Desregulamentação e legalização das normas organizacionais do trabalho: a cidadania em questão

Autores

  • Maria Inês Rosa Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Desregulamentação. Normas (antecedentes) orgaruzacionais. Direito do trabalho. ReeIaboração de normas (trangressões civis). Espaços privado e público. Trabalho e uso de si

Resumo

A desregulamentação dos direitos do trabalhador é considerada a partir das mudanças no trabalho,melhor dizendo, das mudanças no uso de si,do homem, na condição de trabalhador, as quais ampliam, dentre outros aspectos, o poder de dispensa do empregador, ampliação esta que é garantida pela desregulamentação. É esta analisada em confluência com as novas normas antecedentes do trabalho, organizacionais, apoiada pela ação estatal, sendo que uma e outra baseiam-se na utopia liberal que pensa o social e, aí, a esfera do trabalho, no ruvel do contradireito do poder disciplinar. Nesse contexto, são pensados o "objeto" e as especificidades do Direito do Trabalho e sua atividade de [re]elaboração de suas normas em articulação com as trangressões civis,as [re]elaborações daquelas normas que faz o trabalhador -o uso de si por si -, no uso que dele é feito, modificando-as e criando outras racionalidades, outros modos de gerir e um outro espaço, o do espaço jurídico-ético, no espaço privado do 10m!de trabalho. Essas articulação e atividade do Direito do Trabalho se distanciam do trabalho da desregulamentação dos direitos sociais do trabalhador, em curso, e o questiona. Este trabalho mediante aquela confluência, coloca em questão os valores sem dimensão, os do bem comum, da justiça, e, por conseguinte, a cidadania.

Abstract:

The disregulation of the rigths of the worker is considered through changes in the work, changes in the use of oneseIf, of the man, in the condition of worker. These changes enlarge, among other aspects, the employer's power of dispense, which is warranted by the disregulation. It is analysed in confluence with the new antecedent norms of work, organizational norms, and supported by state action. Both of these are based on the liberal utopia that thinks about the social, which includes the sphere of work, on the leveI of the counter-rigth of the disciplinary power. In this context is thougth the "object" as well as the specificities of the Rigth to Work and its activity of (re)eIaboration of its norms in articulation with civil transgressions, the (re)eIaborations of those norms that the worker does - the use of oneseIf by oneseIf -in the use that is made of him, changing these norms and creating other rationalities, other ways of management and another space, the space of the juridical-ethical, in the private space of the focuJóf work. This articulation and activity of the Right to Work distances of the work fram the disregulation of the social rights of the worker and the questioning. This work mediates the confluence, putting in question the values without dimension, those of the common good, of justice, and in consequence, citizenship.

Key-words: Disregulation, organizational (antecedents) norms, right to work, reelaborations of norms (civil transgressions), private and public space, work and use of oneself.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Inês Rosa, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciências Sociais (Universidade de São Paulo, 1975), mestrado em Sociologia (Universidade Estadual de Campinas,1982), doutorado em Sociologia (Universidade de São Paulo,1991); Pós-doutorado: 1994-1996 (EHESS, Paris) e estágio no Départment d´Ergologie (ex-APST- E. & R.) Université de Provence- Aix-en-Provence).

Referências

ALIPRANDI, Elvio. Um pequeno avanço. Folha de S. Paulo, São Paulo, 31 jan. 1998. Seção Tendências/Debates (O contrato por prazo determinado vai estimular a geração de empregos?), p. 2.

ALTHUSSER, Louis. O Futuro duramuito tempo.São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ARENDT, Hannah. A Condiçãohumana.São Paulo: Forense, 1981.

BOURDIEU, Pierre. Contre-fiux.Propospour servirà Ia résistancecontreI'invasionnéo-libéralt.Paris: Raisons d'Agir, 1998a. . A máquina infernal. Folha de S. Paulo,São Paulo, 12 jul. 1998b. Caderno Mais!, p. 5-7.

FOUCAULT, Michel. Vigiar epunir. Petrópolis: Vozes, 1977.

FREITAS-JÚNIOR, A. Rodrigues de. Do protecionismo à desregulação:mudanças do papel do Estado na esfera das relações de trabalho.In: BÓGUS, Lúcia.;PAULINO, Ana Yara.(Orgs.). Politicasde emprtgo,políticas depopuloçãoe direitossociais.São Paulo: EDUC, p. 151-165, 1997 . Do protecionismo à desregulamentação: mudanças do papel do Estado na esfera das relações de trabalho. In: BÓGUS, Lúcia.; PAULINO, Ana Yara. (Orgs.). Políticas de emprtgo,políticasdepopulaçãoe direitossociais.São Paulo: EDUC, 1997.

