Banner Portal
Escola, Orkut e juventude conectados: falar, exibir, espionar e disciplinar
Remote

Palavras-chave

Juventude. Escola. Orkut. Subjetivação. Disciplinamento

Como Citar

SALES, S. R.; PARAÍSO, M. A. Escola, Orkut e juventude conectados: falar, exibir, espionar e disciplinar. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 225–242, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643352. Acesso em: 2 mar. 2024.

Resumo

Este artigo analisa as subjetividades juvenis demandadas pelo discurso de algumas comunidades do Orkut (site de relacionamentos) que tratam da escola. Trabalha com conceitos dos Estudos Culturais como cultura juvenil; dos estudos de Michel Foucault como poder disciplinar, subjetivação; e do pós-panoptismo e sinoptismo. A participação em comunidades do Orkut é aqui compreendida como uma estratégia que leva a juventude a escrever sobre si. Por um lado, a maquinaria do Orkut funciona como uma espécie de dispositivo panóptico, por meio do acionamento de técnicas de visibilização e disciplinamento da juventude. Por outro lado, lança mão das relações de poder pós-panópticas no processo de produção das subjetividades. O argumento desenvolvido é de que os discursos das comunidades são heterogêneos e as relações de poder estabelecidas demandam certas subjetividades e produzem efeitos de verdade que atuam no sentido de divulgar a escolarização como vinculada à garantia de um futuro de sucesso

Abstract:

This article analyzes the youth subjectivities demanded for the discourse of some Orkut communities related to school. It brings an analysis of Cultural Studies concepts, such as youth culture, and concepts from Michel Foucault’s studies, such as disciplinary power, subjectivation, pos-panopticon and sinoptism. The participation in Orkut communities here is understood as a strategy that leads youngsters to write about themselves. For one hand, the Orkut machinery works as a sort of panoptical device, through the activation of youth visualization and disciplinary techniques. On the other hand, Orkut uses the post-panoptical power relationships in the process of subjectivity production. The developed argument is that the communities’ discourses are heterogeneous and the power relationships established take certain subjectivities and produce some truth effects that end up legitimizing education as related to the guarantee of successful future life.

Key words: Youth; school. Orkut. Subjectivation. Discipline

Remote

Referências

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CINTRA, H. J. M. Dimensões da interatividade na cultura digital. Dissertação (Mestrado) — PUC, São Paulo, 2003.

COHEN, J. J. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, T. T. Pedagogia dos monstros – os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 23-60.

DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Campinas, n. 24, p. 40-52, 2003.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1988.

FISCHER, R. M. B. Técnicas de si e tecnologias digitais. In: SOMMER, L. H.; BUJES, M. I. E. (Org.). Educação e cultura contemporânea: articulações, provocações e transgressões em novas paisagens. Canoas: Ulbra, 2006. p. 67-76.

FOUCAULT, M. Verdade e poder. In: MACHADO, R. Microfísica do poder. 20. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2004a. p. 1-14.

FOUCAULT, M. O olho do poder. In: MACHADO, R. Microfísica do poder. 20. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2004b. p. 209-227.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005a.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 30. ed. Petrópolis: Vozes, 2005b.

GARBIN, E. M. Cultur@as juvenis, identid@ades e internet: questões atuais. Revista Brasileira de Educação, Campinas, n. 23, p. 119-135, maio/jun./jul./ago. 2003.

GREEN, B.; BIGUM, C. Alienígenas na sala de aula. In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 208-243.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MONTEIRO, E. Imagens e transparências. Comum, Rio de Janeiro, v. 13, n. 29, p. 56-72, jul./dez. 2007.

PARAÍSO, M. A. Política da subjetividade docente no currículo da mídia educativa brasileira. Educação e Sociedade, v. 27, n. 94, p. 91-115, jan./abr. 2006.

PARAÍSO, M. A. Currículo e mídia educativa brasileira: poder, saber e subjetivação. Chapecó: Argos, 2007.

PELBART, P. P. A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.

ROCHA, C. M. F. As “novas” tecnologias e o(s) dispositivo(s) de controle. In: SOMMER, L.

H. BUJES, M. I. E. (Org.). Educação e cultura contemporânea: articulações, provocações e transgressões em novas paisagens. Canoas: Ulbra, 2006. p. 77-91.

ROSE, N.Inventando nossos eus. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 137-204.

SARAIVA, K. Blogs, flogs, MSN, Orkut, a emergência da cibernética traz uma nova forma de pensar. Cadernos IHU em formação, São Leopoldo, n. 10, p. 25-29, 2006.

SILVEIRA, R. M. H. Identidades para serem exibidas: breve ensaio sobre o Orkut. In: SOMMER, L. H.; BUJES, M. I. E. (Org.). Educação e cultura contemporânea: articulações, provocações e transgressões em novas paisagens. Canoas: Ulbra, 2006. p. 137-150.

SPOSITO, M. P. Considerações em torno do conhecimento sobre juventude na área de educação. In: SPOSITO, M. P. (Coord.). Juventude e escolarização (1980-1998). Brasília: MEC; Inep; Comped, 2002. p. 7-34.

VEIGA-NETO, A. Espaços, tempos e disciplinas: as crianças ainda devem ir à escola? In: AVES-MAZZOTTI, A. J. et al. Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 09-20.

VEIGA-NETO, A. Crise da modernidade e inovações curriculares: da disciplina para o controle. Sísifo — Revista de Ciências da Educação, Lisboa, n. 7, p. 141-150, set./dez. 2008.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.