Natalidade e educação: reflexões sobre o milagre do novo na obra de Hannah Arendt

Autores

  • Vanessa Sievers Almeida Universidade Federal da Bahia

Palavras-chave:

Hannah Arendt. Educação. Natalidade. Agostinho

Resumo

Este ensaio estuda o conceito de natalidade na obra de Hannah Arendt, salientando sua fundamental importância para a concepção de educação da filósofa. Realçamos que a autora, cujo pensamento político recorre frequentemente às experiências da pólis grega e da república romana, ao refletir sobre a natalidade, inspira-se preponderantemente em fontes cristãs, em particular na obra de Agostinho. Essa influência do pensamento cristão é pouco abordada pelos estudiosos da obra de Arendt. Nossa reflexão sobre essa inspiração sugere algumas perspectivas, pouco explicitadas pela própria autora, em relação a seu conceito de natalidade. Finalmente, procuramos compreender em que medida essa compreensão enriquecida pode acrescentar dimensões novas à abordagem da autora sobre educação.

Abstract

This essay examines the concept of natality in the work of the philosopher Hannah Arendt, stressing its fundamental importance to her conception of education. We emphasize that the author – whose political thinking often uses the experiences of the Greek polis and the Roman republic – draws mainly on Christian sources when reflecting on natality, in particular the work of Augustine. This influence of Christian thought is rarely addressed by the ones who study Arendt’s work. Our reflection on this inspiration suggests some perspectives, minimally explained by the author herself, regarding her concept of natality. Finally, we seek to understand to what extent this amplified understanding may add new dimensions to the author’s approach on education.

Key words Hannah Arendt. Education. Natality. Augustine

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Sievers Almeida, Universidade Federal da Bahia

Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia desde 2011, possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação/USP (2003), graduação em Teologia pela Universidade Metodista de São Paulo (1995) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2009). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Filosofia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Filosofia da Educação, Hannah Arendt, pensamento, sentido e ação.

Referências

AGOSTINHO DE HIPONA. Confissões. Tradução de J. Oliveira de Santos, S.J. e Ambró- sio de Pina, S.J. De Magistro. Tradução de Angelo Ricci. São Paulo: Abril, 1973. (Os pensadores.) ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo e revisão técnica e apresentação de Adriano Correia. 11a . ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARENDT, H. A vida do espírito. Tradução de Antonio Abranches e Helena Martins. 2.ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Ed. UFRJ, 1993.

ARENDT, H. Der Liebesbegriff bei Augustin: Versuch einer philosophischen Interpretation. Einleitung von Frauke Annegret Kurbacher. Übersetzungen von Kirsten Gross-Albenhausen. Hildesheim: Georg Olms Verlag, 2006.

ARENDT, H. Elemente und Ursprünge totaler Herrschaft: Antisemitismus, Imperialismus, totale Herrschaft. 9. Aufl. München: Piper, 2003.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1990.

ARENDT, H. On revolution. New York: Penguin Books, 1984.

ARENDT, H. The human condition. Introduction by Margaret Canovan. 2nd. ed. Chicago: University of Chicago Press, 1998.

ARENDT, H. The life of mind. 2. v. em 1, San Diego: Harvest/Harcourt, 1978.

ARENDT, H. Vita activa oder Vom tätigen Leben. München: Piper, 1960.

ARENDT, H. Vom Leben des Geistes. 2. Aufl. München: Piper, 2002.

BERNAUER, J. The faith of Hannah Arendt: amor mundi and its critique-assimilation of religious experience. In: BERNAUER, J. (Ed.). Amor mundi: explorations in the faith and thought of Hannah Arendt. Boston: Martinus Nijhoff Publishers, 1987. p. 1-28.

BRAYNER, F. H. A. Educação e republicanismo: experimentos arendtianos para uma educação melhor. Brasília: Líber Livro, 2008.

CORREIA, A. O significado político da natalidade: Arendt e Agostinho. In: CORREIA, A. e Nascimento M. (Org.). Hannah Arendt: entre o passado e o futuro. Juiz de Fora: UFJF, 2008. p. 15-34.

HASKER, W. Religious Doctrine of Creation and Conservation. In: CRAIG, E. (Ed.). Encyclopedia of Philosophy. New York: Routledge, 1998. v. 2, p. 695-700.

LAFER, C. A. política e a condição humana (posfácio). In: ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 341-352.

LEBRUN, G. A. liberdade segundo Hannah Arendt. In: LEBRUN, G. A. Passeios ao léu: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1983.

Downloads

Publicado

2016-01-04

Como Citar

ALMEIDA, V. S. Natalidade e educação: reflexões sobre o milagre do novo na obra de Hannah Arendt. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 221-237, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642650. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos