Vozes diluídas no plágio: a (des)construção autoral entre alunos de licenciaturas

Autores

  • Wagner Teixeira Dias Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
  • Zena Winona Eisenberg Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Autoria. Plágio. Formação de professores

Resumo

Tendo como foco os trabalhos de pesquisa realizados por alunos de licenciaturas como instrumento avaliativo, apresentam-se aqui implicações do plágio na diluição da autoria. Por meio de entrevistas semiestruturadas com 30 licenciandos e 09 professores de licenciaturas, aferiu-se como o plágio é compreendido e como a pesquisa tem sido gerenciada nos cursos de licenciatura. Constatou-se que a orientação e o ensino de pesquisa têm sido deficitários e que os licenciandos não são formados para pesquisar ou ensinar seus futuros alunos a investigar. Assim, tanto se aponta para a necessidade de uma reflexão que dê ênfase à sensibilização para questões éticas, de orientação e de sanção para os casos de reincidência no plágio, como também, e de forma propositiva, debate-se a importância da construção da autoria na escola. Apoiados na teoria bakhtiniana, acredita- -se no diálogo entre vozes polifônicas para promover autorias e construção de conhecimento.

Abstract

Focusing on research as an assessment tool with undergraduate students, we present implications of plagiarism in the dilution of authorship. Through semi-structured interviews with 30 students and 09 professors, we measure how plagiarism is understood and how the research process has been conducted. We found that guidance and teaching of research have been timid and that undergraduate students are not trained to do research or to teach how their future students how to investigate. Thus, we point to the need for a reflection that emphasizes not only awareness of ethical issues, guidance and sanction for cases of recurrent plagiarism, but also we propose a debate on the importance of the construction of authorship in school. Based on Bakhtinian theory, we believe in dialogue among polyphonic voices in promoting authorship and knowledge construction.

Keywords: authorship, plagiarism, teacher training

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zena Winona Eisenberg, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professora Assistente no Departamento de Educação da PUC-Rio. Possui graduação em Letras ? com Bacharelado e Licenciatura pela Universidade Estadual de Campinas (1990); Especialização em Educação Infantil pelo CCE/PUC-Rio (2008), mestrados em Psicologia pela City University of New York (2001) e pela New School for Social Research (atual The New School University 1995) e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento Humano - The City University of New York (2006). Pós-doutora no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação (ProPEd) da UERJ (2008). 

Referências

Amorim, M. (2004). O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas Ciências Humanas. São Paulo: Musa.

Bakhtin, M. (2010a). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2010b). Para uma Filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro e João Editores.

Bakhtin, M., & Volochinov, V. N. (1995). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Barbastefano, R. G & Souza, C. G. de. (2007, dezembro). Percepção do conceito de plágio acadêmico entre alunos de engenharia de produção e ações para sua redução. Revista produção Online. (ed. especial). ISSN 1676–1901. Recuperado em 27 de julho de 2011, de http://producaoonline.org.br/index.php/rpo/article/ view/52/52.

Barthes, R. (2004). A morte do autor. In O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes.

Ferreira, A. B. de H. (2001). Miniaurélio século XXI escolar: o minidicionário da língua portuguesa (4a ed. ver. ampl.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Foucault, M. (2002). O que é um autor. Lisboa: Passagens; Veja.

Foucault, M. (2009). A ordem do discurso (19a ed.). São Paulo: Loyola.

Kramer, S. (2007). Por entre as pedras/arma e sonho na escola (3a ed.). São Paulo: Ática.

Krokoscz, M. (2012). Autoria e plágio: um guia para estudantes, professores, pesquisadores e editores. São Paulo: Atlas.

Leite, E. L. (2009). Plágio e outros estudos em direito de autor. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Machado, J. P. (1967). Dicionário etimológico da língua portuguesa (2a ed.). Lisboa: Confluência.

Orlandi, E. P. (1996). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes.

Park, C. (2003 October). In other (People’s) words: plagiarism by university students— literature and lessons. In Assessment & Evaluation in Higher Education, 28(5), 471-488. Recuperado em 22 de dezembro de 2011, de http://www.lancs.ac.uk/ staff/gyaccp/caeh_28_5_02lores.pdf>.

Vasconcelos, S. M. R. (2012, setembro). O plágio na comunidade científica: questões culturais e linguísticas. Ciência e Cultura, 59(3). Recuperado em 20 de setembro, de <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009 7252007000300002&lng=en&nrm=iso>.

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

DIAS, W. T.; EISENBERG, Z. W. Vozes diluídas no plágio: a (des)construção autoral entre alunos de licenciaturas. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 26, n. 1, p. 179–197, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642425. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos