Banner Portal
Lápis vermelho é de mulherzinha: Desenho infantil, relações de gênero e crianças pequenas
PDF

Palavras-chave

Infância. Relações de gênero. Educaçã. Infantil. Desenho infantil

Como Citar

GOBBI, M. Lápis vermelho é de mulherzinha: Desenho infantil, relações de gênero e crianças pequenas. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 10, n. 1, p. 139–156, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644106. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

O presente artigo, resultado da dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Educação da Unicamp, busca identificar relações de gênero em quatro meninos e quatro meninas, na faixa etária de quatro anos, em sua primeira experiência "discente" em uma escola municipal de educação infantil, no distrito de Pirituba, periferia paulistana. A pesquisa foi realizada durante o período letivo de 1995, tendo como pesquisadora também a professora da turma. Partindo do princípio de que os desenhos são verdadeiros documentos produzidos pelas crianças e que com base neles é possível conhecer muito de sua realidade vivida e perceber as crianças como falantes e criadoras de cultura, pretende conjugar relações de gênero a duas linguagens: desenho e oralidade. Neste trabalho, com o propósito de complementar as falas das crianças e o que estava contido em seus desenhos, foram feitas entrevistas semi dirigidas com seus pais e mães.

Abstract:

The current article, result of a master dissertation presented at Faculdade de EducaçãoUnicamp, seeksto identify gender relationships in the drawings of four boys and four girls in their first experienceas "students", in the four year-oldage group, "students" of a municipal pre school, in Pirituba district, a suburb in São Paulo. The research was accomplished during the school tenn of 1995 the researcher being also the teacher of the group. Assuming from the outset that the drawings are true documents produced by the children and that from them it is possible for us to know a lot of their lived reality, percieving the children as speakers and creators of culture, this work intends to conjugate gender relationships in two languages: drawing and orality. With the purpose of complementing the children's speeches and what was contained in their drawings semi driven interviews have been conducted with their parents .

Descriptors: Childhood. Gender relationships. Early childhood education. Child drawing

PDF

Referências

Afonso, L. (1995). Gênero e Processo de Socialização em Creches Comunitárias. CadernosdePesquisan.93,pp.12-21.

Andrade, M. (1975). Do Desenho. 111'.Aspectos das Artes Plásticas no Brasil. São Paulo: Martins Fontes Editora, pp. 71-77.

. (1976). Da Criança Prodígio I. I n:T. A. Lopes. (org), Táxi e Crônicas do Diário Nacional. São Paulo: Editora Duas Cidades, pp. 129-34.

.(1966). 6' aula: O primitivo-a criança. I n: Centro De Estudos Brasileiros-GFAU.

Depoimentos 2-2,pp. 67-76.

André, M.D.A. eLudke, M. (1986).Pesquisas em educação:Abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária.

Anyon,). (1990). Intersecções degênero e classe: Acomodação e resistência de mulheres e meninas às ideologias depapéis sexuais. Cadernos de Pesquisa n. 73, pp. 13-25.

Arfouilloux,). C. (1976). A Entmvista com a criança:A abordagem da criança através do diálogo, do brinquedo e do desenho.Rio deJaneiro: Editora Zahar.

Ariês, P. (1978).História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Arrazola, L. S.D. (1990). Repensando a pesquisa ação numa perspectiva feminista. Contexto e Educação. abril/junho, pp. 71-81.

BDP- Base de Dados para Planejamento. (1993). Cádernos Regionais da Administração RegionalPirituba-Jaraguá.

Bellotti, E. G. (1975). Educar para a Submissão. São Paulo: Editora Vozes.

Boltansky, L. (1989). As classes sociais e o corpo.São Paulo: Editora Graal.

Bourdieu, P. e Claude Passeron,). A (1982). Reprodução, elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Bruschini, C. M. (1990). Casa eFamília, cotidiano das camadas médiaspaulistanas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas/Editora Vértice.

Bruschini, C. e Costa, A. (orgs). (1992). Uma Questão de Gênero. São Paulo: Editora Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas.

Cardoso, S. (1988). O Olhar dos Viajantes. I n:A. Novaes.(org). O Olhar. São Paulo: Editora Companhia das Letras, pp. 347-61.

Cavalcante, Z. (1995). Arte na sala de aula. Porto Alegre: Editora Artes Médicas.

Correa, M. (1982). Repensando a Família Patriarcal Brasileira. I n: Colcha de Retalhos: Estudos sobm afamília no BrasiL São Paulo: Editora Brasiliense, pp. 13-37.

Costa, A.; Barroso, C. e Sarti, C. (1985). Pesquisa sobre mulher no Brasil, do limbo ao gueto? Cadernos de Pesquisan. 15, pp. 5-15.

Cox, M. (1995). Desenho da Criança. São Paulo: Editora Martins Fontes.

Delamont, S. (1985). Os PaPéis Sexuais e a Escola. Lisboa: Editora Livros Horizonte.

Derdyk, E. (1989a).Formas depensar o desenho, desenvolvimento do grafismo infantiL São Paulo: Editora Scipione.

