterações no artigo 4º do Decreto nº 53.889, de 08 de maio de 2013, que regulamenta o termo de compromisso ambiental -TCA. Diário Oficial, São Paulo, SP, 11 de mar. de 2015.

SCHERER, M. J. Cortinas Verdes na arquitetura: desempenho no controle solar e na eficiência energética de edificações. 2014. 187 f. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2014.

SCHERER, M. J.; ALVES; T. S.; REDIN, J. Envoltórias vegetadas aplicadas nas edificações: benefícios e técnicas. Revista de Arquitetura IMED, Passo Fundo, vol. 7, n. 1, p. 84-101, Jan.-Jun., 2018 - ISSN 2318-110.

DOI: https://doi.org/10.18256/2318-1109.2018.v7i1.2693.

SUSOROVA, I. Green facades and living walls: vertical vegetation as a construction material to reduce building cooling loads. In: PACHECO-TORGAL, F; LABRINHA, J. A.; CABEZA, L. F.; GRANQVIST, C.-G. (Org.). Eco-efficient materials for mitigating building cooling needs. Chicago: Elsevier, 2015. p.127-153.

DOI: http://dx.doi.org/10.1016/B978-1-78242380-5.00005-4.

VALESAN, M. Percepção ambiental de moradores de edificações com pele-verde em Porto Alegre. 2009. 180 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Engenharia, Porto Alegre, RS, 2009.

VALESAN, M.; FREDRIZZI, B.; SATTLER, M. A. Vantagens e desvantagens da utilização de peles-verdes em edificações residenciais em Porto Alegre segundo seus moradores. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 10, n. 3, p. 55-76, jul./set. 2010. ISSN 1678-8621.

WONG, I.; BALDWIN, A. N. Investigating the potential of applying vertical green walls to high-rise residential buildings for energy-saving in sub-tropical region. Building and Environment, v. 97, p. 34-39, 2016.

DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.buildenv.2015.11.028.

WONG, N. H.; TAN, A. Y. K.; CHEN, Y.; SEKAR, K.; TAN, P. Y.; CHAN, D.; CHIANG, K.; WONG, N. C. Thermal evaluation of vertical greenery systems for building walls. Building and Environment, v. 45, n. 3, p. 663-672, 2010.

DOI: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2009.08.005.

WUFI. Release of WUFI 6.3.2. Disponível em: https://wufi.de/en/2019/04/16/release-wufi-pro-6-32/. Acesso em: 06 de ago. 2019.

YANG, F.; YUAN, F.; QIAN, F.; ZHUANG, Z.; YAO, J. Summertime thermal and energy performance of a double-skin green façade: a case study in Shanghai. Sustainable Cities and Society, v. 39, p. 43–51, 2018.

DOI: https://doi.org/10.1016/j.scs.2018.01.049.

YOSHIMI, J.; ALTAN, H. Thermal simulations on the effects of vegetated walls on indoor building enviroments. Proceedings of Building Simulation 2011: 12th Conference of International Building Performance Simulation Association, Sydney, 14-16 November.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

SOUSA, L. R. de; SOUZA, H. A. de .; GOMES, A. P. Influência de paredes verdes no desempenho térmico de habitações sociais. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 11, p. e020029, 2020. DOI: 10.20396/parc.v11i0.8658167. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8658167. Acesso em: 24 set. 2022.