Banner Portal
A qualificação profissionalnas empresas: Reflexões em torno das identidades sociais, nacionalidades e culturas empresariais
PDF

Palavras-chave

Etnografia. Identidades sociais. Nacionalidades. Culturas empresariais. Qualificação profissional

Como Citar

GUSSI, Alcides Fernando. A qualificação profissionalnas empresas: Reflexões em torno das identidades sociais, nacionalidades e culturas empresariais. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 75–84, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644026. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar um conjunto de reflexões teóricas, a partir da antropologia social, acerca da construção das identidades sociais e das nacionalidades no universo empresarial. Tais reflexões buscam compreender a construção do conceito de qualificação profissional nas empresas, que vem se transformando no contexto de reestruturação produtiva mais amplo do capitalismo contemporâneo. Essas discussões pretendem encaminhar a proposta de se realizar uma pesquisa etnográfica em uma empresa (uma descrição densa, nos dizeres Geertz) como forma de compreender como os diversos agentes sociais empiricamente constróem as suas práticas e representações em tomo da qualificação, verificando, sobretudo, as políticas de treinamento e formação profissional das empresas. Pretendo desenvolver essa proposta etnográfica, em minha pesquisa de doutorado em torno de empresas transnacionais espanholas que atuam no Brasil

Abstract:

This article has for objective to present a group of theoretical reflections, starting from the social anthropology, concerning the construction of the social identities and of the nationalities in the managerial universe. Such reflections look for to understand the construction of the concept of professional qualification in the comparues that it comes transforming itself in the wider context of productive restructuring of the contemporary capitalismoThose discussions intend to guide the proposal of taking effect a ethnographical research in a company (a dense description, as tell us Geertz) as form of understanding like the several agents social empirically construct his practices and representations around the qualification, verifying, above ali,the training politics and professional formation of the companies. That proposed ethnographical intends to develop in my doctorate research around spanish transnational companies that act in Brazil.

Word-keys: Ethnography, social identities, nationalities, managerial cultures, professional qualification.

PDF

Referências

Anderson, B. (1983) Imaginedcommunities:Rcjlectionson the orignand spradof nationalism.Londres: Verso.

Appel, K. o. (1985) La traniformadónde Iafilosqfta.Madri: Taurus.

Barth, F. (1969) Ethnic groups and boundaries. The sodal organiif1tionof eulturediference.Bergen Olso: University for Galet.

BeU, D. (1973) O adventoda sodedadepós-industrial.São Paulo: Cultrix.

Braverman, H. (1974) Trabalhoe caPitalmonopolista.Rio de Janeiro: Zahar.

Cardoso de Oliveira, R. (1976) Identidade,etniae estruturasodal.São Paulo: Pioneira.

. (1983) Enigmas e soluções. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

(1986) "Etnicidade, eticidade e globalização". Salvador: ABA. (digitado) . (1988) Sobre o pensamento antropológico.Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Carneiro da Cunha, M. (1985) "Etnicidade: da cultura residual mas irredutível". In. Antropologia do BrasiL' Mito, história, etnicidade. São Paulo: Brasiliense/EDUSP.

. (1985a) Negros, estrangeiros- Os escravoslibertos e sua volta à Africa. São Paulo: Brasiliense.

Castells, M. (1995) "Les flux,les réseaux et les identités: Ou sont les sujets dans societé informationelle?" In: Dubet, F. e Wieviorka, M. Penserle sujet. Paris: Fayard.

. (1998) La era de Ia injof71Jación.Madri: Alianza Editorial.

Coelho Jr., P.J. (1996) "Etnografia, antropologia e o universo empresarial". In: Revista deAdministração Pública, vol. 3D, n° 6, Rio de Janeiro.

. (1996") "Ligações perigosas: Breves reflexões sobre as relações entre a antropologia e administração". In: Revista de Administração Pública, vol. 30, n° 4, Rio de Janeiro.

. (1997) "Antropologia e Administração: Encontro de Saberes. Uma Abordagem Etnográfica". IFCH-UNICAMP. (dissertação de mestrado).

Coriat, B. (1994) Pensarpelo avesso:O modelojaponês de trabalho e organiif1ção.Rio de Janeiro: Revan.

Fleury, M. T. L. (1987) "Estórias, Mitos, Heróis - Cultura Organizacional e Relações de Trabalho".

In:ERA, 27 (4) 7/18, out/ dez.

e Fischer R. (coords.) (1989) Culturaepodernas organizações. São Paulo: Atlas.

Freitas, M. E. de (1989) "Cultura Organizacional: Grandes Temas em Debate". In: Revista de Administraçãode Empresas,jan/ março, São Paulo.

Gellner, E. (1983) Nations and nationa/ism.Oxford: Basil Blackwell.

Geertz, C. (1989) A interpretaçãodas culturas.Rio de Janeiro: Guanabara.

Gitahy, L. (org.) (1984) Recstruturaciónproductiva,trabqjoy educaciónen America Latina. Campinas: CIID-CENEP, UNESCO-OREALC.

Gussi, A. F. (1997) Os norte-americanosdo BrasiL'Identidadesno contexto transnacionaLEditora do Centro de Memória/UNICAMP.

e Castro, M. L. de (1995) Identidadesno contexto transnacionaL'Lembranças e esquecimentosde ser norte-americanoconfederadoou japonês. Tramandaí, RS, V Reunião de Antropologia do Mercosul, 1995, no prelo.

Gluckman, M. (1972) Análise de uma situaçãosocialna Zululândiamoderna.In: Feldman-Bianco (ed.). Antropologia das sociedades contemporâneas:Métodos. São Paulo: Global.

Habermas, J. (1989) Identidades nacionalesy identidades postnacionales. Madri: Tecnos.

Hirata, H. (org.) (1993) Sobre o modelojaponês. São Paulo: EDUSP.

Hobsbawn, E. (1990) Nações e nacionalismodesde 1780: Mito e realidade.Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Kuhn, T. S. (1992) A estrutura das revoluçõescientfftcas.São Paulo: Perspectiva.

Leite, M. e Posthuma, A. C. (1996) "Reestruturação Produtiva e Qualificação: Reflexões sobre a Experiência Brasileira". In: São Paulo em Perspectiva,vol.10, nOl, jan./mar., São Paulo.

Levi-Strauss, C. (1986) "Estrutura e ecologia". In: O olhar distanciado.Lisboa: Edições 70.

Pépin, N. (1997) "CultUra de Empresa: Nascimento, Alcances e Limites de um Conceito". In: Mosaico.

V(I), nO 1, Vitória: UFES/CEG.

Ruben, G. R. (1984) O que é nacionalidade.São Paulo: Brasiliense.

. (1988) "Teoria da identidade: Uma Crítica". In: Anuário Antropológico/86.Brasília.

. (1992) "Teoria da Identidade na Antropologia: Um Exercício de Etnografia do Pensamento Moderno". In: Corrêa, M. e Laraia, R. (orgs.) RobertoCardosode Oliveira: Homenagem.São Paulo: IFCH/UNICAMP.

(1992') "As Identidades e Nacionalidades Latino-americanas no Contexto Transnacional". In: Zarur, G. (org.) IdentidadesemAmericaLatina. FLACSO.

. (1995) "Empresários e Globalização: Prolegômenos de uma Metodologia de Compreensão e de Ação. In: RevistaBrasileirade CiênciasSociais,n° 28.

. (1997)"Cultura e Gestão de Empresa no Brasil: Um Estudo Comparativo". Campinas: Unicamp. (digitado) . et aI/i. (1995) "Resíduos e Complementaridade: Das Relações entre a Teoria da Administração e a Antropologia". In: Revista Brasileira de Administração Contemporânea, vol.

I, n° 6, Rio de Janeiro.

Sahlins, M. (1979) Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar.

Shiroma, E. O. (1983) "Mudança Tecnológica, Qualificação e Políticas de Gestão na Força de Trabalho no Modelo Japonês". (tese de doutorado em educação.) Universidade Estadual de Campinas.

Campinas.

Touraine, A. (1969) La societépost-industriel/e. Paris: Danoel.

. (1995) Crítica da modernidade. Petrópolis: Vozes.

Turner, V. (1967) The forest of simbols: aspectsof Ndembu ritual. Ithaca: ComeU University

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.