Banner Portal
Espaços criativos para a humanização da internação pediátrica
Neste volume apresentamos na capa a Residência para professores em Gando, Burkina Faso. Projetada por Francis Kéré. Imagem do Wikimedia Commons
PDF

Palavras-chave

Arquitetura hospitalar
Humanização
Espaços criativos
Pediatria

Como Citar

SEBBEN, Victória Andreis; TAROUCO, Fabrício Farias; COPETTI, Carmen Lúcia Pinto; TONETTO, Leandro Miletto. Espaços criativos para a humanização da internação pediátrica. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 14, n. 00, p. e023014, 2023. DOI: 10.20396/parc.v14i00.8669295. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8669295. Acesso em: 21 jul. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Os espaços de saúde, atualmente, são projetados a partir da consideração dos fatores humanos, já que o ambiente tende a impactar o tratamento dos pacientes, acelerando sua recuperação e reduzindo seu tempo de internação. No caso da pediatria, espaços criativos como brinquedotecas podem ser considerados elementos de humanização dos hospitais com potencial para beneficiar o tratamento. No entanto, no Brasil, o conceito de humanização da arquitetura hospitalar é relativamente recente, abrindo oportunidades de pesquisa na área, inclusive para auxiliar a guiar investimentos no Sistema Público de Saúde (SUS). Nessa direção, o presente estudo teve como objetivo compreender como projetar ambientes criativos humanizados em internação pediátrica. Utilizou-se como método uma revisão sistemática da literatura internacional publicada em periódicos revisados por pares, seguida por uma pesquisa exploratória com experts (grupo focal). Os resultados permitiram delinear oito diretrizes de projeto para os espaços criativos hospitalares humanizados em unidades de internação pediátrica. Elas descrevem necessidades relacionadas à ambiência lúdica e natural, acomodações confortáveis, espaços para brincar com brinquedos de animais, dinamismo e adaptabilidade a terapias alternativas, uso de equipamentos de informática, espaços que possibilitem contato interpessoal, leiaute que propicie bem-estar, segurança e conforto ambiental. Por fim, apresentou-se as diretrizes a arquitetos profissionais, que realizaram um exercício projetual conceitual para sua aplicação. Os resultados indicaram a adequação das diretrizes para aplicação em projetos de ambientes criativos para humanização em internação pediátrica.

https://doi.org/10.20396/parc.v14i00.8669295
PDF

Referências

ALMEIDA F. A. O brinquedo na pesquisa em enfermagem pediátrica. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras, v. 12, n. 1, p. 5-6, 2012. DOI: 10.31508/1676-3793201200001.

ALVES, A. L.; SANTOS, L. C. A.; TOLEDO, C.; COUTINHO, A. A.; BAESSO, M. M.; NEVES, K. C.; FASSARELLA, B. P. A.; RIBEIRO, W. A.; AMARAL, F. S. Toy library and recreational activities: a care tool in child hospitalization. Research, Society and Development, v. 11, n. 5, p. e52011528015, 2022. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v11i5.28015.

AMORIM, K. P.; ROCHA, A. K. C.; SILVA, I. C. S.; MELO, L. M. B.; ARAÚLO, M. A. A. MediArte com Amor e Humor: uma Experiência a partir do Olhar dos Participantes. Revista Brasileira de Educação Médica, v.3 9, n. 2, p.2 94-301, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e01132014.

ANGELI, A. A. C.; LUVIZARO, N. A.; GALHEIGO, S. M. O Cotidiano, o lúdico e as redes relacionais: a artesania do cuidar em terapia ocupacional no hospital. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 6, n. 40, p. 261-271, mar. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000016.

BARROS L. Psicologia pediátrica: perspetiva desenvolvimentista. 2. ed. Lisboa: Climepsi, 2003. 220 p.

BATAGLION, G. A.; MARINHO, A. Familiares de crianças com deficiência: percepções sobre atividades lúdicas na reabilitação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 10, p. 3101-3110, out. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152110.19232016.

BATES, V. Humanizing healthcare environments: architecture, art and design in modern hospitals. Design for Health, v. 2, n. 1, p. 5-19, fev. 2018. DOI: https://doi.org/10.1080/24735132.2018.1436304.

BERTINI. M.; ISOLA, E.; PAOLONE, G.; CURCIO, G. Clowns benefit children hospitalized for respiratory pathologies. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2011, 879125, 2011. DOI: https://doi.org/10.1093/ecam/neq064.

BITTENCOURT, C.; CÂNDIDO, B. Introdução à ventilação natural. Maceió: EDUFAL, 2005. 163 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Secretaria de Atenção à Saúde. Ambiência. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010. (Série B. Textos Básicos da Saúde). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ambiencia_2ed.pdf. Acesso em: 20 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução - RDC Nº 50 de 2002, de 21 de fevereiro de 2002: Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasilia, DF: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2002/rdc0050_21_02_2002.html. Acesso em 20 fev. 2023.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 11.104 de 21 de março de 2005: Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11104.htm. Acesso em: 20 fev. 2023.

BRAUN, V.; CLARKE, V. Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, v. 3, n. 2, p. 77-101, July 2006. DOI: 10.1191/1478088706qp063oa.

BRITO, L. S.; PERINOTTO, A. R. C. O brincar como promoção à saúde: a importância da brinquedoteca hospitalar no processo de recuperação de crianças hospitalizadas. Revista Hospitalidade, v. 11, n. 2., p. 291-315, dez. 2014.

CAPATAN, S.; OLIVEIRA, W. F.; ROTTA, T. Palhaçoterapia em ambiente hospitalar: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 9, p. 3417-3429, jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.22832017.

CARVALHO, A. P. A. Introdução à arquitetura hospitalar. Quarteto: Salvador, 2014. 172 p.

COLINET, S. Usage des technologies de l’information et de la communication et humanisation pour des élèves en soins-études. Éducation et socialisation, v.38, juin 2015. DOI: https://doi.org/10.4000/edso.1343.

COSTA FERNANDES, S. C, ARRIAGA, P. The effects of clown intervention on worries and emotional responses in children undergoing surgery. Journal of Health Psychology, v. 15, n. 3, p. 405-415, Apr. 2010. DOI: https://doi.org/10.1177/1359105309350231.

COSTA, R. G. R. Apontamentos para a arquitetura hospitalar no Brasil: entre o tradicional e o moderno. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, v. 18, supl. 1, p. 53-66, dez. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702011000500004.

CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca Um Mergulho do Brincar. 4. ed. Aquariana: São Paulo, 2007. 128 p.

DIONIGI, A.; SANGIORGI, D.; FLANGINI, R. Clown intervention to reduce preoperative anxiety in children and parents: A randomized controlled trial. Journal of Health Psychology, v. 19, n. 3: p. 369-380, Mar. 2014. DOI: https://doi.org/10.1177/1359105312471567.

DUARTE, L. S.; NASCIMENTO, M. C.; ROCHA, E. L. S.; SILVA, G. E. R.; ALENCAR JÚNIOR, P. H. S.; SILVA, R. M.; ANDRADE, Y. B.; SANTIAGO, Roberta Fortes. Processo de implementação da humanização na assistência hospitalar. Revista de Casos e Consultoria, v. 12, n. 1, p. e25516, ago. 2021. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/casoseconsultoria/article/view/25516/14647. Acesso em: 20 mar. 2023.

ESTEVES, C. H.; ANTUNES, C.; CAIRES, S. Humanização em contexto pediátrico: o papel dos palhaços na melhoria do ambiente vivido pela criança hospitalizada. Interface, v. 18, n. 51, p. 697-708, set. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0536.

ESTEVES, M. G. Metodologia de projeto para elaboração de Plano Diretor. In: ENCONTRO PRÓ-SAÚDE, 4., Londrina, 2007. Apostila de palestra […]. Londrina: Pró-saúde, 2007.

FORTUNA, T. R. Faz de conta na escola: a importância do brincar. Pátio Educação Infantil, v. 3, n. 1, p.6-9, 2004.

GAMINIESFAHANJ, H.; LOZANOVSKA, M.; TUCKER R. A scoping review of the impact on children of the built environment design characteristics of healing spaces. HERD: Health Environments Research & Design Journal, v. 13, n. 4, p. 98-114, Oct. 2020. DOI: https://doi.org/10.1177/1937586720903845.

GOLAN, G.; TIGHE, P.; DOBIJA, N.; PEREL, A.; KEIDAN, I. Clowns for the prevention of preoperative anxiety in children: a randomized controlled trial. Paediatric Anesthesia, v. 19, n. 3, p. 262- 266, Mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1460-9592.2008.02903.x.

GOMES, I. L. V. A criança hospitalizada, seus direitos e as relações interpessoais no cuidado e tratamento: caminhos e descaminhos. 2007. 216 f. Tese (Doutorado em Ciências Coletiva) - Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/4685. Acesso em: 20 fev. 2023.