.(1989b). O desenho dafigura humana. São Paulo: Editora Scipione.

Dicionário Escolar Latim/Português. (1955). Brasília: MEC Durham, E. R. A. (1988). Sociedade Vista da Periferia, I n: L. Kowarick. (org) As Lutas Sociais e a Cidade. São Paulo: Paz e Terra, pp. 169-207.

Expeleta,). e Rockwell, E. (1989). Pesquisa ParticiPante. São Paulo: Editora Cortez.

Faria,A. L. G. (1994a).O Dimito à Infância: Mário deAndrade e os Pa11JuesInfantis para as crianças defamília operária da cidade de São Paulo (1935-1938). Tese de doutorado, Universidade de SãoPaulo, São Paulo.

. (1994b). Impressões Sobre as Creches no Norte da Itália: Bambini si Diventa. I n: F. Rosemberg e M.M. Campos.(orgs). Cmches e Pré-Escolas no Hemisfério Norte. São Paulo: Cortez/ Fundação Carlos Chagas, pp. 211-32.

Fausto-Neto, A. M. Q. (1982). Família Operária e Reprodução da Força de Trabalho.

Petrópolis: Vozes.

Femandes,F.(1979).Folclom eMudança Social na Cidade de São Paulo.Petrópolis:Vo Ferreira, S.(1996).Figuração e Imaginação: Um Estudo da Constituição Social do Desenho Infantil. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Freire, Madalena. (1982). Eu sou menina, você é menino. Revista Ar't n. 01, pp. 10-5.

Giddens, A. (1992). A Transformação da Intimidade, Sexualidade, Amor e Erotismo nas Sociedades Modernas. São Paulo: Editora da UNESP.

Goodnow,J. (1977). Desenhos de Crianças. Lisboa: Moraes Editora.

Grischi, L.I.C. (1994). Ser Mãe: Produção dele, reprodução dela. I n: R. S. Cardoso (org). É uma mulher. Petrópolis: Editora Vozes, pp. 29-53.

Guattari, F. (1981).Revolução Molecular: Pulsações políticas do des%. São Paulo: Editora Brasiliense.

Gusmão, N. M. (1994). Socialização e Recalque: A criança negra no rural. Cadernos Cede s n. 32, Campinas, pp. 48-84.

Iavelberg, R. (1993). O Desenho Cultivado na Criança. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Kishimoto, T. M. (1995).] ogos tradicionais infantis: Ojogo, a criança e a educação.

Petrópolis: Vozes.

Kellogg, R.(1979).Analisis de Ia expression deipreescolar. Madri: Cincel.

Kowarick, L. (1979). A Espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Leite, M. I. F. P. (1995). No campo da linguagem, a linguagem do campo - o que falam de escola e saber as crianças da área ruraL Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro.

Levi-Strauss, C. (1970). O Pensamento Selvagem. São Paulo: Editora Nacional.

Lewis, M. D. (1984).A Sociedade Xavante. São Paulo: Editora Francisco Alves.

Lobato, J. B. M. (1994). Negrinha. I n: Urupês. São Paulo: Brasiliense.

Lowenfeld, V. (1977). A Criança e sua Arte. São Paulo: Editora Mestre Jou.

Luquet, G. H. (1969). O Desenho InfantiL Porto: Editora Civilização.

MAC-IEB-USP.(1988). Catálogo Mário de Andrade e a Criança.

Macedo,C.C. (1986).Tempode Gênesis:O povo das comunidades ec/esiais de base. São Paulo: Editora Brasiliense.

.(1986).A Reprodução da Desigualdade. São Paulo: Edições Vértice.

Magnani,J. G. C. (1988). Festa no Pedaço. São Paulo: Editora Brasiliense.

Marino, D. (1957). O Desenho da Criança. São Paulo: Editora do Brasil.

Martins,J. S. (1991). Regimar e Seus Amigos. I n:J. S. Martins (coord). O Massacre dos Inocentes, a criança sem infância no BrasiL São Paulo: Editora Hucitec.

Martins, M. C. (1992a). Aprendiz da Arte: Trilhas do sensível olhar pensante. São Paulo: Espaço Pedagógico.

.(1992b). Eu não sei desenhar, implicações no desvelar/ ampliar do desenho da adolescência: Uma pesquisa com adolescentes em São Paulo. Dissertação de mestrado.

Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mead, M. (1969). Sexo e temperamento. São Paulo: Editora Perspectiva.

Mello,G. N. (1975).Os Estereótipossexuais na escola.Cadernos de Pesquisan. 15,pp. 41-4.

Mello, T. (1996). De uma vezpor todas. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

Mêredieu, F. (1974). O Desenho Infantil. São Paulo: Cultrix.

Moraes, M. L. Q. (1994). Infância e Cidadania. Cadernos de Pesquisa n. 91, pp. 23-30.

Moreira, A.A. A. (1984).O espaço do desenho na educação do educador. São Paulo: Edi- ções Loyola.

