Banner Portal
Foucault e a crítica à institucionalização da Educação: implicações para as artes de governo
Remote

Palavras-chave

Educação. Instituição escolar. Foucault. Crítica. Artes de governo

Como Citar

CARVALHO, Alexandre Filordi. Foucault e a crítica à institucionalização da Educação: implicações para as artes de governo. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 103–120, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642455. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

O trabalho aborda a concepção de crítica em Foucault como estratégia de questionamento, de tensão, de ação e de transformação nos excessos de governo presentes no campo da Educação. A hipótese desenvolvida é a de que o sentido da crítica se atualiza para a Educação, à medida que se age na direção de transformar as suas relações institucionais. Para tanto, o artigo articula duas etapas analíticas. Primeiro, investiga os efeitos da governamentalização na instituição escolar em três níveis: a associação da escola com as artes de governo, o papel do professor na arte de governar e a função dos discursos oficiais na manutenção da instituição escolar sob os efeitos de governo. A seguir, dedica-se a analisar a própria dimensão da crítica e de suas consequências na Educação, por intermédio da arte de não ser governado, da insubmissão voluntária e da reflexão indócil, da atitude-limite e da atitude-experimental.

Abstract

This paper approaches the conception of criticism in Foucault as a strategy for questioning, tensioning, acting on and transforming the government excesses in the field of education. The hypothesis is that the meaning of the criticism regarding education is relevant as long as it aims toward transforming institutional relations. To this end, the present paper takes two analytical steps. First it investigates the effects of governmentalization in educational institutions concerning three levels: the association of the school with the arts of government, the role of the teacher in the art of government and the function of official discourses while keeping the school institution under the effects of government. Secondly, it analyzes criticism in its own right and its consequences to education. It discusses the art of not being governed, of the voluntary insubordination and of the unruly reflection, and finally of the limit and experimental attitudes.

Keywords Education, school institution, Foucault, criticism, arts of government

Remote

Referências

AQUINO, Julio Groppa; RIBEIRO, Cintya Regina. Processos de governamentalização e a atualidade educacional: novas modulações normativas. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 1-16, maio/ago. 2009.

BALL, Stephen. J. Foucault, Power and Education. Nova York; Londres: Routledge, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Foucault e a função-educador: sujeição e experiências de subjetividades ativas na formação humana. Ijuí: Unijuí, 2010.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Foucault e a potência normativa do saber no campo da educação. ETD Educação Temática Digital, Campinas, v. 14, n. 1, p. 1-20, jan./jun. 2012.

DELEUZE, Gilles. Pensée nomade. In: DELEUZE, Gilles. L’île déserte. Paris: Aux Éditions de Minuit, 2004. p. 351-362.

FOUCAULT, Michel. Cours du 14 janvier 1976. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits IV – 1980-1988. Paris: Gallimard, 1994a. p. 175-189.

FOUCAULT, Michel. Du gouvernement des vivants (1979-1980). Paris: Gallimard/ Seuil, 2012.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade – curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, Michel. Entretien avec Michel Foucault. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits III – 1976-1979. Paris: Gallimard, 1994b. p. 140-160.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. La vérité et les formes juridiques. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits I e II – 1954-1975. Paris: Gallimard, 2001. p. 1406-1514.

FOUCAULT, Michel. Les rapports de pouvoir passent à l’intérieur des corps. 1976. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits IV – 1980-1988. Paris: Gallimard, 1994c. p. 228-236.

FOUCAULT, Michel. L’intellectuel et les pouvoirs. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits IV – 1980-1988. Paris: Gallimard, 1994d. p. 747-752.

FOUCAULT, Michel. Naissance de la biopolitique – cours au Collège de France (1978- 1979). Paris: Gallimard/Seuil, 2004b.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros – curso no Collège de France (1982- 1983). São Paulo: Martins Fontes, 2011.

FOUCAULT, Michel. Qu’est-ce que les lumières. Dits et écrits IV – 1980-1988. Paris: Gallimard, 1994e. p. 562-578.

FOUCAULT, Michel. Sécurité, territoire, population – cours au Collège de France (1977- 1978). Paris: Gallimard/Seuil, 2004a.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 37. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

FOUCAULT, Michel. What is critique? In: SCHMIDT, James (Ed.). What is Enlightenment? Eighteenth-Century answers and Twentieth-Century questions. Berkeley: University of California Press, 1996. p. 382-398.

FREITAS, Alexandre Simões de. A parrésia pedagógica de Foucault e o êthos da educação como psicagogia. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, p. 325-338, abr./jun. 2013.

FREITAS, Alexandre Simões de. Michel Foucault e o cuidado de si : a invenção de formas de vida resistentes na educação. ETD Educação Temática Digital, Campinas, v. 12, n.1, p. 1-24, jul./dez. 2010.

GADELHA, Sílvio; PULINO, Lúcia. (Org.). Biopolítica, escola e resistência: infâncias para a formação de professores. Campinas: Alínea, 2012. v.1.

GALLO, Sílvio. Cuidar de si e cuidar do outro: implicações éticas para a educação dos últimos escritos de Foucault. In: GONDRA, J.; KOHAN, W. (Org.). Foucault: 80 anos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 177-189.

GALLO, Sílvio. Repensar a educação: Foucault. Educação e Realidade, Porto Alegre, v 29, n. 1, p. 1-19, jun./jul. 2004.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Sueli. Micropolítica: cartografias do desejo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Petrópolis: Vozes, 1988.

MENEZES, Antônio Basílio Novaes Thomás de. Foucault e as novas tecnologias educacionais: espaços e dispositivos de normalização na sociedade de controle. In: ALBUQUERQUE JUNÍOR, Durval et al. (Org.). Cartografia de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 27-40.

OLIVEIRA, Paula; KOHAN, Walter. Biopolítica, escola e resistência: infâncias para a formação de professores. Campinas: Alínea, 2012. v. 2.

PAGNI, Pedro. O cuidado de si em Foucault e as suas possibilidades na educação: algumas considerações. In: SOUZA, Luiz Antônio Francisco de et al. (Org.). Michel Foucault: sexualidade, corpo e direito. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

POPKEWITZ, Thomas; BRENNAN, Marie (Org.). Foucault’s challenge: discourse, knowledge, and power in education. Columbia: Teachers College Press, 1998.

PORTOCARRERO, Vera. Instituição escolar e normalização em Foucault e Canguilhem.Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 29, n. 1, p. 1-17, jun./jul. 2004.

VEIGA-NETO, Alfredo. Educação e governamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; PORTOCARRERO, Vera (Org.).

Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: NAU, 2000.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

VEIGA-NETO, Alfredo; LOPES, Maura Corcine. Para pensar de outros modos a modernidade pedagógica. ETD Educação Temática Digital, Campinas, v. 12, n. 1, p. 1-20, jul./dez. 2010.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.