Olhar viajante: Antropologia, criança e aprendizagem

Autores

  • Neusa Maria Mendes Gusmão Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Antropologia. Criança. Aprendizagem. Cultura. Mário de Andrade

Resumo

O presente texto procura aproximar a Antropologia do percurso e do itinerário de Mário de Andrade e suas relações com o universo infantil. Nesse intuito, assume, por princípio, que as crianças, de qualquer grupo, sociedade ou cultura, sabem de si, sabem onde estão, o que faz parte de suas vidas; conhecem seu mundo; e se confrontam com os princípios de pertença e identidade que lhes são atribuídos. Assim, no mais profundo dos cotidianos sociais de diferentes grupos, opera a percepção de mundo, que se constrói como parte de um conhecimento, por vezes naturalizado, e que exige ser desnaturalizado por meio da compreensão das múltiplas linguagens do social, inscritas nas dimensões ocultas do cotidiano, num trânsito entre o real instituído e o real instituinte. Ressalta-se que o trânsito e o itinerário em que atuou Mário de Andrade na sua busca pelo imaginário da infância são os mesmos que a Antropologia percorre no debate da infância, da criança, da cultura e da sociedade.

Abstract:

The discussion of Anthropology as a science in dialogue with other fields of knowledge, among them education, puts the science we practice in the center of discussion and its effects or consequences when it is used to go from one field to another. The notion of culture becomes emblematic of this process, especially in American Cultural Studies which echoes in education more than it does in Latin America. Over there, the anthropological tradition is still recognized by its political and explanatory importance. This debate highlights the need for the anthropology of education to be modern and critical, a field under construction. This “new anthropology” should be present in the training of educators and social scientists, in order to confer autonomy and social responsibility to those intellectual working professionals, who educate and search various social realities to build knowledge.

Key words: Anthropology. Children. Cearning. Culture. Mário de Andrade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neusa Maria Mendes Gusmão, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1973), mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1977) e doutorado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1990). Pós-doc no Instituto de Ciências Sociais - ICS - da Universidade de Lisboa em 1998 e 2002. Livre-Docente na Área de Antropologia e Educação em 2003, FE/UNICAMP e Titular na Área de Antropologia e Educação, FE/UNICAMP em 2009. Professora titular, MS-6 da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. 

Referências

ANDRADE, M. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Edição crítica. Coordenação de Telê Porto Ancona Lopes. São Paulo: UNESCO, 1988. (Coleção Arquivos, v. 6) ANDUJAR, C. Desenhos Yanomami. Arte em São Paulo, n. 5, São Paulo, mar. 1982.

CAVALCANTI, L. V. de C. Cultura popular e sensibilidade romântica: as danças dramáticas de Mário de Andrade. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), São Paulo, v. 19, n. 54, p. 57-78, fev. 2004.

COHN, C. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

GIDDENS, A. Sociologia. Madri: Alianza, 1995.

GOBBI, M. Conhecer infâncias brasileiras: meninos e meninas em contos de Mário de Andrade. Múltiplas Leituras, v. 3, n. 1-2, p. 70-85, jan./jun. 2010.

GOULART, A. L. F. A contribuição dos parques infantis de Mário de Andrade para a educação infantil. Educação e Sociedade, ano 20, n. 69, p. 60-91, 1999.

GUSMÃO, N. M. M. Socialização e recalque: a criança negra no rural. In: GUSMÃO, N. M. M. et al. (Org.). Educação e diferenciação cultural. Índios e negros. Cadernos Cedes, n. 32, p. 49-84, 1993.

GUSMÃO, N. M. M. Linguagem, cultura e alteridade: imagens do outro. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Campinas: Editores Associados, n. 107, p. 41-78, 1999. Edição Especial.

GUSMÃO, N. M. M. Antropologia, processo educativo e oralidade: um ensaio reflexivo. Pro-Posições, v. 14, n.1 (40), p. 197-213, jan./abr. 2003.

ITURRA, R. O processo educativo: ensino ou aprendizagem? Educação, Sociedade e Culturas, n. 1, p. 20-50, [s.d].

ITURRA, R. O jogo e a experimentação pessoal na infância: uma hipótese exploratória.Revista Portuguesa de Pedagogia, Lisboa, v. 26, n. 3, 1992.

ITURRA, R. O pior inimigo da Antropologia é o antropólogo. Entrevista concedida a Maria José Margarido para A Página, Arquivo Vivo n. 1, Ano 0, 1994. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2010.

ITURRA, R. O imaginário das crianças: os silêncios da cultura oral. Lisboa: Fim de Século, 1997.

LARROSA, J.; LARA, N. P. (Org.). Imagens do outro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

LOPES, T. P. A. Mário de Andrade: ramais e caminhos. São Paulo: Duas Cidades, 1972.

NUNES, A. M. Educação indígena: diversidade e cidadania. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS – Anpocs, 21., outubro de 1997, Caxambu. (mimeo) SARMENTO, M. J.; PINTO, M. As crianças e a infância: definindo conceitos delimitando o campo. In: PINTO, M.; SARMENTO, M. J. (Org.). As crianças – contextos e identidades. Braga, Portugal: Centro de Estudos da Criança, 1997.

RODRIGUES, J. C. A infância e o poder. In: RODRIGUES, J. C. Ensaios em Antropologia do poder. Rio de Janeiro: Terra Nova, 1992.

VALENTINI, L. Diálogos entre Dina Dreyfus, Claude Lévi-Strauss e Mário de Andrade: algumas perspectivas sobre etnografia no entreguerras (1935-1938). Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, USP, São Paulo 2011. Disponível em: <http://usp-br.academia,edu/LuisaValentini/Papers/238734/Dialogos_Entre_Dina_ Dreyfus_ClaudeLeviStrauss_E_Mario_De_Andrade_Algumas_Perspectivas_sobre_a_ Etnologia_No_Entreguerras_1935-1938>. Acesso em: 15 jul. 2011.

VIDAL, L.; SILVA, A. L. Antropologia estética: enfoques teóricos e contribuições metodológicas. In: VIDAL, L. (Org.). Grafismo indígena. São Paulo: Studio Nobel; Fapesp; Edusp, 1992.

VIEIRA, R. Da multiculturalidade à educação intercultural: a Antropologia da educação na formação dos professores. Educação, Sociedade e Culturas, Porto, n. 12, 1999.

Downloads

Publicado

2016-01-12

Como Citar

GUSMÃO, N. M. M. Olhar viajante: Antropologia, criança e aprendizagem. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 161–178, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642893. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos