Banner Portal
Leitura e formação inicial de professores: sentidos, memória e história a partir da perspectiva discursiva
Remote

Palavras-chave

Leitura. Aprendizagem. Qualificação acadêmica

Como Citar

ASSOLINI, Filomena Elaine P. Leitura e formação inicial de professores: sentidos, memória e história a partir da perspectiva discursiva. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 33–43, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643277. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Neste artigo, apresentamos resultados de uma pesquisa que vem investigando, dentre outras questões, a relação que estudantes do curso de Pedagogia estabeleceram com a leitura ao longo de suas vidas. Buscamos saber se e como tal relação repercute no processo de aprendizagem desses licenciandos de forma particular e, em sua formação acadêmica, de maneira ampla. Os postulados teórico-metodológicos da Análise de Discurso de linha francesa propostos por Pêcheux e seus seguidores, bem como as contribuições do referencial histórico-cultural trazidas por Chartier, fundamentam nossas investigações

Abstract:

In this article, we present the results of a research that has been investigating, among other issues, the relationship that the Pedagogy Program students have developed with reading throughout their lives. It is our intention to find out if and how such relationship influences these graduates’ learning process, in a particular way and their academic qualification, in an extensive way. The theoretical-methodological postulates from the French Speech Analysis proposed by Pêcheux and followers, as well as the contributions of the historical-cultural referential, brought by Chartier, substantiate our investigations.

Key words: Reading. Learning. Academic qualification

Remote

Referências

ASSOLINI, F. E. P. Interpretação e letramento: os pilares de sustentação da autoria. 2003. Tese (Doutorado) – FFCLP-USP, 2003.

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de estudos linguísticos, IEL-Unicamp, n. 19, jul./dez. 1990.

AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Campinas: Unicamp, 1998.

CHARTIER, R. Práticas da leitura. Tradução de Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

CORACINI, M. J.; BERTOLDO, E. S. (Org.). O desejo da autoria e a contingência da prática: discurso sobre/na sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2003a.

CORACINI, M. J. Identidade e discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas : Editora da Unicamp ; Chapecó: Argos, 2003b.

COURTINE, J. J. Définition d’orientations théoriques et construction de procédures en analyse du discours. Philosophiques, Québec, v. 9, n. 2, p. 239-264, oct. 1982.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURB, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Trad. Frederico Carotti. São Paulo: Companhia de Letras, 1989.

GREGOLIN, M. R.; BARONAS, R. Análise do discurso: as materialidades do sentido. 3. ed. São Carlos: Claraluz, 2007.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

HENRY, P. A ferramenta imperfeita. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes, 1987.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

ORLANDI E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formação e circulação de sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1990. p. 163-252.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio.Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

PÊCHEUX, M. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, M. O papel da memória. In: ACHARD, P. O papel da memória. Campinas: Pontes, 1999.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.