GOMES, I. L. V.; QUEIROZ, M. V.O.; BEZERRA, L. L. A.; SOUZA, N. P. G. A Hospitalização no olhar de crianças e adolescentes: sentimentos e experiências vividas. Cogitare Enfermagem, v. 17, n. 4, p. 703-709, dez. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v17i4.30378.

JURDI, A. P. S.; AMIRALIAN, M. L. T. M. Ética do cuidado: a brinquedoteca como espaço de atenção a crianças em situação de vulnerabilidade. Interface, v. 17, n. 45, p. 275-285, jun. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013005000009.

KARLSSON, K.; GALVIN, K.; DARCY, L. Medical procedures in children using a conceptual framework that keeps a focus on human dimensions of care – a discussion paper. International Journal of Qualitative Studies on Health and Well-being, v. 14, n. 1, p. 1675354, Oct. 2019. DOI: https://doi.org/10.1080/17482631.2019.1675354.

KINGSNORTH, S.; BLAIN, S.; MCKEEVER, P. Physiological and Emotional Responses of Disabled Children to Therapeutic Clowns: A Pilot Study. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2011, p. 732394, Mar. 2011. DOI: https://doi.org/10.1093/ecam/neq008.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética na Arquitetura. São Paulo: PW, 1977. 192 p.

LEITNER, A. D.; PINA, S. M. Arquitetura sob a ótica da humanização em ambientes de quimioterapia pediátrica. Ambiente Construído, v. 20, n. 3, p. 179-198, jul 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s1678-86212020000300424.

LIMA, F. E. T.; JORGE, M. S. B.; MOREIRA, T. M. M. Humanização hospitalar: satisfação dos profissionais de um hospital pediátrico. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n. 3, p. 291-296, maio-jun. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000300008.

LINTON, P. E. Healing environments: creating a total healing environment. Journal of Health Design, v. 5, p. 167-174, 1993.

MACEDO, L.; SILVA, G. F.; SETÚBAL, S. Pediatric hospital: the paradigms of play in Brazil. Children, v. 2, n. 1, p.66-77, Jan. 2015. DOI: https://doi.org/10.3390/children2010066.

MANDATO, C.; SIANO, M. A.; DE ANSERIS, A. G. E.; TRIPODI, M.; MASSA, G.; DE ROSA, R.; BUFFOLI, M.; LAMANNA, A.; SIANI, P.; VAJRO, P. Humanization of care in pediatric wards: differences between perceptions of users and staff according to department type. Italian Journal of Pediatrics, v. 45, n. 65, p. 1-8, 2020. DOI: https://doi.org/10.1186/s13052-020-00824-5.

MESSINA, M.; MOLINARO, F.; MEUCCI, D.; ANGOTTI, R.; GIUNTINI, L.; CERCHIA, E.; BULOTTA, BRANDIGI, E. Preoperative distraction in children: hand-held videogames vs clown therapy. La Pediatria Medica e Chirurgica, v. 36, n. 5-6, p. 204-20698, Dec. 2014. DOI: https://doi.org/10.4081/pmc.2014.98.

MOREIRA, M. C. N.; MACEDO, A. D. O protagonismo da criança no cenário hospitalar: um ensaio sobre estratégias de sociabilidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 2, p. 645-652, Apr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200033.

NASAB, S. N.; AZERI, A. R. K.; MIRBAZEL, S. Ideal physical features of environmental design in children’s hospital: using children’s perspectives. Facilities, v. 38, n. 5/6, p. 445-466, May 2019. DOI: https://doi.org/10.1108/F-03-2019-0032.

OLIVEIRA, J. S. Humanização em Saúde: arquitetura em enfermarias pediátricas. 2012. 197 f. Dissertação (Mestre em Ambiente Construído) - Faculdade de Engenharia, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/1581. Acesso em: 15 jan. 2023.

PRZESMYCKA, N.; STROJNY, R. Architectural solutions of contemporary pediatric hospitals - a study of selected projects. Builder, v. 284, n. 3, p. 88-91, Mar.-Dec. 2021. DOI: 10.5604/01.3001.0014.7444.

RIBEIRO, J. P.; GOMES, G. C.; THOFEHRN, M. B. Ambiência como estratégia de humanização da assistência na unidade de pediatria: revisão sistemática. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, n. 3, p. 530-539, jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000300020.

ROSA, V. M.; BRUST-RENCK, P. G.; TONETTO, L. M. Designing hospital environments to improve the psychological wellbeing of pediatric patients. Children Youth and Environments, v. 31, n. 3, p. 98-115, Jan. 2021. DOI: 10.7721/chilyoutenvi.31.3.0098.

ROSA, V. M.; DAUDT, F.; TONETTO, L. M.; BRUST-RENCK. G.; REED, J. P.; FLOGIATTO, F. S. Playful interventions to promote the subjective wellbeing of pediatric cancer inpatients during laboratory and imaging exams: a qualitative study. European Journal of Oncology Nursing, v. 56, p. 102094, Feb. 2022. DOI: 10.1016/j.ejon.2022.102094.

ROTH, M. C. Oficina de Música com Pacientes Renais Hospitalizados: uma proposta de trabalho para o psicólogo hospitalar. 2009. 208 f. Tese (Doutora em Psicologia Clínica) - Programa de Estudos Pós-graduados em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2009. Disponível em: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/15891. Acesso em: 25 jan. 2023.

SALVATI, C. O; GOMES, C. A.; HAEFFNER, L. S. B.; MARCHIORI, M. R. C. T.; BACKES, D. S. Humanization of the hospital: participatory construction of knowledge and practices on care and ambience. Revista da Escola de enfermagem da USP, v. 55, p. e20200058, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-220X-REEUSP-2020-0058.

SEBBEN, V. A. Humanização da arquitetura hospitalar: diretrizes projetuais para espaços criativos de internação pediátrica. 2020. 130 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade do Vale do Rio Sinos. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/9467. Acesso em: 20 jun. 2023.

SILVA, F. C.; BRUM, C. M. Arquitetura para cuidar: uma abordagem sobre espaço, cuidado terapêutico e cidadania. Pixo: Revista de Arquitetura, Cidade e Contemporaneidade, v. 6, n. 22: CIDADANIA & TERRITÓRIO I (inverno), p. 457-471, out. 2022. DOI: https://doi.org/10.15210/pixo.v6i22.2588.

SVALDI, J. S. D., SIQUEIRA, H. C. H. Ambiente hospitalar saudável e sustentável na perspectiva ecossistêmica: contribuições da enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 14, n. 3, p. 599-604, set. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000300023.

TEIXEIRA, S. R. O.; KISHIMOTO, T. M. Brinquedoteca hospitalar na cidade de São Paulo: humanização e assistência à saúde. Revista de Estudos em Educação e Diversidade - REED, v. 2, n. 3, p. 263-286, jan.-mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.22481/reed.v2i3.8074.

TOLEDO, L. C. Feitos para cuidar: a arquitetura como um gesto médico e a humanização do edifício hospitalar. 2008. 238 f. Tese (Doutor em Ciências da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://objdig.ufrj.br/21/teses/707407.pdf. Acesso em: 20 jan. 2023.

TONETTO, L. M.; Playful strategies to foster the well-being of pediatric cancer patients in the Brazilian Unified Health System: a design thinking approach. BMC Health Services Research, v. 21, p. 2-11, Sept. 2021. DOI: https://doi.org/10.1186/s12913-021-07018-7.

ULRICH, R. S. Human responses to vegetation and landscapes. Landscape and Urban Planning, v. 13, p. 29-44, 1986. DOI: https://doi.org/10.1016/0169-2046(86)90005-8.

VAGNOLI, L.; CAPRILLI, S.; MESSERI, A. Parental presence, clowns or sedative premedication to treat preoperative anxiety in children: what could be the most promising option? Paediatric Anaesthesia, v. 20, n. 10, p. 937-943, Oct. 2010. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1460-9592.2010.03403.x.

VAGNOLI, L.; CAPRILLI, S.; ROBIGLIO, A.; MESSERI, A. Clown doctors as a treatment for preoperative anxiety in children: a randomized, prospective study. Pediatrics, v. 116, n. 4, p. 563-567, Oct. 2005. DOI: https://doi.org/10.1542/peds.2005-0466.

VAITSMAN, J.; ANDRADE, G. R. B. Satisfação e responsividade: formas de medir a qualidade e a humanização da assistência à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 3, p. 599-613, set. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300017.

VALOTA, J. H.; HABERLAND, D. F. O ambiente e humanização: contribições da arquitetura hospitalar na humanização setor de pediatria. Brazilian Journal of Health Review, v. 5, n. 1, p. 474-494, jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-040.

VASCONCELOS, R. T. B. Humanização de ambientes hospitalares: características arquitetônicas responsáveis pela integração interior / exterior. 2004. 177 f. Dissertação (Mestre em Arquitetura e Urbanismo) - Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/87649/226212.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20 jan. 2023.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção

Downloads

Não há dados estatísticos.