Nin, A. (1980). Em busca de um homem sensíveL São Paulo: Editora Brasiliense.

Ostrower, F. (1978).Atividades eprocessos de criação.Rio de Janeiro: Editora Imago.

Perrôt, M.(1987). Os excluídos da História. São Paulo: Paz e Terra.

Pilar, A. D. (1994). Desenho e construção de conhecimento na criança. Tese de doutorado.

Universidade de São Paulo, São Paulo.

Prefeitura Municipal de São Paulo. (1991). A visão dos educandos. Movimento de Reorientação Curricular, n.3.

(1992). O Poder em São Paulo, História da Administração Pública da Cidade. São Paulo: Cortez.

.(1992).Evolução da Rede Municipal de Ensino. SME/SP.

Priore, M. (1991). História da Criança no BrasiL São Paulo: Editora Contexto.

Rago, M. (1987).Do Cabaré ao lar, a utoPia da cidade disciplinar, Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Rezende, A. L. e Rezende. N. B. (1989).A Tevê e a Criança que te vê.São Paulo: Editora Cortez.

Reis, M. C. D. (1993). Tecituras de destinos, Mulher e Educação. São Paulo 1910/20/30.

São Paulo: Editora Cortez.

Ricci, T. D. A. (1985). A Rosa não é a Rosa, reflexão sobre a globalidade e multiplicidade da vivência da mulher e a inadequação dos conceitos bipolares. Cadernos de Pesquisa n. 54, pp. 73-84.

Rocha-Coutinho, M. L. (1994). Tecendopor trás dospanos: A mulher brasileira nas relações familiares. Rio de Janeiro: Editora Rocco.

Rocha, R. (1984). Procurando Firme. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Rosemberg, F. (1995). A Criação de Filhos Pequenos: tendências e ambigüidades contemporâneas. I n: I. Ribeiro, e A. T Ribeiro (orgs). Família e processos contemporâneos: Inovações culturais na sociedade brasileira. São Paulo: Edições Loyola, pp. 167-90.

.(1976). Educação para Quem? Ciência e Cultura n. 12. V. 28, pp. 1466-71.

Sader,E. (1985).Quando novospersonagens entraram em cena.Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Saffiotti, H. I.. B. (1992). Rearticulando Gênero e Classe Social. I n: A. Costa e C.

Bruschini (orgs). Uma questão de Gênero. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, pp. 183-216.

Sarti, C. A. (1989). Reciprocidade e Hieraquia: Relações de Gênero na Periferia de São Paulo. Cadernos de Pesquisa n. 70, pp. 39-46.

.(1996).A Família como espelho, um estudo sobw a moral dospobws. Campinas: Editora Autores Associados.

.(1975). É Sina Que a Gente Trai; ser mulher na periferia. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Scavone, L. (1985). As Múltiplas Faces da Maternidade. Cadernos de Pesquisa n. 53.

pp.37-49.

Scoth,J. (1990). Gênero: Uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade n. 15, pp. 5-20.

(1992).A História das Mulheres. I n: P. Burke, (org). A História das Mulhern São Paulo: Editora da Unesp, pp. 63-96.

Scott, P. R. (1990). O Homem na Matrifocalidade: Gênero, percepção e experiências do domínio doméstico. Cadernos de Pesquisa n. 73, pp. 39-47.

Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. (1986). A criança vê Segal!. Caderno do ServiçoEducativo Museu LAsar SegalL Secretaria Municipal de Cultura. (1985). Revista Pirituba 100 anos.

Segall, L. (1993). Arte Infantil e Compreensão da Arte. I n: Textos, depoimentos e exposi- ções. Museu Lasar Segall (org). São Paulo, pp. 75-6.

Sempla-Secretaria Municipal de Planejamento. (1995). Dossiê São Paulo.

Silva, S. M.C. (1994). Condições Sociais da Constituição do Desenho. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Spadoni, S. (19961). li senso dello spazio e Ia sua rappresentazione grafica nel disegno infantile. Infanzia. 9/10, maio-junho, pp. 9-18.

Stolcke, V. (1986). Mulheres e Trabalho. Novos Estudos CEBRAPn. 26, pp. 83-115.

Telles,V. S. (1988). Anos 70: experiências, práticas e espaços políticos. I n:L. Kowarick (org).As lutas sociais e a cidade. São Paulo: Paz e Terra, pp. 247-87.

Wildlocher, D. (1971). Interpn:tação dos desenhos. São Paulo: Editora Vozes.

Woortmann, K. (1982). Casa e Família Operária. I n:Anuário Antropológico 80.Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, pp. 119-49.

. (1984). A comida, a família e a construção do gênero feminino. I n: GT Família e Sociedade, "ANPOCS - Encontro Anual", Águas de São Pedro, SP.

Zaluar, A. (1982). As Mulheres e a Direção do Consumo Doméstico, estudo de papéis familiares nas classes populares urbanas. In: M. S. K. Almeida (org).Colcha de Retalhos. São Paulo: Editora Brasiliense, pp. 160-83

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.