A questão da cientificidade das ciências humanas

Autores

  • Lidia Maria Rodrigo Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Epistemologia. Positivismo. Ciências da natureza. Ciências humana

Resumo

O artigo examina a questão da construção das humanidades como ciências autônomas no século XIX, a partir do seu distanciamento da filosofia e aproximação das ciências naturais, cujos procedimentos metodológicos foram tomados como padrão universal de cientificidade. Examina não apenas como o positivismo formulou o primeiro esboço de uma teoria geral das ciências humanas com base no modelo das ciências da natureza, mas também os problemas decorrentes desse empréstimo metodológico. Termina por mostrar que a recusa do modelo positivista não implica negar a possibilidade de um saber científico sobre o homem, na medida em que existem alternativas que procuram viabilizar as ciências humanas dentro de outros parâmetros, distintos daqueles positivistas.

Abstract:

This article brings an analysis of the building of humanities as autonomous sciences in the eighteenth century, since they became distant from philosophy and close to natural sciences, whose methodological procedures were taken as a universal pattern of scientificity. It also presents a study on how positivists have formulated both the first sketch of a general theory of human sciences based on the nature sciences model and the problems resulting from this methodological borrowing. It ends by showing that refusing the positivist model does not mean refusing the existence of scientific knowledge about man, since there are alternatives by which some people try to make human sciences viable according to parameters that differ from the positivist ones.

Key words: Epistemology. Positivism. Nature sciences. Human sciences

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidia Maria Rodrigo, Universidade Estadual de Campinas

Livre docente em Filosofia da Educação pela FE-UNICAMP, é licenciada em Filosofia pela PUCCAMP. Em 1984, obteve título de mestre em Filosofia da Educação pela UNIMEP, com dissertação intitulada "Aventuras e desventuras da filosofia no Brasil: o nacionalismo no pensamento filosófico" e, em 1996, doutorou-se em Filosofia pelo IFCH da UNICAMP com a tese "O imaginário do poder e o poder do imaginário em Maquiavel". 

Referências

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1994.

COMTE, A. Curso de filosofia positiva. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

DURKHEIM, É. As Regras do método sociológico. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

JAPIASSU, H. O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

JAPIASSU, H. Nascimento e morte das ciências humanas. Rio de Janeiro: F. Alves, 1978.

JAPIASSU, H. Questões epistemológicas. Rio de Janeiro: Imago, 1981.

GOLDMANN, L. Ciências Humanas e Filosofia. 3. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1972.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

VANCOURT, R. A estrutura da filosofia: as origens do homem. São Paulo: Duas Cidades, 1964.

VEYNE, P. Como se escreve a história; Foucault revoluciona a história. Brasília: Editora da UnB, 1982.

Downloads

Publicado

2016-02-22

Como Citar

RODRIGO, L. M. A questão da cientificidade das ciências humanas. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 18, n. 1, p. 71–77, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643574. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê