Banner Portal
Geografia: o olhar e a imagem pictórica
Remote

Palavras-chave

Geografia. Pintura. Linguage. Imagem. Paisagem

Como Citar

FERRAZ, Cláudio Benito Oliveira. Geografia: o olhar e a imagem pictórica. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 20, n. 3, p. 29–41, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643386. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este artigo objetiva apresentar, de forma introdutória, a possibilidade e a necessidade de diálogo entre a linguagem pictórica e o discurso científico da Geografia. Para tal, apresenta alguns elementos do alfabeto das pinturas de imagens a partir tanto da semiótica quanto da gestalt, analisadas por Fayga Ostrower e Donis Dondis. O exercício interpretativo dá-se a partir do conceito de paisagem aplicado sobre as imagens elaboradas artisticamente por grandes pintores da humanidade, contextualizando-as a partir dos elementos técnicos e tecnológicos que existiam na época e no lugar, e da forma como esses interferem nos processos de elaboração e interpretação das obras. Para exemplificar isso, utilizam-se três pinturas elaboradas em diferentes períodos, a partir da Europa medieval até o mundo moderno, apresentando, assim, os aspectos gerais que levavam à mudança de leitura espacial do território produzido a partir da consolidação do mundo urbano, industrial e baseado na lógica da mercadoria.

Abstract:

This article is aimed at presenting some introductory remarks on the possibility and the need for dialogue between the pictorial language and the scientific speech in geography. For such, it presents some elements used in the painting of images based on both semiotics and the Gestalt theory, analyzed by Fayga Ostrower and Donis Dondis. The interpretative exercise happens thanks to the landscape concept applied to the images created artistically by great painters from history. This exercise contextualizes these images considering both the technical and technological elements which existed at the time and place where they were produced and how these elements interfered in the processes of creating and interpreting theses masterpieces. To illustrate this, we have used four paintings from different periods, from the medieval Europe time to the modern world, hence introducing the general aspects which led to a change in the spatial reading of the territory produced after the consolidation of an urban, industrial world based in a merchandizing logic.

Key words: Geography. Painting. Languag. Imag. Landscape

Remote

Referências

ARGAN, Giulio. Arte moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. 709 p.

BECKETT, Wendy. História da pintura. Portugal: Livros e Livros, 1994. 400 p.

CUMMING, Robert. Para entender a Arte. São Paulo: Ática, 1996. 104 p.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 236 p.

ELIOT, T. S. Poesia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. 313 p.

FERRAZ, Cláudio B. Geografia e paisagem — entre o olhar e o pensar. 2002. 380 p. Tese (Doutorado em Geografia) — FFLCH/USP, SP.

MOREIRA, Ruy. O discurso do avesso. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987. 180 p.

OSTROWER, Fayga. A construção do olhar. In: NOVAIS, Adauto (Org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. p. 167-182.

TÁPIES, Antonio. A prática da arte. In: História geral da Arte. Rio de Janeiro: Ediciones Del Prado, 1995. p. 7-8. v. 1.

THARRATS, Joan-Josep. Apresentação. História geral da Arte. Rio de Janeiro: Ediciones Del Prado, 1995. p. 9-17. v. 1.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.