Desenvolvimento psicológico e constituição de subjetividades: ciclos de vida, narrativas autobiográficas e tensões da contemporaneidade

Autores

  • Marta Kohl Oliveira Universidade de São Paulo
  • Teresa Cristina Rego Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Desenvolvimento psicológico. Constituição de subjetividades. Ciclos de vida. Narrativas autobiográficas. Tensões da contemporaneidade

Resumo

O presente artigo discute aspectos teóricos e dados empíricos oriundos de uma pesquisa em andamento, a qual objetiva explorar três dimensões complementares das relações entre desenvolvimento psicológico e constituição de subjetividades: os ciclos de vida, as narrativas autobiográficas e as tensões da contemporaneidade. Com base na abordagem histórico-cultural e em outras fontes teóricas, o artigo analisa um relato autobiográfico de uma mulher de 58 anos de idade, de baixa renda e com pouca escolaridade, produzido oralmente, em situação de entrevista videogravada. A primeira das três dimensões analisadas é a da periodização do desenvolvimento, este tomado como os modos de inserção dos sujeitos em suas condições de vida históricas e concretas, bem como as múltiplas formas de apropriação de tais condições. A segunda dimensão objetiva explorar de que forma as narrativas autobiográficas contribuem para a compreensão das relações entre o desenvolvimento e a cultura, enfatizando a dupla determinação nas relações entre sujeito e entorno sócio-histórico. A terceira dimensão focaliza as principais repercussões subjetivas das tensões da contemporaneidade, materializadas nas narrativas autobiográficas, cuja significação parece não mais se dar majoritariamente pelas vivências públicas ou institucionais. A discussão realizada permite o questionamento e a superação de postulados sobre linearidade temporal, evolução, continuidade e ordem no processo de desenvolvimento. Em vez de mostrar eventos psicológicos como sendo bem dirigidos e progressivos, a análise dos dados evidencia que o desenvolvimento deve ser entendido como um processo que inclui, simultaneamente, avanços e retrocessos, bem como ambigüidades, rupturas e descontinuidades.

Abstract:

The present text discusses theoretical aspects and empirical data from an ongoing study whose objective is to explore three complementary dimensions of the relations between psychological development and the constitution of subjectivities: life cycles, autobiographical narratives, and the tensions of contemporaneity. Based on the cultural-historical approach and on other theoretical sources, the analysis presented focuses on an autobiographical report, orally produced in a video recorded interview, by a low SES, 58-year-old female, with little schooling. The first of the three dimensions here explored is the issue of the stages of human development, taken as modes of insertion of the subjects in their historical and concrete life conditions, as well as the multiple forms of appropriation of such conditions. The second dimension aims to explore the way in which autobiographical narratives can contribute to a better understanding of the relations between development and culture, emphasizing the double determination in the relations between subjects and sociohistorical surroundings. The third dimension focuses on the main subjective repercussions of the contemporaneity tensions as materialized in the autobiographic narratives, whose meaning seems not to be mainly defined by the public or institutional experiences anymore. The proposed discussion allows the questioning and overcoming of postulates about temporal linearity, evolution, continuity and order in the development process. Instead of showing psychological events as well directed and progressive, the data analysis shows that development must be understood as a process that includes, concomitantly, advance and retrocession, as well as ambiguity, discontinuity, and rupture.

Key words: Psychological development. Constitution of subjectivities. Life cycles. Autobiographical narratives. Contemporaneity tensions

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Kohl Oliveira, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de São Paulo (1975), mestrado em Psicologia Educacional - Stanford University (1977) e doutorado em Psicologia Educacional - Stanford University (1982).

Teresa Cristina Rego, Universidade de São Paulo

É professora Livre-Docente da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. É Pós-Doutora pela Universidad Autonoma de Madrid (2007-2008), Doutora em Psicologia da Educação pela Universidade de São Paulo (2000), Mestre em História e Filosofia da Educação pela Universidade de São Paulo (1994) e Graduada em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1988). É docente da graduação e da pós-graduação (áreas: Psicologia e Educação e Sociologia da Educação) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BALTES, Paul B. Theoretical propositions of life-span developmental psychology: on the dynamics between growth and decline. Developmental Psychology, 23(5): 611-626, sept 1987.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de M.; AMADO, Janaína. (orgs.) Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, p. 183-91, 1996.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T. A . Queiroz, 1994.

BRUNER, Jerome. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BRUNER, Jerome e WEISSER, Susan. A invenção do ser: a autobiografia e suas formas. In: OLSON, D. R.; TORRANCE, N. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, 1995.

CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milênio: lições americanas. 3.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CAMUS, Albert. O primeiro homem. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1994.

DUBET, François. A formação dos indivíduos: a desinstitucionalização. Revista Contemporaneidade e Educação, ano 3, v.3, p.27-33, 1998.

DUBET, François. Sociologia da experiência. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. São Paulo: Jorge Zahar, 1994.

ERIKSON, Erik H. O ciclo de vida completo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

FERRAROTI, Franco. (org.) Histoire et histoires de vie: la méthode biographique dans les sciences sociales. Paris: Libraire des Meridiens, 1983.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1996.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. 8.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HALBWACHS, Maurice. Les cadres sociaux de la mémoire. Paris: Moutun, 1976.

LAHIRE, Bernard. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LEWIS, Michael. Alterando o destino: porque o passado não prediz o futuro. São Paulo: Moderna, 1999.

LARROSA, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 4.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio. Lisboa: Relógio D’água, 1983.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. Projeto história: revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: EDUC, 1981, p.63- 104.

OLIVEIRA, Marta Kohl de. Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. Educação e Pesquisa, 30(2): 211-229, maio/ago 2004.

OLIVEIRA, Marta Kohl de; TEIXEIRA, Edival. A questão da periodização do desenvolvimento psicológico. In: OLIVEIRA, Marta K. de, SOUZA, Denise T.R. e REGO, Teresa C. (orgs). Psicologia, Educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, CPDOC/FGV, São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, Vértice, 1989/3.

SOARES, Magda Becker. Metamemória-memórias: travessia de uma educadora. São Paulo: Cortez, 1990.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

VINÃO, Antonio. Las autobiografias, memórias y diários como fuente histórico-educativa: tipologia y usos. Sarmiento: Anuario Galego de Historia de la Educación. Espanha, Universidade de Vigo, 1999, n. 3, p. 223-253.

VYGOTSKY, Lev S. A Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

VYGOTSKY, Lev S.; LURIA, Alexander R. Estudos sobre a história do comportamento. São Paulo: Artmed, 1997.

Downloads

Publicado

2016-02-29

Como Citar

OLIVEIRA, M. K.; REGO, T. C. Desenvolvimento psicológico e constituição de subjetividades: ciclos de vida, narrativas autobiográficas e tensões da contemporaneidade. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 119–138, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643631. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)