Banner Portal
Análise do método de avaliação térmica dos projetos de pré-escolas do programa Proinfância
PDF

Palavras-chave

Conforto térmico
Desempenho térmico
NBR 15.575
Simulação computacional
Programa Proinfância

Como Citar

SARTORI, G.; SILVA FILHO, L. C. P. da .; TORRES, M. C. A. Análise do método de avaliação térmica dos projetos de pré-escolas do programa Proinfância. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 12, n. 00, p. e021020, 2021. DOI: 10.20396/parc.v12i00.8661249. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8661249. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

O Programa Proinfância, criado para suprir o déficit de vagas em pré-escolas, apresenta projetos padrão para facilitar processos de licitações e sua implementação nos municípios brasileiros. O Manual de Orientações Técnicas do Programa exige que os projetos cumpram o nível Mínimo de desempenho térmico para inverno e o nível Intermediário para verão, de acordo com o método de simulação da NBR 15.575:2013. Entretanto, o Manual não correlaciona os níveis de desempenho térmico com temperaturas de conforto térmico adequadas ao desenvolvimento das atividades escolares. Dessa maneira, este trabalho analisa a adequação do método de avaliação térmica das pré-escolas proposto pelo Manual, correlacionando os níveis de desempenho térmico alcançados por um projeto padrão com temperaturas de conforto térmico nas 8 zonas bioclimáticas definidas pela NBR 15.220:2005. O desempenho térmico foi avaliado pelo método de simulação da NBR 15.575:2013, enquanto o conforto térmico foi analisado de acordo com o modelo adaptativo da ASHRAE Standard 55-2017. Adaptações ao método de simulação tiveram que ser feitas para a avaliação do desempenho térmico da pré-escola, já que a NBR 15.575 contempla somente edificações residenciais, deixando lacunas a serem preenchidas. Verificou-se que os parâmetros não definidos na Norma de Desempenho e no Manual do programa podem alterar a classificação de desempenho térmico do projeto. Além disso, temperaturas resultantes da avaliação de desempenho térmico extrapolam significantemente os níveis de conforto térmico, ainda que alcançando classificações aceitas pelo Manual do Proinfância. Este estudo ressalta a importância do desenvolvimento de normativa específica de conforto térmico para tipologias escolares.

https://doi.org/10.20396/parc.v12i00.8661249
PDF

Referências

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.220-2: Desempenho Térmico de Edificações – Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 2005a.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.220-3: Desempenho Térmico de Edificações – Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações de unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro: ABNT, 2005b.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.575-1: Edificações Habitacionais – Desempenho - parte 1: Requisitos Gerais. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

ASHRAE - AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR CONDITIONING ENGINEERS. ANSI/ASHRAE 55: Thermal environmental conditions for human occupancy. Atlanta, 2017.

BABICK, C. S.; TORRES, M. C. A. Análise do desempenho térmico, lumínico e de ventilação natural de projeto padrão de edifício escolar do FNDE de acordo com os requisitos de normas e referenciais nacionais e internacionais nas 8 zonas bioclimáticas brasileiras. Revista de Engenharia Civil IMED, Passo Fundo, 2017, v. 4, n. 2, p. 110-128. DOI: https://doi.org/10.18256/2358-6508.2017.v4i2.2283.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE), Ministério da Educação. Relatório Situação Creches por Tipologia. Planilha fornecida aos autores pela CODIN/FNDE em 01 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE), Ministério da Educação. Projetos Arquitetônicos para construção. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/proinfancia. Acesso em: 28/02/2018

BRASIL. Ministério da Educação. Memorial Descritivo. Projeto Proinfância Tipo 2. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE. Brasília, 2013. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/proinfancia/areas-para-gestores/manuais. Acesso em: 28/02/2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Manual de Orientações Técnicas. Volume 2. Elaboração de Projetos de Edificações Escolares: Educação Infantil. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/proinfancia/areas-para-gestores/manuais. Acesso em: 28/02/2018.

INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL. Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética para Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas (RTQ-C). Publicado através da portaria nº 372, de 17 de setembro de 2010. Com alterações das portarias: nº17 de 2012 e nº299 de 2013. Disponível em: http://pbeedifica.com.br/sites/default/files/projetos/etiquetagem/comercial/downloads/Port372-2010_RTQ_Def_Edificacoes-C_rev01.pdf. Acesso em: 20/02/2018.

KOWALTOWSKI, Doris C. C. K.; Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

MODLER, N.L.; BERLEZE, A.S.; TSUTSUMI, E.K.; LINCZUK, V.C.C.; AZEVEDO, G.A.N. Avaliação de desempenho de um padrão do programa Proinfância: escola de educação infantil no sul do Brasil. Gestão e Tecnologia de Projetos, São Carlos, 2018, v. 13, n. 2, p. 95-118. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/gtp.v13i2.126495.

ORDENES, M.; PEDRINI, A.; GHISI, E.; LAMBERTS, R. Metodologia utilizada na elaboração da biblioteca de materiais e componentes construtivos brasileiros para simulações no visualdoe-3.1. Laboratório de Eficiência Energética em Edificações, Núcleo de Pesquisa em Construção, Departamento de Engenharia Civil. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

PEGLOW, J.; RITTER, V.; RONCA, A.; PEREIRA, R.; CUNHA, E.; RHEINGANTZ, P. Avaliação do conforto térmico de escola municipal de educação infantil em Pelotas/RS – ZB2. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 16, 2016, São Paulo. Anais [...]. Porto Alegre: ANTAC, 2016.

RHEINGANTZ, P.; CUNHA, E. G.; PEGLOW, J. S.; RITTER, V.; QUINTANA L. C.; MACIEL T. S.; BELTRAME C.; DUARTE C. M.; SILVA A. C. B. Place, architecture, design and thermal comfort: a municipal day care childhood centre in colônia C3, Pelotas/RS, Brazil. Journal of Civil Engineering and Architecture. 2017. p. 364-379. DOI: http://10.17265/1934-7359/2017.04.006

SILVA, A. S.; SORGATO, M. J.; MAZZAFERRO, L.; MELO, A. P.; GHISI, E. Incerteza do método de simulação da NBR 15.575-1 para a avaliação do desempenho térmico de habitações. Ambiente Construído, Porto Alegre, 2014, v. 14, n. 4, p. 103-117. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-86212014000400008

SOARES, M. M.; SILVA, A. C. S. B. da. Análise e compatibilização dos métodos simplificado e por simulação da NBR 15.575: zona bioclimática 2. Ambiente Construído, Porto Alegre, 2017, v. 17, n. 1, p. 305-327. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1678-86212017000100137

SORGATO, M. J.; MELO, A. P.; MARINOSKI, D. L.; LAMBERTS, R. Análise do procedimento de simulação da NBR 15.575 para avaliação do desempenho térmico de edificações residenciais. Ambiente Construído, Porto Alegre, 2014, v. 14, n. 4, p. 83-101. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-86212014000400007

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção

Downloads

Não há dados estatísticos.