“Você sabe como é, eles não estão acostumados com antropólogos!”: uma análise etnográfica da formação de professores

  • Rodrigo Rosistolato Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Antropologia. Gênero. Diversidade. Sexualidade. Orientação sexual.

Resumo

A escola passou, na segunda metade da década de 1990, por uma mudança significativa em suas funções sociais. A partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), ela foi convocada a contribuir com a socialização afetiva e sexual de adolescentes e jovens, via projetos de orientação sexual escolar. Entendia-se que a escola não deveria educar para a sexualidade, mas, sim, orientar. Essa nova demanda proporcionou uma série de debates sobre a escola e o que se deve fazer nela, além de ter sido o passo inicial para a configuração de cursos de formação de professores para o trabalho com orientação sexual na escola. Este artigo apresenta reflexões com base em pesquisas etnográficas realizadas em cursos de formação de professores e em salas de aula onde se desenvolviam projetos de orientação sexual na cidade do Rio de Janeiro. Descrevem-se as classificações relacionadas à sexualidade, à diversidade sexual e ao lugar da escola nesse debate.

Abstract

The school system in Brazil, in the middle of 1990’s, went through a significant change in its social functions. As from the publication of the National Curricular Parameters (PCN’s), the school was invited to contribute to an affective and sexual socialization among teenagers and youngsters through sexual orientation projects. It was understood that the school shouldn’t have sexual education, but ‘sexual orientation’. This new demand promoted a lot of debates about school and what should be done in it, besides being the first step for the configuration of teachers’ training programs to prepare them for the work with sexual orientation at schools. This article presents reflections based on ethnographic research carried out in teachers’ training courses and in classrooms where sexual orientation projects were being developed in Rio de Janeiro. It also describes the classification related to sexuality, sexual diversity and where the school is placed in this debate.

Key words Anthropology. Gender. Diversity. Sexuality and sexual orientation.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Rosistolato, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Antropólogo especializado em temas educacionais. Doutor em Ciências Humanas (antropologia), professor do Programa de Pós-Graduação em Educação-PPGE e do Departamento de Fundamentos da Educação, da Faculdade de Educação da UFRJ. Seus trabalhos focalizam as relações existentes entre a educação escolar e outras esferas da vida social. 

Referências

BECKER, H. S. Outsiders. Estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: volume 10 – Pluralidade Cultural e Orientação Sexual. Brasília: MEC/SEF, 1997.

DAUSTER, T. Um outro olhar: entre a antropologia e a educação. Cadernos CEDES – Centro de Estudos Educação e Sociedade, Unicamp, Campinas. [on-line]. v.18, n. 43, p.38-45, dez. 1997.

DURHAM, E. R. A dinâmica da cultura: ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2004. v. 1. 477p.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

GUSMÃO, N. M. M. Antropologia, estudos culturais e Educação: desafios da modernidade. Pro-Posições, v. 19, n. 3 (57), set./dez. 2008.

MALINOWSKI, B. Objeto, método e alcance desta pesquisa. In: GUIMARÃES, A. Z. (Org.). Desvendando máscaras sociais. São Paulo: Francisco Alves, 1980.

ROCHA, G.; TOSTA, S. P. Antropologia e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

ROSISTOLATO, R. Aprendendo “no emocional”: uma teoria nativa sobre a relação dos adolescentes com a sexualidade. In: COELHO, M. C; REZENDE, C. B. (Org.). Cultura e sentimentos: ensaios em antropologia das emoções. 1. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa; FAPERJ, 2011. v. 1, p. 197-215.

ROSISTOLATO, R. Gênero e cotidiano escolar: dilemas e perspectivas da intervenção escolar na socialização afetivo-sexual dos adolescentes. Revista Estudos Feministas – UFSC, Florianópolis, v. 7, p. 11-30, 2009. Impresso.

SEEGER, A. Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras. Rio de Janeiro: Campus, 1980.

VELHO, G.; KUSCHNIR, K. (Org.). Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antropoló- gico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. 235 p.

WACQUANT, L. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

Publicado
2016-01-04
Como Citar
Rosistolato, R. (2016). “Você sabe como é, eles não estão acostumados com antropólogos!”: uma análise etnográfica da formação de professores. Pro-Posições, 24(2), 41-54. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642570
Seção
Dossiê

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)