Banner Portal
A descrição na literatura e no cinema
PDF

Como Citar

TAMARU, A. H. A descrição na literatura e no cinema. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 10, n. 1, p. 179–191, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644109. Acesso em: 31 mar. 2023.

Resumo

Inicio este trabalho trazendo à tona a pergunta de Lukács , que tantas inquietações trouxe a este estudo: "O que nos importa é saber como e porquê a descrição - que originalmente era um entre os muitos meios empregados na criação artística (e, por certo, um meio subalterno)- chegou a se tornar o princípio fundamental da composição."(1968, pp. 54-5). Se a pergunta nos inquieta, é também porque ela vem seguida da afirmação de que "a descrição rebaixa os homens ao nível das coisas inanimadas, perde-se nela o fundamento da composi- ção épica" (op.cit, ibidem.). O que aparentemente poderia estar sendo colocado de maneira contraditória, tem suas explicações dentro do próprio ensaio de Lukács, Narrar 011Descrever. Para o autor, as coisas só têm vida poética enquanto estiverem relacionadas com os acontecimentos dos destinos humanos. Inumano, ou seja, longe da preocupação do homem, o mé- todo descritivo apenas revela uma natureza-morta, pois não proporciona a verdadeira poesia das coisas, limitando-se a inventariar uma monótona composição estática, que elimina o tempo da descrição. Xavier (i n Boffa, 1989, p. 66) aponta Lukács como aquele que reivindica uma arte que expresse a significação imanente ao ser social e à ação do homem na história. Em termos literários, obras que se pautem pelo narrare não pelo descrever, pois para Lukács a narração é que permite hierarquizar os dados a partir de sua inserção na ordem do tempo histórico, de luta de classes
PDF

Referências

Almeida, M.J.(1996).Anotações para o estudo da linguagem das imagens e sons na cultura atual. Anais do "2° Encontro de professores de História da USP".

Balázs, B. (1984). A face do homem. In: A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Ed.

Graal, Embrafilme.

Barbosa, S. A. M. (1989).A procura da palavra: a poesia educa enquanto poesia. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Blake, W (1988).As núpcias do céu e do inferno. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Eisestein, S. (1990). A forma dofilme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda.

Eliade, M. (1979). Ocultismo, bruxaria e correntes culturais. Belo Horizonte: Interlivros.

Filipak, F. (1983). Teoria da metáfora. Curitiba: HDV.

Gagnebin,J-M. (1994). História e narração em U7alterBenjamin. São Paulo: Perspectiva/ Fapesp/Ed. Unicamp.

Hamon, P. (1991) O que é uma descrição? 111:Categorias da narrativa. Lisboa: Vega.

Hillman,J. (1993). Anima mundi. 111:Cidade & alma. São Paulo: Studio Nobel.

Ishikawa, T. (1991). Tankas. São Paulo: Aliança Cultural Brasil-Japão.

Johnson, R. (1982). Literatura e cinema - Macunaíma: Do modernismo na literatura ao cinema novo. São Paulo: T. A. Queiroz.

Lukács, G. (1968). Narrar ou descrever. In: Ensaios sobre literatura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Machado, A. (1982). A arte do vídeo. I n: Eisenstein: geometria do êxtase. São Paulo: Brasiliense.

Pasolini, P. P. (1982). Empirismo Herde. Lisboa: Assirio & Alvim.

Paz, O. (1988). O monogramático. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Reuter, Y. (1996). Introdução à análise do romance. São Paulo: Martins Fontes.

Suzuki, T. (1993). Dossiê palavra/imagem. Revista da U5P, n016.

Tarkovski, A. (1990). Esculpir o tempo. São Paulo: Martins Fontes.

Todorov, T. (1970). As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva.

Troyes, C. (1991). Lancelot, o cavaleiro da charrete. In: Romances da Távola Redonda. São Paulo: Martins Fontes.

Xavier, L (1989). Alegoria, modernidade, nacionalismo. I n: G. Boffa, As idéias mudam na esquerda. [s.l.]:Renascita.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.