MARTELAERE, Jean de; LEFEBVRE, ArnelIe B. De l'hegémonie planétaire occidentale à mondialisation. Autour de l'hypothése d'un développement stratifié du capitalisme L'Homme et Ia Societé(Figures actuelIes du capitalisme) n. 113, respectivamente páginas 19-31; 33-45, 1993.

MARX, Karl. O 18 Bmmário. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

MARX,Karl. EI Capital. Livro I, Capítulo VI (Inédito), Buenos Aires: Siglo XXI, 1974.

ROSA, Mana Inês. A indústria brasileira na década de 60: as transformações nas relações de trabalho e a estabilidade [de emprego]. 1982. Dissertação (Mestrado) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas . Trabalho,suijetividadeepoder.São Paulo: EDUSP-Letras & Letras, 1994.

. Do governo dos homens: "novas responsabilidades" e acesso aos conhecimentos. Educação & Sociedade.Campinas: CEDES/Papirus, n. 64 (especial), p. 130-147, set. 1998. . Trabalho - nova modalidade de uso de si e educação: debates/confrontos de valores. Pro-Posições.vol. 11, n. 2 (32), p. 51-60, jul. 2000.

. Mudançasno usode si e testemunhosde trabalhadores(comestudocriticoda sociologia industrialereestmturaçãoprodutiva).Tese (Livre-Docência), a ser apresentada junto à Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas, em novembro de 2002.

SCHWARTZ, Yves. De I'ínconfort intectuel ou: comment penser les activités humaines? In: COURS-SALIES, Pierre (Org.). La libertédu travail Paris: Ed. Syllepse. p. 99-150.

.Travail et l'usage de soi" Travail et philosophie. Convocations mutuel/es. Toulouse: Octares, 1992, p. 43-66.

. Le juridique et I'industrieux: une topologie, mise en histoire de leurs rapports In: BOULAD-AYOUBE et alo (Orgs.). L'Amour deslois:Ia crisede Ia loi modernedans les societésdémoctratiques.Laval/Paris: Presses de I'Université de Laval, L'Harmattan (mimeo), 1995, p. 1-32.

. Circulations, dramatiques, efficacités de I'acitivité industrieuse. In: BIDET, Jacques e TEXIER, Jacques (Orgs.) La crisedu travail Paris: PUF, 1995, p. 133-154.

. Travail et I'usage de soi. In: SCHWARTZ,Yves. Travail et philosophie.

Convocationsmutuel/es.Toulouse: Octares Ed., 1992, p. 43-66.Pro-Posições.vol. 11, n. 2(32), p.34-50, jul. 2000. Tradução Maria Lúcia da Rocha Leão. Revisão técnica de Maria Inês Rosa.

. Travail et I'usage desoi: passim; ROSA, Maria Inês. Trabalho - nova modalidade de uso de si e educação: debates/confrontos de valores. Proposições.vol. 11, n.2 (32), p. 51-60, jul. 2000.

. Le juridique et I'industrieux. Colloque l'amour des lois, Ia crise de Ia loi dans les societés démocratiques. Abr. 1995.Université du Québec, Montreal: Mimeo, p.

In: BOULAD-AYOUB et alo (Orgs.). L'amour desLois: Ia crisede Ia loi modernedansles societésdémocratiques.Laval/Paris: Université de Laval'L'Harmatann, 1996.

SILVA YOUNG, Ricardo. Um exemplo de miopia estratégica. Folha de S. Paulo, 14 de ago.1998, Caderno 1, p. 3.

SUPIOT, Alain. Critiquedu droit du travail Paris: PUF, 1997.

TELLES, Vera, da Silva. Direitos sociais e direitos dos trabalhadores: por uma ética da cidadania. In: BÓGUS, Lúcia e PAULlNO, Ana Yara. (Orgs.). Políticasde emprego,politicas depopulaçãoe direitossociais.São Paulo: EDUC, 1997, p. 213-224.

URANI, André. Elementos para uma política de emprego no Brasil. In: BÓGUS, Lúcia e PAULlNO, Ana Yara (Orgs.). Políticasde emprego,políticasdepopulaçãoe direitossociais.São Paulo: EDU C, 1997, p. 47-68.

Downloads

Publicado

2016-03-07

Como Citar

ROSA, M. I. Desregulamentação e legalização das normas organizacionais do trabalho: a cidadania em questão. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 13, n. 3, p. 31-44, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643935. Acesso em: 30 out. 2020.

Edição

Seção

Dossiê