Banner Portal
Inclusão como matriz de experiência
Remote

Palavras-chave

Inclusão. Matriz de experiência. Estudos foucaultianos. Contraconduta

Como Citar

LOPES, Maura Corcini. Inclusão como matriz de experiência. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 177–194, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642460. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

Ao problematizar a inclusão a partir dos impactos da teorização foucaultiana no campo da Educação, o artigo propõe um exercício de desconstrução de práticas que constituem a inclusão como “foco” ou “matriz de experiência”, no cenário brasileiro contemporâneo. Tomando a governamentalidade como grade de inteligibilidade em que se inscrevem as práticas inclusivas, operou-se com o governamento e a subjetivação como ferramentas teórico-metodológicas para o tensionamento pretendido. Ficou visível que, ao investir na subjetivação dos indiví- duos, a matriz de experiência da inclusão torna-os capazes de aliar, no domínio de si, práticas de sujeição e práticas de liberdade. O agonismo da conjugação de tais práticas, ao capturar e submeter o indivíduo à matriz de experiência da inclusão, também possibilita condições para o exercício da contraconduta, de modo a alterar ou deslocar as formas de condução para a inclusão vivida até o presente e forjar subjetividades outras, até então impensadas.

Abstract

In order to problematize inclusion practices in the light of Foucault’s theorizing in the field of education, the article proposes an exercise of deconstruction of the practices that treat inclusion as a focus or matrix of experience in contemporary Brazil. Taking governmentality as a grid of intelligibility of inclusive practices, the concepts of governance and subjectivity were used as theoretical and methodological tools for the analysis. It became apparent that, by investing in the subjectivity of the individuals, the matrix of experience of inclusion makes them able to ally, in the domain of self, practices of subjection and practices of freedom. The agonism of the combination of such practices, capturing and submitting the person to the matrix of experience of inclusion, also provides conditions for the exercise of counterconduct in order to change current practices of inclusion and to forge hitherto unthought-of subjectivities.

Keywords Inclusion, matrix of experience, foucauldian studies, contraconduta.

Remote

Referências

AQUINO, Julio Groppa. A difusão do pensamento de Michel Foucault na educação brasileira: um itinerário bibliográfico. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, p. 301-324, abr./jun. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9.394., Brasília: Ministério da Educação, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Ministério Público Federal. O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. 2. ed. Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU, 2003.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos. São Paulo: Rio de Janeiro: Achiamé, 2010a.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. São Paulo: Martins Fontes, 2010b.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

GADELHA, Sylvio. Governamentalidade, biopolítica e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

LOPES, Maura. A inclusão como ficção moderna. Pedagogia: A Revista do Curso, UNOESC, São Miguel do Oeste, v. 3, n. 6, p. 7-20, 2004.

LOPES, Maura; DAL’IGNA, Maria Cláudia. Subjetividade docente, inclusão e gênero.

Educação & Sociedade. Revista de Ciências da Educação, Campinas, v. 33, n. 120, p. 851-868, jul./set. 2012.

LOPES, Maura et al. Inclusão e biopolítica. Cadernos IHU Ideias. UNISINOS: São Leopoldo ano 8, n.144, 2010.

LOPES, Maura. FABRIS, Eli. (Org.). Inclusão e biopolítica. Belo Horizonte: Autêntica, 2013a.

LOPES, Maura; FABRIS, Eli. Inclusão e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2013b.

MENEZES, Eliana C. P. A maquinaria escolar: na produção de subjetividades para uma sociedade inclusiva. 2011. 189 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2011.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se – feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da UNICAMP, 2013.

SARAIVA, Karla; LOPES, Maura. Educação, inclusão e reclusão. In: Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 1, p. 14-33, jan./jun. 2011. Disponível em: .

UNESCO. Declaração de Salamanca e Linhas de Ação para satisfazer Necessidades Educativas Especiais. Salamanca, Espanha, 1994.

UNESCO. Declaração mundial de educação para todos. Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Tailândia, 1990.

VEIGA-NETO, Alfredo. Coisas do governo... In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luis; VEIGANETO, Alfredo (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 13-34.

VEIGA-NETO, Alfredo. Equidade e Currículo. In: COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO SOBRE QUESTÕES CURRICULARES, 5., 2010, Porto. Anais... Porto: Universidade do Minho, 2010

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.