Banner Portal
O “fato da língua” na materialidade da leitura
Remote

Palavras-chave

Materialidade linguística. Memória. Língua materna.Identificação

Como Citar

PAYER, M. Onice. O “fato da língua” na materialidade da leitura. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 23–32, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643276. Acesso em: 24 jun. 2024.

Resumo

Propomos discutir implicações que tem para a prática da leitura o “fato da língua” (sua materialidade histórico-discursiva). Partiremos da compreensão de que a relação do sujeito brasileiro imigrante com as formas linguísticas é marcada por tensões entre a língua portuguesa – predominante como língua nacional, escrita – e outras línguas, silenciadas no domínio público oficial, mas que permaneceram, de algum modo, em certos contextos de imigração, às vezes mescladas ao português. As formas de língua silenciadas na história guardam ainda, entretanto, um lugar no sujeito, como memória da língua materna. Já as formas da língua nacional interpelam o leitor em uma relação com a língua atravessada por valores jurídicos (correta, provada). Considerando que ambas as dimensões (nacional e materna) produzem efeito nas práticas de linguagem, procuraremos descrever e compreender certos “processos de identificação sujeito/língua” que se dão através do modo como a memória da estrutura linguística intervém na produção de efeitos de sentido, interpondo-se à relação do leitor com o texto, participando, portanto, do processo de atribuição de sentidos na leitura. O trabalho faz-se no campo da teoria do discurso.

Abstract:

It is our aim to discuss the implications of the “language fact” in reading practice (its historic-discursive materiality). We start with the premise that the relationship of Brazilian immigrant subjects with linguistic aspects is marked by tensions between the Portuguese language, predominantly the national written language, with other languages silenced in the official public domain but that somehow remained in certain immigration contexts, merged with Portuguese. The types of languages silenced in history still have a place in the subjects as a memory of their mother tongue. Yet, the modes of the national written language challenge the reader in a relationship with the language pierced by legal aspects (correct, proven). Considering that both dimensions (national and mother tongue) have an effect on language practices, we aim to describe and understand certain subject/languages identification processes which take place through the way the subject’s linguistic structure memory intervenes in the production of meanings, mediating the reader’s relationship with the text. It participates, therefore, in the process of giving meaning to what is read. The work is developed in the field of discourse theory.

Key words: Lnguistic materiality. Memory. Mother tongue. Identification

Remote

Referências

BUENO, M. C. A atribuição de sentidos na leitura de Guimarães Rosa. Dissertação de Mestrado em Ciências da Linguagem, Univas. Pouso Alegre, MG, 2006.

GADET, F.; Pêcheux, M. A língua inatingível. Trad. B. Mariani et al. Campinas: Pontes, 2004.

ORLANDI, E. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp,1988.

ORLANDI, E. (Org.) História das idéias lingüísticas. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat, 2001.

ORLANDI, E. As formas do silêncio. No movimento dos sentidos. Campinas: Unicamp, 1992.

ORLANDI, E. Análise de Discurso. Princípios e Procedimentos. Campinas: Pontes, 1999 PAYER, M. O. Memória da língua. Imigração e nacionalidade. São Paulo: Escuta, 2006.

PAYER, M. O. Processos de identificação sujeito/língua. Ensino, língua nacional e língua materna. In: Política lingüística no Brasil. ORLANDI, E. (Org.). Campinas: Pontes, 2007a.

PAYER, M. O. Línguas maternas e língua nacional brasileira. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LINGUÍSTICA, 5., 2007, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, 2007b.

PÊCHEUX, M. O papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Campinas: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. A propósito da análise automática do discurso. In: GADET, F; HAK (Org.) Por uma análise automática do discurso. Trad. B. Mariani et al. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

RÈVUZ, C. A língua estrangeira, entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In: SIGNORINI, I. (Org.). Linguagem e identidade. Campinas: Mercado de Letras, 1988.

RÈVUZ, C. Eu... escrever...? Eu... Ou como ajudar os formadores a escrever sobre suas práticas. Escritos , Campinas, n. 7. Labeurb/Unicamp, 2002.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.