Banner Portal
Gênero e resistências em filmes de animação
Remoto

Como Citar

XAVIER FILHA, Constantina. Gênero e resistências em filmes de animação. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 19–36, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8645896. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

O presente texto tem por objetivo discutir e problematizar as concepções de gênero da princesa Barbie em um filme de anima- ção e nas falas de crianças, bem como refletir sobre novas possibilidades de feminilidades a partir de uma protagonista de filmes de animação, produzida em experiências de produção de filme com crianças. Os questionamentos a serem debatidos são fruto de pesquisa, com apoio do CNPq, além de projetos de extensão sobre produção de filmes de animação com crianças. A reflexão empreendida entende os filmes como artefatos culturais, e as crianças como sujeitos de direito e com condições argumentativas para discutir e mudar as concepções culturalmente construídas. As figuras das princesas ainda aparecem representadas em determinado padrão de normalização. No processo da pesquisa, entretanto, essas concepções são questionadas e novas produções são realizadas, nas quais novas formas de ser feminino divergem da norma, como formas de resistência aos modelos idealizados. 

Abstract

This paper aims to discuss and to problematize the gender conceptions of Princess Barbie present in an animated film and in children talk.It also discusses the new possibilities of femininity from a protagonist of animated films produced by experiences in producing films with children. The issues to be discussed are results of research, with support from CNPq, and extension projects on production of animated films with children. The reflection undertaken understands movies as cultural artifacts and children as subjects with rights and argumentative conditions to discuss and change culturally constructed ideas. The figures of the princesses appear even represented in certain standard standards. In the process of research, however, these concepts are questioned and new productions are performed in which new ways of being female differ from the norm, as forms of resistance to idealized models.

Keywords: gender, power, resistance, animation movie

Remoto

Referências

Carvalho, M. E. P. de, Andrade, F. C. B. de, & Junqueira, R. D. (2009). Gênero e diversidade sexual: um glossário. João Pessoa: Editora da UFPB.

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica.

Ellsworth, E. (2001). Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In T. T. da Silva, Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica.

Foucault, M. (2004a). A ética do cuidado de si como prática de liberdade. In M. Foucault, Ditos & escritos V. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2004b). O retorno da moral. In M. Foucault, Ditos e escritos V. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2012). História da sexualidade 1. A vontade de saber (22a imp.). Rio de Janeiro: Graal.

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista.

Petrópolis, RJ: Vozes.

Louro, G. L. (1999). Pedagogias da sexualidade. In G. L. Louro (Org.), O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. L. (2000). Currículo, género e sexualidade. Porto: Porto Editora.

Meyer, D. E. (2003). Gênero e educação: teoria e política. In: G. L. Louro, J. Neckel, & S. Goellner (Orgs.), Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo.

Petrópolis: Vozes.

Silva, T. T. da. (2003). A produção social da identidade e da diferença. In T. T. da Silva, Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (2a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Steinberg, S. R. (2001). A mimada que tem tudo. In S. R. Steinberg, & J. L. Kincheloe (Orgs.), Cultura infantil. A construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Xavier Filha, C., & Bacarin, T. I. (2014b). O mundo da Barbie em “Escolas de Princesas” e em “As três Mosqueteiras”. In C. Xavier Filha (Org.), Sexualidades, gênero e infâncias no cinema. Campo Grande: Editora da UFMS.

Filme Barbie – Escola de Princesas (EUA, 79 min). Roteiro de Elise Allen; Produção de Schawn McCorkindale e Shelley Tabbut; Direção de Zeke Norton

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.