O livro didático como mercadoria

Autores

Palavras-chave:

Livro didático. Mercadoria. Indústria cultural

Resumo

Para Marx, a mercadoria é a principal categoria para o entendimento do capitalismo. Mediadora das relações sociais, ela é, antes, uma coisa que serve para realizar as necessidades do ser humano. Num regime baseado na troca, o valor de uso da mercadoria, que se refere à sua utilidade para satisfazer essas necessidades, aparece também como suporte material do valor de troca, pelo qual as mercadorias são trocadas no mercado. Com o livro didático não é diferente. Como valor de uso, satisfaz as necessidades de certa expectativa dita educacional, mas, para realizar a satisfação dessas necessidades, subordina-se ao valor de troca e às suas determinações. O presente artigo busca traçar historicamente essa duplicidade do livro didático, com ênfase na sua configuração no Brasil.

Abstract

For Marx, commodity is the main category for understanding capitalism. Mediator of social relations, it is rather a thing that serves to satisfy some human needs. In a system based on the exchange, the use-value of the commodity, which refers to its usefulness to satisfy those needs, also appears as a material support for the exchange value whereby commodities are exchanged in the market. The textbook is not different. As usevalue, it satisfies the needs of some educational expectations, but in order to meet those needs it is subordinated to the exchange-value and its determinations. This article examines historically the twofold character of the textbook, with emphasis on its configuration in Brazil.

Key words Textbook. Commodity. Culture industry

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kazumi Munakata, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1976), mestrado em História pela Universidade Estadual de Campinas (1982) e doutorado em História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997).

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

APPLE, M. W. Cultura e comércio do livro didático. In: APPLE, M. W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. p. 81-105.

ARAÚJO, L. T. O uso do livro didático no ensino de História: depoimentos de professores de escolas estaduais de ensino fundamental situadas em São Paulo/SP. 2001.

Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

ÁTICA. Momentos do livro no Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

BUISSON, F. (Ed.) Dictionnaire de pédagogie e d’instruction primaire. Paris: Hachette, 1887-1888.

CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO. Produção e vendas do setor editorial brasileiro em 2009. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro / SNEL / FIPE, [2010?]. Disponível em: <http://www.cbl.org.br/telas/cbl/downloads.aspx>. Acesso em: jan. 2012.

CASSIANO, C. C. F. Circulação do livro didático: entre práticas e prescrições políticas públicas, editoras, escola. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

CASSIANO, C. C. F. O mercado do livro didático no Brasil: da criação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). 2004. Tese (Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

CHARTIER, R. Textos, impressos, leituras. In: CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Algés: Difel, 1990.

CHERVEL, A.; COMPÈRE, M-Me. Les Humanités dans l’histoire de l’enseignement fran- çais. Histoire de l’Éducation, Paris, n. 74, p. 5-38, maio 1997.

CHOPPIN, A. Les manuels scolaires: histoire et actualité. Paris: Hachette, 1992.

DAMACENO-REIS, Â. M. O uso do livro didático de Língua Portuguesa por professores do ensino fundamental. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

DARNTON, R. O Iluminismo como negócio. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DICTIONNAIRE DE L’ACADÉMIE FRANÇAISE. Disponível em: <http://artfl-project.uchicago.edu/>. Acesso em: jan. 2012.

DUARTE, R. Adorno/Horkheimer e a Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

FEBVRE, L.; MARTIN, H-J. O aparecimento do livro. São Paulo: Unesp, 1992.

FONSECA, S. G. Caminhos da História ensinada. Campinas: Papirus, 1993.

GIMENO SACRISTÁN, J. Materiales y textos: contradicciones de la democracia cultural. In: GARCIÁ MÍNGUEZ, J.; BEAS MIRANDA, M. (Comp.) Libro de texto y construcción de materiales curriculares. Granada: Proyecto Sur de Ediciones, 1995. p. 75-130.

GREAVES L. C. La búsqueda de la modernidad. In: TANK DE ESTRADA, D. (Coord.). La educación en México. México, D.F.: El Colégio de México, 2010. p. 188-216.

JOHNSEN, E. B. Libros de texto en el calidoscópio. Barcelona: Pomares-Corredor, 1996.

JULIA, D. Livres de classe et usages pédagogiques. In: CHARTIER, R.; MARTIN, H.-J.

(Dir.). Histoire de l’édition française. Le livre triomphant. 1660-1830. Paris: Fayard / Dercel de la Librairie, 1990. p. 615-656. v. 2.

MARX, K. O capital. São Paulo: Nova Cultural, 1996 [1867].

MOLLIER, J.-Y. Louis Hachette (1800-1864). Le fondateur d’um empire. Paris: Fayard, 1999.

MORRISON, K. Estabelecendo o texto: a institucionalização do conhecimento por meio das formas históricas e filosóficas de argumentação. In: BOTTÉRO, J. et al. Cultura, pensamento e escrita. São Paulo: Ática, 1995. p. 141-200.

MUNAKATA, K. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. 1997. Tese (Doutorado em História e Filosofia da Educação) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educa- ção: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

PETRUCCI, A. Alfabetismo, escritura, sociedad. Barcelona: Gedisa, 1999.

PINTO, L. M. S. Diccionario da lingua brasileira. Ouro Preto: Typographia de Silva, 1832.

PRADO, E. M. As práticas dos professores de História nas escolas estaduais paulistas nas décadas de 1970 e 1980. 2004. Tese (Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

PUELLES BENÍTEZ, M. de. La política del libro escolar en España (1813-1939). In: ESCOLANO BENITO, A. (Dir.) Historia ilustrada del libro escolar en España. Del Antíguo Régimen a la Segunda República. Madrid: Fundación Germán Sánchez Ruipérez, 1997.

RAZZINI, M. P. G. São Paulo: cidade dos livros escolares. In: BRAGANÇA, A.; ABREU, M. (Org.). Impressos no Brasil: dois séculos de livros brasileiros. São Paulo: Unesp, 2010. p. 101-120.

SAMPAIO, F. A. A.; CARVALHO, A. F. Com a palavra, o autor: Em nossa defesa: um elogio à importância e uma crítica às limitações do Programa Nacional do Livro Didático.

São Paulo: Sarandi, 2010.

SILVA, V. R. Concepções de História e de ensino em manuais para o ensino médio brasileiros, argentinos e mexicanos. 2007. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

THOMAS, M. Introdução. In: FEBVRE, L.; MARTIN, H.-J. O aparecimento do livro. São Paulo: Unesp, 1992. p. 21-41.

VILLALTA, L. C. A censura, a circulação e a posse de romances na América portuguesa (1722-1822). In: ABREU, M.; SCHAPOCHNIK, N. (Org.). Cultura letrada no Brasil: objetos e práticas. Campinas: Mercado de Letras, 2005. p. 161-181.

Downloads

Publicado

2016-01-11

Como Citar

MUNAKATA, K. O livro didático como mercadoria. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 23, n. 3, p. 51–66, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642828. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê