O lugar da Antropologia na formação docente: um olhar a partir das Escolas Normais

  • Amurabi Oliveira Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: Antropologia Pedagógica. História da Antropologia. Formação de professores. Escola Nova

Resumo

O presente trabalho busca problematizar a relação entre Antropologia e Educação, a partir de uma discussão histórica, envolvendo a fundação dos primeiros gabinetes de Antropologia Pedagógica na primeira metade do século XX, almejando, desse modo, repensar a própria história da Antropologia brasileira, destacando o lugar que ela ocupou no processo de formação de professores no Brasil. Destaca-se ainda a relação entre o movimento da “Escola Nova”, a perspectiva higienista e esta Antropologia Pedagógica aqui desenvolvida.

Abstract

This paper raises raises some questions on the relationship between anthropology and education from a historical perspective, involving the foundation of the first “offices of pedagogical anthropology” in the first half of the twentieth century, aiming thereby to rethink the history of Brazilian anthropology, highlighting the place anthropology occupied with the process of teacher formation in Brazil. Another highlight is the relationship between the movement of the “New School”, the hygienist perspective and this pedagogical anthropology developed here.

Key words Pedagogical Anthropology. History of Anthropology. Teacher formation. New school movement

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amurabi Oliveira, Universidade Federal de Alagoas
Possui Licenciatura Plena (2007) e Mestrado (2008) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande e Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Atualmente é professor do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política. Pesquisador do NEJUC (Núcleo de Estudos em Educação e Juventudes Contemporâneas).

Referências

BOTELHO, A. Aprendizado do Brasil: a nação em busca dos seus portadores sociais. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2002.

CORREA, M. A revolução das normalistas. Cadernos de Pesquisa — Fundação Carlos Chagas, São Paulo, n. 66, ago. 1988.

CUNHA, L. A. Educação e classes sociais no Manifesto de 32: perguntas sem respostas. Revista da Faculdade de Educação da USP, São Paulo, v. 20, n. 1-2, p. 132-150, jan./dez. 1994.

CURY, C. R. Ideologia e educação brasileira: católicos e liberais. São Paulo: Cortez, 1988.

CURY, C. R. Um olhar sobre o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova de 1932. In: XAVIER, M. C. (Org.). Manifesto dos Pioneiros da Educação: um legado educacional em debate. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

DURHAM, E. R.; CARDOSO, R. C. L. O ensino de Antropologia no Brasil. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 9, n. 1-2, p. 91-108, 1961.

FREITAS, M. C. Alunos rústicos, arcaicos & primitivos: o pensamento social no campo da educação. São Paulo: Cortez, 2005.

GRUBER, F. C. (Org.). Antropologia e Educação. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1963.

GUSMÃO, N. M. M. Antropologia e educação: origens de um diálogo. Cadernos CEDES, Campinas, v. 43, p. 8-25, 1997.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA ESCOLA NOVA. 1932. Disponível em: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/heb07a.htm.

MELO, M. P. C. Quem explica o Brasil. Juiz de Fora: Editora UFJF, 1999.

MEUCCI, S. Institucionalização da sociologia no Brasil: primeiros manuais e cursos. São Paulo: Hucitec; Fapesp, 2011.

MICELI, S. História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Vértice, 1989.

MONARCHA, C. Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999.

NAGLE, J. Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo: EDUSP, 1974.

NUNES, C. Anísio Teixeira: a poesia da ação. 1991. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, A. Antropologia e antropólogos, educação e educadores: o lugar do ensino de Antropologia na formação docente. Percursos – UDESC, Florianópolis, v. 13, p. 120- 132, 2012.

RIBEIRO, R. Aplicação da sociometria à didática da antropologia. Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Rio de Janeiro, v. 1, n.1, jan./jun. 1970.

SAVIANI, D. Escola e democracia. Campinas: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SGANDERLA, A. P.; CARVALHO, D. C. Lourenço Filho: um pioneiro da relação entre psicologia e educação no Brasil. Psicologia da Educação, São Paulo, n.26, p. 173-190, 2008.

SILVA, G. M. D. Sociologia da Sociologia da Educação: caminhos e desafios de uma Policy Science no Brasil (1920-1979). Bragança Paulista: Edusf, 2002.

SOUZA, R. F. Espaço da educação e da civilização: origens dos grupos escolares no Brasil. In: SAVIANI, D. et al. (Org.). O legado educacional do século XIX. Campinas: Autores Associados, 2006.

VEIGA, C. G. Manifesto dos pioneiros de 1932: o direito biológico à educação e a inven- ção de uma nova hierarquia social. In: XAVIER, M. C. (Org.). Manifesto dos pioneiros da educação: um legado educacional em debate. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

VIOTTI, J. Contribuição à antropologia da moça mineira. In: SECRETARIA DE EDUCA- ÇÃO E SAÚDE PÚBLICA/INSPETORIA GERAL DE INSTRUÇÃO PÚBLICA. Boletim, Belo Horizonte, n. 13, 1933.

XAVIER, L. N. Para além do campo educacional: um estudo sobre o Manifesto dos pioneiros da educação nova (1932). Bragança Paulista: Edusf, 2002.

Publicado
2016-01-04
Como Citar
Oliveira, A. (2016). O lugar da Antropologia na formação docente: um olhar a partir das Escolas Normais. Pro-Posições, 24(2), 27-40. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642532
Seção
Dossiê