O idoso e a sociedade moderna: desafios da gerontologia

Autores

Palavras-chave:

Gerontologia. Envelhecimento. Ética. Teoria. Política

Resumo

A Gerontologia é um dos saberes voltados ao estudo e à intervenção no campo do envelhecimento, e como tal tem se defrontado com o aumento, a diversificação e a crescente complexidade das demandas sociais, científicas, éticas e políticas. Neste artigo, apresentamos um conjunto de questões com as quais se defrontam os pesquisadores, profissionais e aqueles responsáveis pela elaboração de políticas públicas voltadas para a população idosa. Trata-se de uma leitura crítica da Gerontologia, baseada na identificação e discussão de seus dilemas atuais. Concretamente, o presente texto está organizado em torno de quatro eixos de reflexão: 1) o desafio ético da minoridade; 2) o desafio teóricoideológico; 3) o desafio da indignação e da “judicialização”; e 4) o desafio da rerritualização vital. Entendemos que a reflexão sobre estas questões se inscreve num movimento de sistematização e discussão da herança intelectual da Gerontologia.

Abstract:

Gerontology is one of the fields of knowledge dedicated to the study and intervention in the field of aging. It has been facing a changing and increasing complexity of social, scientific, ethical, and political demands. In this article we present a set of questions that challenge the researchers, professionals, and other subjects responsible for the elaboration of public policies for the elderly population. This study is a critical analysis of gerontology based on the identification and discussion of its current dilemmas. In terms of structure, the present text is organized into four themes for reflection: 1) the ethical challenge of the minority; 2) the theoretical-ideological challenge; 3) the challenge of indignation and “judiciousness”; and 4) the challenge of vital re-ritualization. We understand that reflection about these issues is part of a movement for the systematization and discussion of the intellectual inheritance of gerontology.

Key words: Gerontology. Aging. Ethics. Theory. Politics

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Theophilos Rifiotis, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina. Lecionou na Université de Montréal (Canadá) e na Universidad de Buenos Aires (Argentina) e em várias universidades no Brasil. Pesquisador convidado no Centre d'Analyse et d'Intervention sociologique (CADIS) da École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) de Paris, do Centre de recherche interdisciplinaire sur la violence familiale et la violence faite aux femmes (CRI-VIFF) e Centre international de criminologie comparée (CICC) da Université de Montréal (Montreal).

Referências

BOBBIO, N. O tempo da memória. De senectute e outros escritos autobiográficos. Rio de Janeiro, Editora Campus, 1997.

CAPONI, S. N. C. Da compaixão à solidariedade: uma genealogia da assistência médica. Rio de Janeiro, FIOCRUZ, 2000.

CHAUÍ, M. Apresentação. Os trabalhos da memória. In: BOSI, E. Memória e sociedade. Lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

CÍCERO. Dialogue sur la vieillesse. Suivit de L’amitié. Paris: Librairie Hachette et Cie, 1928.

CÍCERO. Saber envelhecer. Seguido de Lélio, ou A Amizade. Porto Alegre: L&PM, 1997.

COELHO, P. A velhice deve ser farta de liberdade (republicado de uma “poetisa americana”. Folha de São Paulo, 31/08/94, Ilustrada 5/4.

COHEN, L. Não há velhice na Índia: os usos da gerontologia. Textos didáticos: Antropologia e velhice (IFCH/Unicamp), (13):73-134, março 1994.

DEBERT, G. G.; SIMÕES, J. A. A Aposentadoria e a invenção da “terceira idade”. Textos didáticos IFCH/Unicamp (DEBERT, G.G. (org.) “Antropologia e velhice”) 1(13): 31- 48, março 1994.

ERIKSON, E. H. El ciclo vital completado. México: Paidos Studio, 1990.

GUIMARÃES, A. F. A.; LEAL, L. R. Aposentadoria como ritual de passagem. Estudo da aposentadoria entre trabalhadores da CELESC. Monografia (Curso de Especialização em Gerontologia / UFSC). Florianópolis, 2001.

JUVÊNCIO, F. C.; BAPTISTA, V. As Delegacias de Polícia de Proteção ao Idoso em São Paulo e Campinas. Trabalho apresentado na XX Reunião Brasileira de Antropologia, Salvador, 1995 (mimeo) MEAD, M. Le fossé des générations. Les nouvelles relations entre les générations dans les années 1970. Paris : Denoël/Gothier, 1979.

MORIN, E. Cultura de massa no século XX. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1967.

MUNIZ, J. Os direitos dos outros e outros direitos: um estudo sobre a negociação de conflitos nas DEAMS/RJ. SOARES, L. E. et al. Violência e política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: ISER/Relume Dumará, 1996, p. 125-163.

POPPER, K. Utopia e violência. In: POPPER, K. Conjecturas e refutações. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994.

QUEIROZ, R. Conselho aos jovens. O Estado de São Paulo, 2001.

RIFIOTIS, T. A Mídia, o leitor-modelo e a denúncia da violência policial: o caso Favela Naval (Diadema). Revista São Paulo em Perspectiva, 13(4):28-41, 1999.

RIFIOTIS, T. O Ciclo vital completado. A dinâmica dos sistemas etários em sociedades negro-africanas. In: BARROS, M.M.L. Velhice ou terceira idade? RJ: FGV, 1998, p. 85- 110.

RIFIOTIS, T. Grupos etários e conflito de gerações: bases antropológicas para um diálogo interdisciplinar. Revista Política & Trabalho (Mestrado em Ciências Sociais – UFPB) (11):105-123, 1995.

RIFIOTIS, T. As delegacias especiais de proteção à mulher no Brasil e a judiciarização dos conflitos conjugais. Revista Sociedade e Estado, Brasília, 19(1):85-119, 2004.

RIFIOTIS, T. Nos campos da violência: diferença e positividade. Antropologia em Primeira Mão. Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (19):1-18, 1997 RIFIOTIS, T. Aldeias de jovens: a passagem do mundo do parentesco ao universo da política em sociedades banto-falantes. Abordagem socioantropológica da dinâmica dos grupos etários através do estudo da literatura oral. 1994. Tese (Doutorado). São Paulo, USP.

SANTOS, V. R. Práticas policiais nas delegacias de proteção à mulher de Joinville e Florianópolis (SC). 2001. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

SCHIRRMACHER, F. A Revolução dos idosos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

SOARES, B. M. Mulheres invisíveis. Violência conjugal e novas políticas de segurança. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

VERAS, R. P. País jovem com cabelos brancos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, UERJ, 1994.

Downloads

Publicado

2016-02-22

Como Citar

RIFIOTIS, T. O idoso e a sociedade moderna: desafios da gerontologia. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 18, n. 1, p. 137–151, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643583. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos