As artes no ensino superior: entre a razão e a paixão

Autores

  • Cármen Lúcia Rodrigues Arruda Universidade Estadual de Campinas

Resumo

A formação do artista, diferentemente do que dita o senso comum, depende de um longo processo de formação, que se estende por toda sua vida profissional. Na maioria dos casos, acontece em cursos não formais de teatro, dança, artes plásticas e em conservatórios musicais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cármen Lúcia Rodrigues Arruda, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Comunicação Social - Habilitação em Relações Públicas - pela Fundação Armando Álvares Penteado (1982), mestrado em Gestão pela Qualidade Total (2004) e Doutorado em Ciências Sociais (2012) pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é responsável pela área de Ação Cultural da Coordenadoria de Desenvolvimento Cultural da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da Universidade Estadual de Campinas. Em sua atuação profissional, tem experiência na área de Comunicação Social, com ênfase em produção cultural, divulgação institucional, organização de eventos. Pesquisa principalmente os seguintes temas: políticas culturais, trabalho artístico, ensino superior, arte, profissões, relações de gênero, economia cultural, relações de trabalho.

Referências

BRASIL. Censo do Ensino Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais – Inep. Brasília-DF: Inep, 2010. Disponível em: <http://www.inep.gov.br>. Acesso em: 13 abr. 2011.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Diretoria de Avaliação (DAV). Documento de Área 2009: Área de Avaliação: Artes/Música, 2009. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/ARTES_ 31mar10.pdf>. Acesso em: 18 set. 2010.

BRASIL. Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília-DF, 1968.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília-DF, 1996.

BRASIL. Lei n. 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Brasília-DF, 2008.

FREIDSON, E. Pourquoi l’art ne peut pas être une profession (Why art cannot be a profession). In: MENGER, P.-M.; PASSERON, J-C. (Ed.). L’art de la recherche, essais en l’honneur de Raymonde Moulin. Paris: La Documentation Française, 1994.

MENGER, P-M. Retrato do artista enquanto trabalhador. Metamorfoses do capitalismo. Lisboa, Portugal: Roma Editora, 2005.

SEGNINI, L. R. P. Trabalho e formação profissional no campo da cultura: professores, músicos e bailarinos. IV Relatório anual do Projeto temático Fapesp “Trabalho e formação profissional no campo da cultura: professores, músicos e bailarinos” – agosto de 2006 a dezembro de 2007. 2007.

STRAZZACAPPA, M.; MORANDI, C. Entre a arte e a docência: a formação do artista da dança. Campinas, SP: Papirus, 2006. Coleção Ágere.

Downloads

Publicado

2016-02-12

Como Citar

ARRUDA, C. L. R. As artes no ensino superior: entre a razão e a paixão. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 209–213, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643236. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Leituras e Resenhas