Pós-modernismo, pós-estruturalismo e nova história: a recusa da razão totalizante

Autores

  • Antônio Lúcio Campos Almeida Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Totalidade. Irracionalismo. Pós-modernismo. Pós-estruturalismo. Nova história

Resumo

O presente estudo visa focalizar, em traços essenciais, o empreendimento convergente de determinadas correntes de pensamento, no campo da filosofia, das ciências sociais e da história, no sentido de ocupação de um espaço hegemônico exc1udente, tendo como substrato comum a tendência ao irracionalismo e o abandono da categoria da totalidade na explicação da realidade histórico-social, Por outro lado, intenta este estudo desvendar o caráter ideológicopolítico de tal démarche, visto que, mediante a diluição das categorias fundamentais da práxis social inovadora, reforça a tendência sempre crescente de adesão ao status quo neoliberaL

Abstract:

The artic1e attempts to discuss the essential traits of a movement which is briging about the convergence of several currents in philosophy, social sciences and history, which have in common a tendency towards irrationalism and the abandon of the category of totality in the explanation of sociohistorical reality. The artic1ealso seeks to unveil the ideologico-political character of this démarche, since, through the dilution of the fundamental categories of an innovating social prexis, it strengthens an evergrowing acceptance ofthe neoliberal status quo.

Keywords: Totality. Irrationalism. post-modernism. post-structuralism. new history

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BurguH:re, A. (1978). La nouvel/e histoire. Encyclopédie", Retz.

Dosse. F. (1992). A história em migalhas: dos "Annales" à "Nova História ". São Paulo: Ensaio; Campinas: Editora da Unicamp.

Evangelhista. J. (1992). Crise do marxismo e irracionalismo pós-modemo. São Paulo: Cortez.

Furet, F. (1989). Pensando a Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ginsburg. C. (1981). Le Débat. dezembro de 1981.

Hayek, F. (1978). Studies in philosophy. politics and economics. London: Routledge & Kegan Paul.

Lepargneur. H. (1972). Introdução aos estruturalismos. São Paulo: Herder.

Lukàcs, G. (1989). História e consciência de classe. Rio de Janeiro / Porto: Elros / Escorpião.

pAI. MandeI. E. (1982). O capitalismo tardio. Introdução de Paulo Singer. São Paulo: Abril Cultural (Col. Os Economistas).

Merquior. J. G. (1991) O liberalismo antigo e modemo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Netto. J. P. (1993). Crise do socialis/llo e o.fensiva neoliberal. São Paulo: Cortez (Col. Questões da Nossa Época).

Nora. P. (1974). Le Nouvel Observateur, 7/05/ 1974.

Silva. T.T. (Coord.). (1994) O sujeito da educa- {'do: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vo- zes.

Zaidan Filho. M. (1989). A crise da razão histó- rica. Campinas: Papirus.

Downloads

Publicado

2016-03-14

Como Citar

ALMEIDA, A. L. C. Pós-modernismo, pós-estruturalismo e nova história: a recusa da razão totalizante. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 85–91, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644193. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos