Recontextualização do currículo integrado na formação médica

  • Marcia Regina Selpa Heinzle Universidade Regional de Blumenau
  • Maria Helena Salgado Bagnato Universidade Estadual de Campinas

Resumo

Este artigo analisa as propostas de currículo integrado de duas escolas médicas de Santa Catarina com o propósito de compreender o processo de recontextualização do currículo integrado mediante a teoria do Dispositivo pedagógico de Basil Bernstein, mais precisamente os conceitos de recontextualiza- ção. A partir de questões norteadoras que envolveram a pesquisa, foi possível identificar as ambivalências das motivações e as influências das políticas no campo da recontextualização oficial, assim como os sentidos da integração curricular no campo pedagógico. Constatou-se que tais concepções, influências e motivações são recontextualizadas e reinterpretadas nos diferentes contextos em função da história de vida pessoal e profissional de cada ator social e das complexas conexões com a coletividade, a cultura e as relações de poder.

Palavras-chave: Currículo integrado. Formação médica. Recontextualização


Abstract

This article analyzes the integrated-curriculum proposals of two medical schools located in the state of Santa Catarina, Brazil, in order to understand the re-contextualization process they underwent as understood by Basil Bernstein in his theory of the Pedagogic Device. The results show the ambivalences of motivations and the influence of policies in the official field, as well as the meanings of curriculum integration in the educational field. The article shows that such influences and motivations are re-contextualized and re-interpreted in different contexts accordingly to the personal and professional history of each social actor and the complex connections they establish with the collectivity, the culture and the power relations.

Keywords: integrated curriculum, medical education, recontextualization

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Regina Selpa Heinzle, Universidade Regional de Blumenau
Graduação em Pedagogia-UNIPLAC(1988); - Especialização em Dificuldades de Aprendizagem -UNIPLAC (1992); - Especialização em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde - ENSP FIOCRUZ Núcleo São Paulo (2006); - Mestrado em Educação- FURB (2002). - Doutorado em Educação- UNICAMP (2012). - Atividades atuais: Professora e Pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Educação no qual integra a Linha de Pesquisa: Processos de ensinar e aprender e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Superior GEPES -FURB. Professora Colaboradora do Mestrado em Saúde Coletiva. Ênfase nos seguintes temas: Educação Superior; Currículo; Avaliação; Metodologias; Profissionalização docente; Educação em Saúde. Coordenadora local Parfor.
Maria Helena Salgado Bagnato, Universidade Estadual de Campinas
Possui Licenciatura e Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Federal de São Carlos (1980), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1987), Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1994), Pós-doutorado em Educação na Universidade de Barcelona (2004) e Livre Docência pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Bernstein, B. B. (1981). Codes, modalities and the process of cultural reproduction: a model. Language and Society, 10, 327-363.

Bernstein, B. B. (1996). A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes.

Bernstein, B. B. (2003). A pedagogização do conhecimento: estudos sobre recontextualização. Cadernos de Pesquisa [on-line], 120, 75-110.

Bourdieu, P. (2000). As regras da arte. São Paulo: Cia. das Letras.

Cutolo, L. R. A. (2001). Estilo de pensamento em educação médica: um estudo do currículo do curso de graduação em medicina da UFSC. 227f. Tese de Doutorado em Educação, Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Feuerwerker, L. C. M. (2002). Mudanças na educação médica: os casos de Londrina e Marília. Tese de Doutorado em Prática de Saúde Pública, USP, São Paulo.

Gimeno Sacristán, J. (2007). A Educação que ainda é possível: ensaios sobre uma cultura para a educação. Porto Alegre: Artmed.

Goodson, I. F. (1995). Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes.

Lopes, A. C. (1999). Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: UERJ.

Lopes, A. C. (2008). Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: UERJ.

Lopes, A. C., & Macedo, E. (2011). Teorias de currículo. São Paulo: Cortez.

Mainardes, J., & Stremel, S. (2010, maio/agosto). A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Revista Teias, 11(22), 1-24.

Pacheco, J. A. (Org). (2000). Políticas de integração curricular. Porto, Portugal: Porto Editora Pereima, M. J. L., Coelho, E. B. S., & Da Ros, M. A. (Orgs.). (2005). Da proposta à ação: currículo integrado do curso de graduação em Medicina da UFSC. Florianópolis, SC: UFSC.

Perim, G. L. (2007). Avaliação da educação superior: uma realidade na educação mé dica. 363fs. Tese de Doutorado em Educação, Unicamp, Campinas, SP.

Torres Santomé, J. (1998). Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado.

Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Unochapecó. Universidade Comunitária Regional de Chapecó - Reitoria. (2005). Cen tro de Ciências da Saúde. Curso de graduação em medicina. Síntese do Projeto do curso de graduação em medicina com respectivo projeto político pedagógico, Chapecó.

Zabala, A. (2002). Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre: ArtMed.

Publicado
2015-12-17
Como Citar
Heinzle, M. R. S., & Bagnato, M. H. S. (2015). Recontextualização do currículo integrado na formação médica. Pro-Posições, 26(3), 225-238. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642380
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)