Banner Portal
Cuidando ou tomando cuidado? Agressividade, mediação e constituição do sujeito – um estudo de caso sobre um bebê mordedor em creche
PDF

Palavras-chave

Bebê. Mediação. Mordedor. Significação. Creche

Como Citar

SAULLO, Rosaria Fernanda Magrin; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde; AMORIM, Katia de Souza. Cuidando ou tomando cuidado? Agressividade, mediação e constituição do sujeito – um estudo de caso sobre um bebê mordedor em creche. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 81–98, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642518. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

O desenvolvimento do bebê é entendido, neste estudo, como biologicamente cultural e constituído por processos de media- ção, inicialmente externa. Uma situação de crise foi investigada. O estudo de caso de um bebê mordedor (Vítor, 12 meses) foi oriundo de um projeto que acompanhou bebês em creche. A análise microgenética foi conduzida em material empírico formado pelo entrelaçamento de videogravações e entrevistas, tendo como base pressupostos histórico-culturais. Verificaram-se processos de mediação relacionados tanto a períodos particulares como ao drama das relações. A mediação foi dirigida não só à criança em estudo, como às educadoras e às demais crianças. Inicialmente, valorizou-se a aproximação entre estas, promovendo vínculos. Posteriormente, como Vítor revelasse comportamentos agressivos, passou-se a tomar cuidado com ele. Apesar da sua idade, as práticas pautavam-se em concepções ligadas a crianças maiores e adolescentes. O comportamento do bebê foi entendido como inato ou como problema de personalidade, o que levou ao seu relativo isolamento. No entanto, por meio de um referencial histórico-cultural, buscou-se novo olhar: a media- ção representou um processo dialógico, com construção conjunta de significações/papéis e participação da criança. Sinaliza-se, aqui, a necessidade de novas investigações, essa discussão sendo particularmente útil à Educação Infantil.

Abstract

Development is understood as occurring through mediation processes, which initially are external. To study that, a crisis situation was investigated. The case study of a biting baby was developed within a project which consisted in observing babies in a day care center. A microgenetic analysis was conducted through videorecordings and interviews. Mediation processes were identified, related not only to specific events, as well as to relational dramas. Mediation was not only directed to the boy, but also to caregivers and other children. Initially, the boy’s movements of approach toward other children were appraised as promoting bonds. Later on, when behaviors became perceived as aggresive, adults began to be careful with him. Despite his age, adult attitudes towards him were based in conceptions about older children and adolescents behavior. His behavior was perceived as innate or as an indicator of a personality problem, leading the adults to isolate the child. However, based on cultural-historical perspective, mediation is considered a dialogical process, with meaning/role co-constructions, with children participation. The study highlights the need for further investigations, since such discussions are important for childhood education.

Keywords Mediation. Biting. Signification. Daycare center.

PDF

Referências

AMORIM, K. S. Concretizações de discursos e práticas histórico-sociais, em situações de freqüência de bebês a creche. 2002. Tese (Doutorado)–Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

AMORIM, K. S.; ANJOS, A. M.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Processos interativos de bebês em creche. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 378-389, 2012.

AMORIM, K. S. et al. Processos de adaptação de bebês à creche. In: ROSSETTIFERREIRA, M. C. et al. (Org.). Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.137-156.

AMORIM, K. S.; VITÓRIA, T.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. A rede de significações como perspectiva para a análise do processo de inserção de bebês na creche. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 109, p. 115-144, 2000.

ANDRADE, E. V.; BEZERRA JR., B. Uma reflexão acerca da prevenção da violência a partir de um estudo sobre a agressividade humana. Ciências da Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 445-453, 2009.

ANJOS, A. M. et al. Estudo de processos interativos de bebês. Estudos de Psicologia, Natal, v. 9, n. 3, p. 513-522, 2004.

BANKS, R.; YI, S. Dealing with biting behaviors in young children. 2007. Disponível em: <http://ceep.crc.uiuc.edu/poptopics/biting.html> Acesso em: 10 jan. 2013.

BOLSONI-SILVA, A. T.; PAIVA, M. M.; BARBOSA, C. G. Problemas de comportamento de crianças/adolescentes e dificuldades de pais/cuidadores: um estudo de caracterização. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 169-184, 2009.

BOWLBY, J. Apego. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

CARVALHO, A. M. A. et al. Registro de vídeo na pesquisa em Psicologia: reflexões a partir de relatos de experiência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 12, n. 3, p. 261-267, 1996.

CARVALHO, A. M. A.; IMPÉRIO-HAMBURGER, A.; PEDROSA, M. I. Interaction, regulation and correlation: a conceptual discussion and empirical examples in the context of human development. In: LYRA, M.; VALSINER, J. (Org.). The construction of psychological processes in the course of interpersonal communication. Norswod: Ablex, 1997. p. 135-151.

COSTA, C. A. Significações em relações de bebês com seus pares de idade. Dissertação (Mestrado em Psicologia)–Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2012.

DEYNOOT-SCHAUB, M. G.; RIKSEN-WALRAVEN, J. M. Peer interaction in child care centres at 15 and 23 months: stability and links with children’s socio-emotional adjustment. Infant Behavior Development, Amsterdan, Holanda, v. 29, n. 2, p. 276- 288, 2006.

ELTINK, C. F. Indícios utilizados para avaliar o processo de integração de bebês em uma creche. Dissertação (Mestrado)–Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1999.

GÓES, M. C. R. A Abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos CEDES, Campinas, v. 20, n. 50, p. 9-25, 2000.

GREENMAN, J.; STONEHOUSE, A. W. Reality bites: Biting at the center-Part 1. Child Care Information Exchange, Redmond, Estados Unidos da América, n. 9(94), p. 85-88, 1994.

LAW, M. B. Biting questions. When a toddler bites, how do you handle the biter, the victim and both sets of parents? Monitor in Psychology, Washington, Estados Unidos da América, v. 42, n. 2, p. 50, 2011.

LEGG, J. What’s a little bite among friends. Child Care Information Exchange, Redmond (Estados Unidos da América), n. 7(93), p. 41-42, 1993. Disponível em:

ccie.com/catalog/search.php?search= biting>. Acesso em: 15 de novembro de 2012 LUZ, I. R. Agressividade na primeira infância. Um estudo a partir das relações estabelecidas pelas crianças no ambiente familiar e na creche. São Paulo: Cortez, 2008.

MAIA, M. V. C. M. et al. Crianças “impossíveis”: quem as quer, quem se importa com elas?. Psicologia em estudo, Maringá, v. 12, n. 2, p. 335-342, 2007.

MENDES, D. D. et al. Estudo de revisão dos fatores biológicos, sociais e ambientais associados com o comportamento agressivo. Revista Brasileira de Psiquiatria, Rio de Janeiro, n. 31, suplemento 2, S77-S85, 2009.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Epistemologia e Sociedade, 1990.

OLIVEIRA, M. K. Vigotsky – aprendizado e desenvolvimento, um processo histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

OTTA, E.; BUSSAB, V. S. R. Vai encarar? Lidando com a agressividade. São Paulo: Moderna, 1998.

RAPOPORT, A.; PICCININI, C. A. O ingresso e adaptação de bebês e crianças pequenas à creche: alguns aspectos críticos. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p. 81-95, 2001.

RIBEIRÃO ON-LINE. Criança é agredida em creche do HC de Ribeirão Preto. 2010.

Disponível em: <http://www.ribeiraopretoonline.com.br/noticias/crianca-e-agredidaem-creche-do-hc-de-ribeirao-preto/38076>.

Acesso em: 20 abr. 2012.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C.; AMORIM, K. S.; SILVA, A. P. S. Rede de significações: alguns conceitos básicos. In: ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. (Org.). Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 23-34.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. Desafios metodológicos na perspectiva da rede de significações. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 133, p. 147-170, 2008.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. Peer relations in Brazilian daycare centers: a new focus for early childhood education. In: KERNAN, M.; SINGER, E. (Org.). Peer relationships in early childhood education and care. Abingdon: Routledge Education List, 2010, v. 1, p. 74-87.

SALGADO, H. O. (1999). Momentos no processo de adaptação de bebês à creche, com particular atenção à emergência de significações na coconstrução da relação mãebebê. Monografia (Bacharelado)–Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

SCOTT, S. Aggressive behaviour in childhood. British Medical Journal, Londres, Inglaterra, v. 316, n. 7126, p. 202-206, 1998.

STONEHOUSE, A. A sensitive issue: Biting in child care. Putting Children First, Australia, n. 33, p. 14-16, 2010.

VIGOTSKI, L. S. Manuscrito de 1929. Disponível em: < F:scielo.php.htm> Acesso em: 22 out. 2007.

VON SIMSON, O. R. M. Memória, cultura e sociedade do esquecimento. In: SEMANA DA PSICOLOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO, 2009, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Apresentação.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

YIN, R. K. Estudo de caso – planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZANELLA, A. V.; ANDRADA, E. G. C. Processos de significação no brincar: problematizando a constituição do sujeito. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 2, p. 127-133, 2002.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.