Cruzando fronteiras – entre a Antropologia e a Educação no Brasil e na Argentina

  • Sandra Pereira Tosta Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Brasil. Argentina. Pesquisa educacional. Etnografia. DIE/IPN/ México

Resumo

A relação entre a Antropologia e a Educação tem sido marcada por aproximações e distanciamentos que mostram não ser esta uma história pronta e acabada; ao contrário, é ampla, difusa e complexa e, nos últimos anos, temos assistido a um processo de aproximação da Antropologia com a Educação como nunca se viu no Brasil. Mas, se, para a Antropologia brasileira esta parece ser uma nova realidade, outras experiências desenvolvidas na América Latina podem revelar um quadro fecundo ao exercício da reflexão epistemológica em perspectiva comparada. O objetivo deste artigo é analisar a relação entre a Antropologia e a Educação, com base na apropriação, por parte de pesquisadores do campo educacional brasileiro e argentino, da etnografia educacional proposta por Elsie Rockwell e Justa Ezpeleta, representantes do Departamento de Investigaciones Educativas (DIE) do Centro de Investigación y de Estudios Avanzados (CINVESTAV) do Instituto Politécnico Nacional (IPN) do México.

Abstract

The relationship between anthropology and education has been marked by similarities and differences revealing that this is not a ready and finished story but it is in fact a broad, diffuse and complex issue and in recent years we have witnessed a process of approximation between anthropology and education as we had never seen before in Brazil. But if for Brazilian anthropology this seems to be a new reality, other experiences developed in Latin America may reveal a fruitful framework for the exercise of epistemological reflection under a comparative perspective. The objective of this article is to analyze the relationship between anthropology and education based on the understanding of researchers from the educational field in Brazil and Argentine regarding the educational ethnography proposed by Elsie Rockwell and Justa Ezpeleta, representatives from the ‘Departamento de Investigaciones Educativas’ (DIE), Centro de Investigación y de Estudios Avanzados (CINVESTAV) from the ‘National Polytechnic Institute’ (IPN) in Mexico.

Key words Brasil. Argentina. Educational research. Ethnography. DIE/IPN/ Mexico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Pereira Tosta, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Graduada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais e Doutora em ANTROPOLOGIA SOCIAL pela Universidade de São Paulo (1997). Professora titular da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, onde atua como docente e pesquisadora nas áreas de Antropologia Urbana, Comunicação e Educação. 

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de estado. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998. 120p.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação – uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRANDÃO, C. R. A educação como cultura. Campinas: Mercado de Letras, 2002. 255p.

DAUSTER, T. Um outro olhar – entre a antropologia e a educação. Cadernos CEDES, Campinas, v.18, n.43, p. 38-45, 1997.

FÍGOLI, L. A Antropologia na Argentina e a construção da nação. In: OLIVEIRA, R. C.; RUBEN, G. R. (Org.). Estilos de Antropologia. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995. p. 31-63.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1987. 184p.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTD, 1989. 233p.

GIROUX, H. Pedagogia radical – subsídios. São Paulo: Cortez, 1983. 95p.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 3. ed. Rio de Janeiro: Civiliza- ção Brasileira, 1985. 244p.

GUBER, R.; VISACOVSKY, S. Imagenes etnográficas de la nacion – la antropologia social argentina de los tempranos años setenta. Brasília: Editora UnB, 1999. (Série Antropologia, n. 251).

GUSMÃO, N. M. M. Antropologia e educação – origens de um diálogo. Cadernos CEDES, Campinas, v. 18, n 43, p. 8-25, 1997.

HELLER, A. Sociologia de la vida cotidiana. 4. ed. Barcelona: Península, 1994. 211p.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. 220p.

LUKÁCS, G. As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Temas, São Paulo, v. 1, p. 1-18, 1979.

MONTERO, P. Antropologia no Brasil: tendências e debates. In: RIBEIRO, G. L.; TRAJANO FILHO, W.; RIBEIRO, G. L. (Org.) O campo da antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: ABA; Brasília: Contracapa, 2004. p. 117-142.

NEUFELD, M. R. El campo de la antropología y la educación en la Argentina – problemáticas y contextos. In: WORKSHOP “DIÁLOGOS IBERO-AMERICANOS SOBRE ETNOGRAFIA NA EDUCAÇÃO”, 22-23 de setembro de 2011, PUC Minas, Belo Horizonte.

OLIVEIRA, R. C. O trabalho do antropólogo. 2. ed. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora UNESP, 2000. 255p.

OLIVEIRA, R. C.; RUBEN, G. R. (Org.). Estilos de Antropologia. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995. 213p.

ROCHA, G.; TOSTA, S. P. Antropologia e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. 159p.

ROCKWELL, E.; EZPELETA, J. Pesquisa participante. São Paulo: Cortez, 1989. 93p.

THOMPSON, E. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011. 254p.

TOSTA, S. P. et al. Etnografia para a América Latina – um outro olhar sobre a escola no Brasil e na Argentina. Belo Horizonte, 2011. 104p. Relatório Técnico-Científico do CNPq.

VELHO, O. G. Antropologia para sueco ver. DADOS, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 79-91, 1980.

Publicado
2016-01-04
Como Citar
Tosta, S. P. (2016). Cruzando fronteiras – entre a Antropologia e a Educação no Brasil e na Argentina. Pro-Posições, 24(2), 95-107. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642630
Seção
Dossiê