Que geometria ensinar? Uma breve história da redefinição do conhecimento elementar matemático para crianças

Autores

  • Wagner Rodrigues Valente Universidade Federal de São Paulo

Palavras-chave:

Educação Matemática. Ensino primário. Geometria. História da Educação Matemática

Resumo

O artigo aborda a geometria para crianças, seu ensino para alunos das primeiras séries escolares. Leva em conta, inicialmente, a trajetória da Geometria para o nível elementar, desde, praticamente, a Independência do Brasil. Nessa análise, evidencia a permanência de conteúdos da geometria euclidiana até quase meados do século XX. Em seguida, analisa as propostas de alteração do ensino de Geometria elaboradas na década de 1960. Com isso, procura mostrar as intenções de modificar os conteúdos desse ramo matemático, em busca da redefinição de um novo elementar: um novo conhecimento elementar de geometria, vindo de processos de apropriação das contribui- ções trazidas pelos estudos da Psicologia cognitiva.

Abstract

The article discusses geometry for children and its teaching for students from early grades. It takes into account, firstly, the geometry journey at the elementary level since practically the Independence of Brazil. This analysis highlights the presence of Euclidean geometry contents up to the mid-twentieth century. It then analyzes the proposed amendment to the teaching of geometry developed in the 1960s. Thus, this article attempts to show the intentions to modify the contents of this branch of mathematics in search of a redefinition of the ‘new elementary’: a new elementary knowledge of geometry, coming from the appropriation processes of the contributions made by studies of cognitive psychology.

Key words Mathematics education. Primary education. Geometry. History of mathematics education

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Rodrigues Valente, Universidade Federal de São Paulo

possui graduação em Engenharia (Escola Politécnica) pela Universidade de São Paulo (1979) e Pedagogia pela Universidade Santa Cecília dos Bandeirantes (1987), mestrado em Educação: História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo/ INRP- Paris (1997). Pós-Doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999). Livre Docente no Departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo (2010). Coordenador do GHEMAT - Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática (www.unifesp.br/centros/ghemat). Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo.

Referências

BORGES, A. C. Geometria pratica popular. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves. 1882 (1878, 1a. edição).

CARVALHO, M. M. C. Pedagogia da Escola Nova, produção da natureza infantil e controle doutrinário da escola. In: FREITAS, M. C.; KULMANN JR, M. (Org.) Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002.

CHARTIER, R. A história cultural – entre práticas e representações. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

DIENES, Z. P.; GOLDING, E. W. Exploração do espaço e prática da medição. São Paulo: EPU, 1977.

FRANÇA, D. M. A. A produção oficial do Movimento da Matemática Moderna para o ensino primário do Estado de São Paulo (1960-1980). Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP, São Paulo, 2007.

FREIRE, O. Primeiras noções de Geometria pratica. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1907.

GONDRA, J. G.; SAMPAIO, T. Ciência pela força? Dr. Abílio Cesar Borges e a propaganda contra o emprego da palmatória e outros meios aviltantes no ensino da mocidade (1856-1876). Acta Scientiarum. Education, Maringá, PR, v. 32, n. 1, p. 75-82, 2010.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, SP, n. 1, jan./jun. 2001, SBHE; Autores Associados.

KELLER, O. Préhistoire de la géométrie: le problème des sources. Conférence donnée pour Olivier Keller à l´IREM de la Réunion em août 2001. Disponível em: reunion.iufm. fr/Recherche/irem/IMG/pdf/Keller_prehistoire_geometrie.pdf. Acesso em: 22 jun. 2011.

LEME DA SILVA, M. C. A prática da geometria prática no ensino primário: subsídios para uma história disciplinar. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 33., 2010, Caxambu. Anais... Caxambu, MG, 2010.

LIBERMAN, M. P.; FRANCHI, A.; BECHARA, L. Curso moderno de Matemática para a Escola Elementar. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

LOBO, J. TH. S. Primeira Arithmetica para meninos. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1935.

PAIS, L. C. Traços históricos do ensino da aritmética nas últimas décadas do século XIX: livros didáticos escritos por José Theodoro de Souza Lobo. Revista Brasileira de História da Matemática, v.10, n. 20. (no prelo).

PFROMM NETO, S. O livro na educação. Rio de Janeiro: Primor; INL, 1974.

PIAGET, J.; GARCIA, R. Psicogénese e história das ciências. Lisboa: Dom Quixote, 1987.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

RAZZINI, M. P. G. Livro didático e expansão escolar em São Paulo (1889-1930). Língua Escrita, n. 1, jan./abr. 2007.

SRIRAMAN, B. (Ed.) Editorial: The legacy of Zoltan Paulo Dienes. The Montana Council of Teachers of Mathematics. Monograph 2, p. i-ii, 2007.

VALENTE, W. R. Uma história da matemática escolar no Brasil, 1730-1930. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2007.

Downloads

Publicado

2016-01-06

Como Citar

VALENTE, W. R. Que geometria ensinar? Uma breve história da redefinição do conhecimento elementar matemático para crianças. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 159–178, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642667. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos