Cotidiano de combate: imagens subvertidas em uma escola pública da cidade de Campinas

Autores

  • Alexsandro Aparecido Sgobin Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Pedagogia libertária. Fotografia. Escolas públicas

Resumo

Este texto procura descrever experiências realizadas em uma escola da periferia de Campinas, tendo como inspiração a pedagogia libertária, ou anarquista. Com a consciência de que a implantação da própria pedagogia libertária em escolas sob o comando do Estado e, portanto imersas em uma ideologia capitalista, é praticamente impossível sugerir práticas de aula que busquem “anarquismos”: movimentos, pensares, amores, batalhas que movimentem o pensamento e abram linhas de fuga, tocando as pretensões libertárias. No caso das experiências descritas neste texto, utilizamos, como possíveis anarquismos, fotografias de pichações que sofreram manipulação digital, tornando-se uma “hiper-realidade”.

Abstract

This paper seeks to describe experiences in a school on the outskirts of Campinas, taking as inspiration the anarchist pedagogy. With the awareness that the implementation of anarchist pedagogy in public schools (immersed in a capitalist ideology) is virtually impossible, we suggest classroom practices that seek for “anarchisms”: movements, thoughts, love affairs, battles that move thought and open escape routes, touching the libertarian claims. In the case of the experiments described in this paper we use as possible anarchism photographs of “graffiti”, which have undergone digital manipulation, making it a “hyperreality.”

Key words Anarchist pedagogy. Photography. Public schools

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexsandro Aparecido Sgobin, Universidade Estadual de Campinas

É bacharel e licenciado em Geografia e mestre em Educação, atuando como professor de Geografia em escolas da rede particular de Campinas. Atuou também como docente em escolas da rede pública estadual e municipal. Atualmente cursa o doutorado em Educação, trabalhando com imagens e tecnologias da comunicação e sua inserção na sala de aula enquanto elementos potenciais de aprendizagem, em uma situação de aula que busque a informalidade e a flexibilização das relações entre professores, alunos e o corpo administrativo da escola, flexibilização esta fortemente amparada na pedagogia libertária.

Referências

BAKUNIN, M. A. Deus e o Estado. São Paulo: Imaginário, 2000. 95 p.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984. 141 p.

BOURDIEU, P.; BOURDIEU, M.-C. O camponês e a fotografia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 26, p. 31-39, jun. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ rsocp/n26/a04n26.pdf. Acesso em: 08 fev. 2011.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 5.

KOSSOY, B. Realidade e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002. 149 p.

MARTINS, J. S. Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto, 2009. 206 p.

SONTAG, S. Ensaios sobre a fotografia. Lisboa, Portugal: Dom Quixote, 1986. 178 p.

Downloads

Publicado

2016-01-06

Como Citar

SGOBIN, A. A. Cotidiano de combate: imagens subvertidas em uma escola pública da cidade de Campinas. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 225–238, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642670. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos